Cloud ComputingConvergência Digital
No big data, SAS desafia SAP e Oracle

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
:: Ana Paula Lobo :: 15/08/2012

O big data - ou o grande volume de informações armazenados - entrou, de forma definitiva, na agenda dos gestores de TI e, exatamente por isso, acirra a disputa entre os provedores de serviços. Mais do que 'guardar' um dado, o grande diferencial concorrencial será o de tirar 'valor' dessa informação. Nessa nova era, a SAS, por exemplo, desafia seus rivais SAP e Orace com a plataforma High-Performance Analytics(HPA).

"Temos a convicção que o big data criou uma nova corrida do ouro. O vencedor será aquele que souber tirar o proveito dessa informação", afirmou o CEP da SAS, Jim Goodnight, que veio ao Brasil para um encontro com clientes e para mostrar o valor da nova plataforma, considerada estratégica para os negócios nos países emergentes.

Para marcar o diferencial da sua plataforma, o SAS diz que, comparando com as outras semelhantes disponíveis no mercado, como a SA Hanna e a da Oracle, Goodnight diz que um processador só pode fazer até dois bilhões de cálculos por segundo. Como o HPA da SAS trabalha com vários processadores em palarelo, é possível reduzir esse tempo.

Goodnight sustentou que é possível reduzir um processamento de 200 trilhões, que durava em média 18 horas, para 15 minutos. "Desafiamos o tempo e a necessidade da análise dos dados", frisou o executivo. Recém-lançada, a HPA ainda não tem clientes no Brasil, mas já há negociações em andamento com duas instituições financeiras - para soluções de detecção de fraude - e com uma operadora de telecomunicações, revela o presidente do SAS para o Cone Sul, Márcio Dobal.

Apesar de otimista, o executivo acredita que, em 2012, não repetirá a performance de 2011 quando registrou um crescimento de 30%. "A economia está parada. acreditamos que o segundo semestre possa vir a ser mais movimentado, mas, agora, estamos prevendo um crescimento entre 10% e 15%", disse o executivo. Apesar dessa tendência menor de crescimento, as expectativas ainda são elevadas.

O Brasil, hoje, por exemplo, já ocupa a sexta posição no ranking mundial da companhia e segue sendo tratado como 'jóia da coroa'. "Acreditamos que num período de sete anos, o mercado brasileiro seguirá em franca expansão e nos ajudará a aumentar nossa performance", sentenciou o vice-presidente executivo da SAS Americas, Carl Farrell.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 

 Matérias relacionadas com o assunto Cloud Computing  

:: 15/04/2014 12:15
Brasil supera a fase do e-mail e leva mais aplicações para a nuvem

:: 14/04/2014 17:40
Na Europa, carros elétricos usam a nuvem

:: 09/04/2014 16:05
Brasil responderá por 3% do volume de dados mundial em 2014

:: 04/04/2014 14:45
EMC reforça aposta em proteção de dados como serviço

:: 01/04/2014 15:36
Telefónica investe em open source na nuvem

:: 24/03/2014 12:10
Quando os dados em excesso viram um problema real

:: 20/03/2014 18:00
Os seus dados estão subaproveitados?

:: 18/03/2014 19:10
Contact centers: em busca de uma estratégia para a nuvem

:: 14/03/2014 17:00
2014: começa a era do compartilhamento das nuvens?

:: 12/03/2014 16:25
Hora de replicar modelo Amazon, Google e Facebook

Opinião
Cloud Computing: desafio das teles está no serviço
:: Por Nelson Campelo*

Oferecer soluções de colaboração, voz e vídeo na nuvem estão muito perto do negocio-fim das operadoras. A dúvida é saber se as teles vão driblar as barreiras naturais para atender, de forma satisfatória, os seus clientes.



VídeosMais vídeos



Destaques

Big data e mobilidade impõem datacenters inteligentes

O datacenter do futuro estará focado não na carga, mas, sim, no fluxo de trabalho. A importância da localização também se reduzirá, dando lugar a o que estará sendo feito.


Energia trava crescimento de datacenters no Brasil

Diretor do Gartner, Henrique Cecci, fala ainda sobre a obrigatoriedade dos dados no Brasil -ponto retirado do Marco Civil. "Isso era uma bobagem que custaria às empresas".


CFOs se rendem à nuvem

Boa parte dos gestores financeiros admite que os serviços de cloud, aliados à mobilidade e às redes sociais, exigem mudanças no ambiente de trabalho.


No Brasil, PMEs são o motor econômico dos serviços na nuvem

Estudo da Frost&Sullivan diz que o mercado de computação em nuvem gerou US$328,3 milhões no ano passado e chegará, em 2017, a R$ 1,1 bilhão.


Internet das Coisas: o desafio da privacidade

Com projeção de receita em US$ 300 bilhões até 2020, o novo negócio implica mudanças nos data centers.


Copyright © 2014 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.