TELECOM

Zeinal Bava: "consolidação de mercado é bom e estamos com um olhar vigilante"

Ana Paula Lobo* ... 29/11/2013 ... Convergência Digital

Em entrevista à consultoria Morgan Stanley, concedida na semana passada, em Portugal, e divulgada nesta sexta-feira, 29/11, inclusive por meio de informe à CVM, o presidente da Oi, Zenal Bava, em nenhum momento fala diretamente da TIM, mas deixa claro que não é contrário à consolidação de empresas.

"Ela nos permite aperfeiçoar o modelo de negócio, e eu acho que, em última análise, permite a existência, de empresas que acabam sobrevivendo nesse processo, que passam a deter mais capacidade de investir no desenvolvimento de suas inovações e redes e assim por diante. Assim, puramente do ponto de vista da indústria, a consolidação do mercado é sempre uma boa notícia para a indústria", frisou.

Embora prometa 'um olhar vigilante' sobre o mercado de telefonia móvel brasileiro, Bava diz que a prioridade máxima é executar a fusão com a Portugal Telecom. "É um processo que será executado até o segundo trimestre do próximo ano... Temos uma estrutura complexa. Essa estrutura irá se simplificar, e em se tornando simples, eu acredito que será mais fácil para nós examinarmos qualquer outra opção no futuro. No que diz respeito à consolidação da telefonia móvel no Brasil, independentemente do que pode ou não acontecer - e é claro que manteremos um olhar vigilante em termos do que está acontecendo - nós acreditamos que podemos aumentar nossa participação no mercado móvel de forma independente".

O executivo da Oi sustentou que, neste momento, a empresa está interessada em  "tirar partido do fato de que a Oi está presente em 4.800 municípios do Brasil e que o 2G cobre 90% da população, para realmente alavancar o nosso negócio pré-pago. Assim, apesar de todos os rumores que estão por aí sobre a consolidação, eu só gostaria de ser claro sobre um ponto: continuamos a acreditar que, organicamente, ainda podemos crescer, não obstante o fato de que a consolidação no mercado certamente seria muito útil à indústria".

Ainda sobre a fusão PT e Oi, Bava reforça a expectativa de alcançar sinergias de cerca de 5,5 bilhões de reais, dos quais 3,3 bilhões são operacionais, 2,2 bilhões são financeiras. Mas adianta que essa previsão é conservadora. "Os 3,3 bilhões operacionais, são muito conservadores em nossa opinião, porque eles são o equivalente a cerca de 1% do nosso Capex e nosso Opex. Nós achamos que podemos fazer isso, ou talvez mais, mas, nesta fase, preferimos ser conservadores a fim de sermos capazes de superar essas estimativas ao invés de decepcionar o mercado", completou.

Fonte: CVM


Revista do 59º Painel Telebrasil 2015
Veja a revista do 59º Painel Telebrasil 2015 As principais empresas prestadoras de serviços e da indústria de telecomunicações e autoridades governamentais e do Legislativo se dedicaram a discutir o tema escolhido para este ano: A evolução dos modelos de negócio das telecomunicações: Desafios políticos e regulatórios.
Clique aqui para ver outras edições

Telebras convoca Assembleia Geral para agrupar mais de 118 milhões de ações

AGE foi marcada para o  dia 2 de março. Ao todo serão agrupadas 97.439.719 de ações ordinárias e 21.002.999 de ações preferenciais, na proporção de dez para uma. Ações da estatal estão variando entre R$ 1,30 a R$ 2,40.

TIM descarta guerra de preços na disputa pelo usuário do chip único

Para o presidente da tele, Rodrigo Abreu, a disputa pelo assinante de dados se dará na oferta do melhor serviço. Ele também falou sobre Oi e Nextel. Em 2015, a TIM investiu R$ 4,7 bilhões no Brasil.

Anatel ganha mais tempo para decidir TAC da Oi

Primeiro acordo para evitar o pagamento de multas só teve até aqui um voto apresentado - e ele propõe que a operadora invista o que não pagou em redes de fibras óptica ou de rádio de alta velocidade. 

Mais pessoas terão telefone celular do que eletricidade e água encanada em 2020

O vídeo móvel será o grande motor para o impulso do tráfego de dados e vai superar qualquer aplicativo existente.


Acompanhe a Cobertura Especial ABTA 2015 na seção Telecom

TV paga: Netflix é só um 'cabrito na sala'. Há outros 'bodes' que incomodam mais

"Se a TV paga morrer, os OTTs morrem abraçados". Essa foi a posição defendida por especialistas durante a ABTA. Executivos da TV paga admitem que a Netflix obrigou mudanças no relacionamento com o cliente. Cobrança do sinal da TV aberta incomoda e é pouco comentada.

Veja mais da cobertura especial da ABTA 2015

  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G