Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Internet

Provedores: mudança no Marco Civil abre brecha para a censura no Brasil

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 12/11/2012

A Abranet, entidade que representa provedoras de acesso à Internet, divulgou nesta segunda-feira, 12/11, uma carta na qual reclama de uma das mudanças “no apagar das luzes” da tramitação do projeto na Câmara dos Deputados. O alvo é a alteração feita no artigo 15, que elimina a necessidade de decisão judicial para a retirada de conteúdos da rede.

“A Abranet entende que a retirada ou alteração do artigo 15 desfigura de maneira indelével o Projeto de Lei do Marco Civil da Internet. Tal dispositivo trata da garantia de que o usuário da Internet não sofrerá remoção indiscriminada de conteúdos postados sem a apreciação pelo Poder Judiciário”, sustenta a entidade.

O relator do texto, deputado Alessandro Molon (PT-RJ), explicou na semana passada que a alteração foi feita à pedido da ministra da Cultura, Marta Suplicy. Molon incluiu um parágrafo no artigo 15 do projeto, o qual prevê que nos casos de violação a direito de autor, não é necessária decisão judicial para a retirada de conteúdos – bastando, portanto, uma mera notificação ao provedor.

Como explica a associação de provedores, já é prática a remoção de conteúdo, após notificação, naqueles casos em que se trata de “material nitidamente impróprio”. “Em caso de dúvida, os provedores aguardam e acatam decisão da Justiça. (...) Não compete ao provedor decidir sobre eventuais celeumas a respeito de todos os milhões de conteúdos veiculados em sua plataforma”.

“As modificações no artigo 15, sugeridas no apagar das luzes, minutos antes da votação do projeto, impõem aos provedores a retirada de conteúdos após a mera notificação de um terceiro, sob pena de tornar-se responsável por um conteúdo que não produziu.”

“É evidente que, pelo temor de assumir ônus financeiro de terceiros, os provedores terão que remover conteúdos em número muito maior do que fazem hoje. E, ainda assim, passam a ser responsáveis por reclamações dos que tiverem seus conteúdos removidos.”

Em essência, a Abranet acredita que, da forma como está, o Marco Civil se sentido, defende que o texto anterior – que exigia decisão judicial para qualquer retirada de conteúdo da Internet, seja recuperado pelo relator. A votação do projeto está prevista para esta terça-feira, 13/11.

Leia a íntegra da carta da Abranet:

A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INTERNET – ABRANET vem a público manifestar sua preocupação com as recentes propostas de alteração do Marco Civil da Internet, que distorcem o projeto inicial e, em última instância, colocam em risco direitos constitucionais de livre expressão dos usuários brasileiros de internet.

A ABRANET entende que a retirada ou alteração do artigo 15 desfigura de maneira indelével o Projeto de Lei do Marco Civil da Internet. Tal dispositivo trata da garantia de que o usuário da Internet não sofrerá remoção indiscriminada de conteúdos postados sem a apreciação pelo Poder Judiciário.

Hoje, provedores de internet são responsáveis pelo conteúdo original que produzem. No caso de conteúdos (textos, vídeos, fotos, etc) publicados por usuários comuns, cabe ao provedor receber eventuais notificações extrajudiciais e remover material nitidamente impróprio. Isso já acontece em casos de pedofilia ou conteúdos cuja propriedade de terceiros é claramente identificada.

Em caso de dúvida, os provedores aguardam e acatam decisão da Justiça. A ABRANET entende que não compete ao provedor decidir sobre eventuais celeumas a respeito de todos os milhões de conteúdos veiculados em sua plataforma.

As modificações no artigo 15, sugeridas no apagar das luzes, minutos antes da votação do Projeto, impõem aos provedores a retirada de conteúdos após a mera notificação de um terceiro, sob pena de tornar-se responsável por um conteúdo que não produziu.

É evidente que, pelo temor de assumir ônus financeiro de terceiros, os provedores terão que remover conteúdos em número muito maior do que fazem hoje. E, ainda assim, passam a ser responsáveis por reclamações dos que tiverem seus conteúdos removidos.

Na prática, as alterações no artigo 15 conferem a uma simples notificação a força de uma decisão judicial, um desrespeito à Justiça, ao Direito e à Constituição do Brasil. Coloca-se em risco a liberdade de expressão e a garantia de exercício da cidadania em meios digitais.

A nova redação proposta, com a inserção de um parágrafo segundo que limita a proteção do usuário contra remoção indiscriminada de conteúdos, seguramente importará em casos de censura, sendo por essa razão absolutamente inconstitucional e atentatória à liberdade digital.

