Home - Convergência Digital

Corporações, em busca do melhor sinal, endossam as femtocells

Convergência Digital - Carreira
:: Convergência Digital - 14/01/2013
Depois de passar por dificuldades na primeira metade do ano passado, o mercado de femtocélulas - as femtocells - se recuperou – pesquisa da ABI Research indica que 2012 encerrou com embarques um pouco acima dos 2 milhões de unidades. O patamar foi alcançado porque os embarques mais que dobrar no segundo semestre.

De acordo com o levantamento, o uso empresarial das femtocélulas responde por um terço do total dos embarques. Embora o restante ainda seja destinado ao mercado consumidor das pequenas células, a pesquisa sustenta que dois terços das receitas com pontos de acesso desses equipamentos ficam com as corporações.

Airvana, Alcatel-Lucent e NEC/Ubiquisys mantiveram-se como os principais vendedores de femtocélulas – essas companhias foram responsáveis por 78% dos embarques registrados no ano de 2012.

“O apetite pelas femtocéulas persiste, como demonstra a recuperação do segundo semestre e que pode ser atribuída especialmente à recuperação dos níveis dos estoques, mas também a renovações de contratos com novas versões dos pontos de acesso. O movimento é evidente no continuado aumento dos contratos, que chegaram a 130 no mundo”, diz o diretor de redes móveis da ABI, Aditya Kaul.

Ele acredita, no entanto, que ainda há resistência no mercado. “O desinteresse em usar as femtocélulas como instrumento competitivo, como diferenciador de qualidade da rede, mais do que uma ferramenta de redução do churn, continua a prejudicar o mercado”, avalia.

“Ainda assim, é encorajador vermos a demanda se recuperando, com novos mercados na América Latina e na Rússia. Fatores competitivos em certos mercados promovem um efeito dominó, com um operador apostando [nas femtocélulas] e os outros seguindo. É o suficiente para manter o avanço, com novos modelos de negócios, como femtocélulas como serviço. Em geral, o mercado parece estar virando uma esquina.”

O mercado das femtocells promete esquentar no Brasil, a partir da aprovação das normas de uso desses equipamentos pela Anatel. As femtocélulas vem sendo defendidas pelas operadoras como forma de desafogar o tráfego de dados das redes móveis – visto que usam redes fixas associadas às células.

A proposta de regulamento prevê razoável liberdade para o uso dessas pequenas células e, em especial, atende o pleito das empresas de que elas não sejam consideradas como ERBs, de forma que seu uso não exigirá o pagamento das taxas do Fistel. Eles serão considerados equipamentos de radiação restrita e há também uma posição nacional: as antenas não poderão ser vendidas no varejo. As teles serão responsáveis pelo seu uso.Ideia é impedir interferências e problemas de uso indevido de espectro.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 

LEIA TAMBÉM:

21/10/2014
Web no celular: Anatel cobra teles, mas diz que nova cobrança não é ilegal

21/10/2014
Internet no celular: PROTESTE cobra posição da Anatel e do Minicom

16/10/2014
4G Americas: falta muito espectro para banda larga móvel

16/10/2014
Para Anatel, teles são acomodadas. Empresas admitem falta de articulação

07/10/2014
TIM expande projeto Recarregue-se

29/09/2014
Claro, Vivo e TIM acirram a briga no 3G e 4G

22/09/2014
Banda larga: Na móvel, Brasil cresce. Na fixa, país perde para a Bósnia

27/08/2014
Smartphone permite ao jovem brasileiro a ficar 100% conectado

21/08/2014
No 2º tri, tráfego móvel global chegou a 2,5 mil petabytes/mês

26/06/2014
Sem smartphones, somente 11% da classe D e E acessam Internet no celular

Destaques
Destaques

Compartilhamento: Anatel cobra licenciamento duplo de Oi e Tim

Empresas firmaram acerto para compartilhar antenas 4G, mas a agência sustenta que apesar das ERBs representarem um único conjunto de equipamentos a serem licenciados, o uso de radiofrequências distintas implica que o pagamento do Fistel deve ser feito por ambas as operadoras.

» Anatel espera Lei das Antenas para decidir sobre compartilhamento de torres

Anatel não tem pressa para vender fatia que sobrou em 700 MHz

Presidente da agência, João Rezende, descarta a inclusão da faixa no megaleilão de sobras de frequência, programado para 2015. E diz que o preço - R$ 2,7 bilhões- será mantido para o novo comprador.

» Anatel autoriza 70-80 GHz para ‘backhaul sem fio’

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Billing das coisas: o desafio de remunerar parceiros de serviços no cenário da IoT

:: Por Sandra Lis Granado*


Copyright © 2014 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site