TELECOM

Com rede Fon, Oi dispara e fica com 91,5% do mercado Wi-Fi no Brasil

Ana Paula Lobo* ... 02/09/2013 ... Convergência Digital

A Anatel incorporou os hotspots da Fon à rede da Oi que pulou de 18.611 hotspots, no 2º trimestre, para 61.815, em agosto. A parceria com a Fon, provedora mundial de wi-fi compartilhado e que chegou à América Latina por meio dessa aliança comercial, foi firmada em 2011. Na segunda posição do ranking, e bem distante, está a Net, com 3503 hotspots. A TIM foi a tele móvel que mais cresceu no período: passou de 84 para 250 hotspots, mas também fica bem longe da Oi.

Os dados, contabilizados pelo portal Teleco, mostram que o Brasil atingiu a marca de 67.537 hotspots privados em agosto, segundo a contabilidade da Anatel. A operadora privada Linkel, segundo a agência reguladora, está na terceira posição com 1640 hotspots. A Vivo aparece com 175 hotspots, mas não altera a sua presença desde maio. A Sercomtel soma 132 pontos. Em maio, eram 119 hotspots.

Nos hotspots públicos, contabilizados pela JiWare, classificada pelo Teleco como a única fonte pública disponível como fonte de dados, o país chegou a 4221 hotspots públicos. Mas o próprio Teleco diverge dessa métrica, ao constatar que a maioria dos hotspots das Linktel não está contabilizada. Segundo o Teleco, hoje, há cerca de 6 mil hotspots públicos no país.

Os dados servem para mostrar que de 2009 para cá, pouco se fez no Wi-Fi público. São Paulo segue à frente com 2.567 hotspots, mas em 2009, eram 2.446, o que denota um baixo crescimento em cinco anos. Na segunda posição aparece o Rio de Janeiro com 490. Em 2009, eram 460. O Paraná está na terceira posição com 167 hotspots. Eram 150, há cinco anos.

Numa comparação mundial, o Brasil segue muito, muito atrás no ranking mundial com 0,7% dos 826.480 hotspots, contabilizados em mais de 140 países A China, por exemplo, de acordo com o JiWare, tem 104.106 hotspots. A Rússia, 16.829. A Coreia do Sul lidera o mercado com 186.758. O Reino Unido aparece com 182.654 e os Estados Unidos com 143.645.

*Fonte: portal Teleco - www.teleco.com.br


Internet Móvel 3G 4G
App Ringo prioriza Brasil e quer desbancar OTTs e teles

Serviço chega ao país com tarifas extremamente agressivas e CEO da empresa, Bhavin Turakhi, sustenta que não é 'ilegal e que cumpre as regras do mercado nacional'

Acompanhe a Cobertura Especial ABTA 2015 na seção Telecom

TV paga: Netflix é só um 'cabrito na sala'. Há outros 'bodes' que incomodam mais

"Se a TV paga morrer, os OTTs morrem abraçados". Essa foi a posição defendida por especialistas durante a ABTA. Executivos da TV paga admitem que a Netflix obrigou mudanças no relacionamento com o cliente. Cobrança do sinal da TV aberta incomoda e é pouco comentada.

Veja mais da cobertura especial da ABTA 2015

Comissão aprova projeto que obriga Anatel a direcionar TACs para áreas pobres

PL 6791/13 insere na Lei Geral de Telecomunicações a possibilidade de troca de multas por investimentos, mas exige preferência às áreas de baixo Índice de Desenvolvimento Humano.

Na relação com o consumidor, setor de Telecom não pode brigar com a inovação

A superintendente de relação com o consumidor da Anatel, Elisa Leonel, disse que as teles não podem virar os 'taxistas da vez', citando o embate dessa categoria com o aplicativo. A executiva, que participou do 59º Painel Telebrasil, questionou ainda o pouco uso do big data como ferramenta de aproximação com o usuário.

Teles reclamam do pouco efeito prático da Lei das Antenas

“Ainda levamos de seis meses a um ano em algumas localidades para obter uma licença”, lamentou durante o Painel Telebrasil 2015 a diretora jurídica da Associação Brasileira para Infraestrutura para Telecomunicações, Anna Lucia de Souza.

Teles reclamam piora econômica para rever queda da tarifa de interconexão

Anatel descartou antecipar essa discussão, mas admite que as premissas de impacto regulatório da redução da tarifa de interconexão - VU-M - mudaram e que os pleitos já começaram a chegar à Agência.


Veja edição 13 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 13

Em ritmo acelerado


Pesquisa inédita encomendada pela Abranet ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação mostrou a relevância do segmento de Internet, cujas empresas faturaram R$ 144,7 bilhões em 2014. No período de 2012 a 2014, foram gerados 51.180 novos postos de trabalho, um incremento de 17,5%.

Clique aqui para ver outras edições

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G