Home - Convergência Digital

Corporações, em busca do melhor sinal, endossam as femtocells

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 14/01/2013
Depois de passar por dificuldades na primeira metade do ano passado, o mercado de femtocélulas - as femtocells - se recuperou – pesquisa da ABI Research indica que 2012 encerrou com embarques um pouco acima dos 2 milhões de unidades. O patamar foi alcançado porque os embarques mais que dobrar no segundo semestre.

De acordo com o levantamento, o uso empresarial das femtocélulas responde por um terço do total dos embarques. Embora o restante ainda seja destinado ao mercado consumidor das pequenas células, a pesquisa sustenta que dois terços das receitas com pontos de acesso desses equipamentos ficam com as corporações.

Airvana, Alcatel-Lucent e NEC/Ubiquisys mantiveram-se como os principais vendedores de femtocélulas – essas companhias foram responsáveis por 78% dos embarques registrados no ano de 2012.

“O apetite pelas femtocéulas persiste, como demonstra a recuperação do segundo semestre e que pode ser atribuída especialmente à recuperação dos níveis dos estoques, mas também a renovações de contratos com novas versões dos pontos de acesso. O movimento é evidente no continuado aumento dos contratos, que chegaram a 130 no mundo”, diz o diretor de redes móveis da ABI, Aditya Kaul.

Ele acredita, no entanto, que ainda há resistência no mercado. “O desinteresse em usar as femtocélulas como instrumento competitivo, como diferenciador de qualidade da rede, mais do que uma ferramenta de redução do churn, continua a prejudicar o mercado”, avalia.

“Ainda assim, é encorajador vermos a demanda se recuperando, com novos mercados na América Latina e na Rússia. Fatores competitivos em certos mercados promovem um efeito dominó, com um operador apostando [nas femtocélulas] e os outros seguindo. É o suficiente para manter o avanço, com novos modelos de negócios, como femtocélulas como serviço. Em geral, o mercado parece estar virando uma esquina.”

O mercado das femtocells promete esquentar no Brasil, a partir da aprovação das normas de uso desses equipamentos pela Anatel. As femtocélulas vem sendo defendidas pelas operadoras como forma de desafogar o tráfego de dados das redes móveis – visto que usam redes fixas associadas às células.

A proposta de regulamento prevê razoável liberdade para o uso dessas pequenas células e, em especial, atende o pleito das empresas de que elas não sejam consideradas como ERBs, de forma que seu uso não exigirá o pagamento das taxas do Fistel. Eles serão considerados equipamentos de radiação restrita e há também uma posição nacional: as antenas não poderão ser vendidas no varejo. As teles serão responsáveis pelo seu uso.Ideia é impedir interferências e problemas de uso indevido de espectro.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

01/02/2016
Na guerra pelo chip único, Claro aumenta franquia de dados no plano controle

03/12/2015
Teles cobram regulamentação urgente para a Lei das Antenas

02/12/2015
Operadoras apoiam espectro adicional para aplicações móveis

30/11/2015
Brasil avança no uso de TICs e larga a lanterna nos custos de serviços móveis

26/11/2015
Bloqueio de dados: STJ atende as teles e concentra ações judiciais no Rio de Janeiro

17/11/2015
Vídeo supera e, muito, o tráfego das redes sociais

13/11/2015
Netshoes leva o zero rating para o comércio eletrônico

09/11/2015
Franquia de dados: Teles querem ações judiciais no Rio. MP e Defesa do Consumidor rejeitam

22/10/2015
Brasília tem projeto privado de cobertura indoor unindo Vivo, QMC Telecom e RFS

19/10/2015
Minicom aprova projetos de R$ 948 milhões à TIM no REPNBL

Destaques
Destaques

4G cresceu 290% em 12 meses no Brasil

Em novembro, a tecnologia chegou a 22,6 milhões de acessos ativos. No total da banda larga - fixo e móvel - o mercado chegou a 221,8 milhões de acessos.

Leilão de sobras de frequências arrecada 852,6 milhões

Com destaque para a participação de empresas pequenas e médias, licitação realizada pela Anatel atraiu 324 concorrentes para a oferta de faixas para aplicações em banda larga. "Acredito que a indústria passará a olhar melhor para os pequenos provedores", afirmou o presidente da Anatel, João Rezende.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

O setor de Telecom em 2016

Por Jose Otero*

Há desafios para serem enfrentados, entre eles, a continuação de processos como a modernização das infraestruturas de telecomunicações do país, uma maior necessidade de conexões de banda larga de alta velocidade e novos indícios de consolidação por parte dos provedores de serviço.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site