Cloud ComputingConvergência Digital
Novas soluções de BI diminuem dependência da área usuária na TI

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
Por Roberta Prescott 16/05/2014

Há uma nova classe de produtos que promete mudar o mercado de soluções de inteligência e de análise. “As novas ferramentas de BI tentam eliminar o gargalo das antigas, que demandavam projetos de médio prazo, caros, complexos e que envolviam diversos departamentos da empresa, além de deixar a com área usuária dependente da área de TI”, explicou Enrique Falconi, responsável pelas soluções de BI no SAS, em entrevista exclusiva ao Portal Convergência Digital.

De acordo com ele, as novas soluções são mais diretas, deixando as áreas usuárias menos dependentes da TI, pois foram criadas para usuário final, e são menos complexas, o que diminui o tempo de implantação para cerca de três meses. Elas fazem parte de uma tendência de soluções self-service, que permitem os usuários criar análises e relatórios para compreensão gráfica de dados.

Para Falconi, que atua no mercado de soluções de inteligência e análise desde 1998, o mercado evoluiu bastante. “As soluções de BI convencionais não têm capacidade de extrair valor do big data. Esta nova geração de soluções cumpre esta missão, tanto se conectada a um ambiente estruturado de data warehouse, como de Hadoop.” A principal complexidade para se analisar o big data deve-se ao fato de as soluções de business intelligence (BI) requisitarem dados estruturados, o que dificilmente acontece no big data.

É nesta linha que o SAS, empresa dos Estados Unidos que mantém seu capital fechado, vem apostando. Há aproximadamente dois anos, a companhia lançou o Visual Analytics, que utiliza a tecnologia em memória de processamento de grandes volumes de dados e, assim, responder às necessidade de endereçar o big data.  “É uma solução que atende à demanda crescente de ferramentas de BI com analytics embutido”, explicou Falconi. No Brasil, foram vendidas 35 licenças de Visual analytics — no mundo, elas somam 1.400.

No mês passado, o SAS anunciou contrato com a Amazon Web Services (AWS), fornecedora de infraestrutura e plataformas em nuvem, para a prestação de serviços na nuvem do Visual Analytics. A aposta deu resultado. O SAS fechou 2013 com receitas de US$ 3,02 bilhões, parte delas conquistadas devido à popularidade do SAS Visual Analytics.

Já a receita de serviços baseados em nuvem, SAS Solutions OnDemand, cresceu 20% — liderado pelas companhias farmacêuticas.No Brasil, as empresas também vêm olhando para esta nova classe de soluções. As implantações são lideradas pelas verticais de telecomunicações e de finanças. Sem revelar nomes, Falconi contou que não tem hoje uma empresa que não enxergue o valor de se analisar o big data.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

 Matérias relacionadas com o assunto Big data  

29/01/2016 às 13:05
Empresa brasileira de big data recebe aporte de R$ 40 milhões

28/01/2016 às 18:45
Big data e analytics vão movimentar R$ 3,2 bilhões no Brasil

11/01/2016 às 18:55
Fiocruz reestrutura data center e amplia uso do big data

27/11/2015 às 11:45
Com big data, ATOS acirra disputa em servidores com HP e IBM

12/11/2015 às 11:11
Big data passa longe da retração da economia

23/03/2015 às 11:34
Com mais de 1 bilhão de registros, big data entra na mira do Governo

22/10/2014 às 09:22
PMEs entram na mira de serviços de computação na nuvem da Oi

20/10/2014 às 11:33
NEC quer mudar e investe em Big data no Brasil

16/10/2014 às 18:28
Para EMC, as aplicações ditam as regras do jogo

15/10/2014 às 10:00
Big data: falta objetividade, não tecnologia

Opinião
Oportunidades de Big Data na área de Saúde no Brasil
Por Eduardo Prado *


VídeosMais vídeos




Destaques

Ataques DDoS se multiplicam nos serviços na nuvem e data centers

Em 2015, o maior ataque DDoS (negação de serviço) registrado foi de 500 Gbps. Estudo mostra ainda que os ataques miram, simultaneamente, infraestrutura, aplicações e serviços.


Software como serviço 'salva' o ano do segmento de TIC

De acordo com previsões da Forrester, que pela primeira vez incluiu serviços de Telecom no seu relatório, o segmento de TIC vai chegar a uma receita de US$ 2,9 trilhões em 2016. Mesmo com a retração econômica, Brasil deve ter ligeiro crescimento.


Empresas de software ainda patinam para entender o SaaS

Pesquisa da ABES mostra que há ainda muita confusão com o real sentido do termo software como serviço no Brasil.


UIT aprova primeiro padrão para Big Data

“O padrão oferece uma base comum para o desenvolvimento de serviços”, explica o diretor do bureau de padronização da entidade, Chaesub Lee.


Orquestração faz a diferença no uso da nuvem

Reduzir o número de servidores não basta. O importante é saber usar o melhor deles para melhorar a eficiência.


Copyright © 2005-2015 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.