Por tais motivos, a Abranet afirma sua confiança na aprovação do texto original que estabelece o Marco Civil da Internet tal como anteriormente apresentado pelo seu relator, texto esse que reflete meses de amadurecimento e debate intenso na sociedade civil.

ABRANET - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INTERNET

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 16/04/2014 13:50
Marco Civil: Relatores descartam emendas e PSDB avalia substitutivo

:: 16/04/2014 13:45
Suspeita de 'ataque virtual' faz Senado cancelar enquete sobre Marco Civil

:: 16/04/2014 13:00
Prazo ficou apertado para governo ter Marco Civil antes do NetMundial

:: 15/04/2014 16:31
Debates sobre o Marco Civil dividem os que querem “pressa” ou “melhorias”

:: 15/04/2014 12:28
A pressa pode ser inimiga da Governança da Internet

:: 14/04/2014 17:20
Depois de pagar, velocidade de acesso ao Netflix aumenta 65% na Comcast

:: 11/04/2014 18:15
Dilma pede e Marco Civil pode ser votado no dia 16

:: 11/04/2014 15:22
Marco Civil: guarda de logs é obrigação para provedor de qualquer porte

:: 11/04/2014 09:13
Gestores da Internet BR ativam plano especial para a Copa 2014

:: 11/04/2014 09:00
Provedores têm de pensar em IPv4 como legado




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Banda larga: Anatel divulga software para medir conexões móveis, mas ele não cumpre regulamento

PRÓXIMA
Classe C faz a festa na rede social brasileira



 ESPECIAL   GOVERNANÇA DA INTERNET
Neutralidade não mobiliza debates no NetMundial

Apenas 26 contribuições trataram do tema. Ganharam destaque a segurança cibernética (86) a privacidade e a liberdade de expressão (74 4 73, respectivamente). Organização do evento tenta evitar que a conferência se torne uma ação governamental Num balanço inicial, os Estados Unidos foram o país que mais enviaram contribuições. O Brasil ficou em segundo lugar.

» Espionagem na Internet virou um único parágrafo no texto da NetMundial
» Neutralidade não mobiliza debates no NetMundial
» 'Globalização' da ICANN vira tema de guerra partidária nos EUA
Clique aqui para ver o especial completo

TICs em Foco - Internet das coisas
Oportunidades e desafios

Mais popular que nunca, a internet das coisas — ou IoT, na sigla para Internet of Things, ou ainda IoE de Internet of Everything — representa tanto uma janela de oportunidade para as empresas quanto imprime desafios monstruosos devido à imensa quantidade de máquinas conectadas à internet.



Neutralidade não mobiliza debates no NetMundial
:: 15/04/2014 :: Internet

Apenas 26 contribuições trataram do tema. Ganharam destaque a segurança cibernética (86) a privacidade e a liberdade de expressão (74 4 73, respectivamente). Organização do evento tenta evitar que a conferência se torne uma ação governamental Num balanço inicial, os Estados Unidos foram o país que mais enviaram contribuições. O Brasil ficou em segundo lugar.


Depois de pagar, velocidade de acesso ao Netflix aumenta 65% na Comcast
:: 14/04/2014 :: Internet

Maior operadora dos Estados Unidos – com cerca de 35% do mercado de cabo e 40% de banda larga – a Comcast foi quem mais subiu no ranking mensal da provedora de conteúdo em streaming.


Europa também põe neutralidade de rede em lei
:: 03/04/2014 :: Internet

Legislação sobre o ‘mercado único de comunicações’ é forte na proteção dos internautas. Mesmo as exceções que ameaçavam descaracterizar esse princípio foram severamente limitadas.


Anatel não medirá forças com o Comitê Gestor na neutralidade, sustenta Marcelo Bechara
:: 27/03/2014 :: Internet

Em entrevista à CDTV, onde fez questão de frisar que não falava como conselheiro da Anatel ou como integrante do CGI.br, Marcelo Bechara diz que, na visão dele, os acordos comerciais entre as OTTs e os provedores de rede não estão no escopo do Marco Civil.



Stelo, do BB e do Bradesco, terá carteira digital

Instituições anunciam a criação de empresa de meio de pagamentos. Produtos ficam disponíveis no 2º semestre.

» 700 MHz: Para TVs, custo da transição será ‘surpreendente’
» Leilão do 700MHz: Acionistas aprovam participação 'forte' da TIM
» Pagamento móvel entra na mira do Facebook


Marco Civil, pela neutralidade da rede e a privacidade do cidadão
:: Por Claudia Melo e Felicity Ruby*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital


Veja as edições da revista digital do Convergência Digital
Revista eletrônica do Convergência Digital
Clique aqui para ver todas as edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!