Cloud ComputingConvergência Digital
Nuvem impulsiona venda de software da HP

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
:: Fabio Barros :: 02/05/2012

O mercado corporativo está se cada vez mais próximo da computação em nuvem, o que significa demanda cada vez maior por gestão de TI que, em última instância, tem alavancado as vendas da HP Software no Brasil. Não por acaso, a unidade é a mais lucrativa da companhia, tanto no País quanto globalmente.

Para Silvio Maemura, vice-presidente da HP Software & Solutions no Brasil, a demanda cada vez maior pelos softwares da companhia demonstra a evolução do mercado em relação a adoção da nuvem. “Nosso portfólio hoje é composto por aplicativos para gerenciamento de informação e por aplicativos de gerenciamento de serviços de TI, áreas que crescem de importância com o uso da nuvem”, lembra.

Os primeiros são oriundos da aquisição da Autonomy, e permitem a análise de dados não estruturados. Já a gestão de TI começou com a aquisição da Mercury, e permite desde a identificação de problemas até a identificação do motivo da falha e automação da solução.

Para Maemura, são áreas que, se não forem bem cobertas pelas empresas, podem impedir sua ida para a nuvem. “Uma empresa que esteja planejando usar cloud computing no futuro deve estar pronta para gerenciar a infraestrutura, mesmo que seja de terceiros, e para lidar com um altíssimo volume de dados”, diz.

O executivo lembra que projetos relacionados à nuvem representam hoje cerca de 10% das vendas da área. “Esse percentual deve crescer muito a partir do ano que vem”, diz.

Ao mesmo tempo em que ajuda os clientes a se preparar para gerenciar suas nuvens, a HP Software também vem testando suas próprias ofertas em nuvem. “Temos uma oferta, de teste de aplicativos, que estamos oferecendo no modelo de SaaS: o cliente compra o código, especifica os requisitos e nós realizamos o teste”.

De todo modo, Maemura não acredita que todo o portfólio possa ser oferecido em nuvem. “Nossos aplicativos são muito específicos e ligados a áreas estratégicas das empresas e a nuvem funciona melhor com produtos comoditizados”, diz.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 

 Matérias relacionadas com o assunto Cloud Computing  

:: 07/07/2014 13:43
Endereço dos dados será irrelevante

:: 01/07/2014 16:42
Brasil ainda tem muito espaço para novos data centers

:: 01/07/2014 09:35
Guerra de 'titãs' baixa os preços de SaaS. Software brilha em compras de TI

:: 26/06/2014 12:33
Procuram-se arquitetos de dados no Brasil

:: 28/05/2014 10:13
Globalweb investe em centros de treinamento

:: 21/05/2014 10:30
Armazenamento é a aplicação mais procurada na nuvem brasileira

:: 12/05/2014 10:03
Big data dá fôlego ao IaaS

:: 28/04/2014 15:13
Justiça ordena que provedores repassem dados ao governo dos EUA

:: 09/04/2014 16:05
Brasil responderá por 3% do volume de dados mundial em 2014

:: 24/03/2014 12:10
Quando os dados em excesso viram um problema real

Soluções de TI Simples
Grupo Martins abre espaço para os tablets

Varejista, no entanto, se preocupou em desenhar uma política de segurança para minimizar os riscos e garantir a produtividade.

» CSO: pronto para assumir a culpa nas violações da segurança
» Fui invadido. Minha marca está arranhada. Como reagir?
» Não deixe a TI causar um estrago incalculável

Opinião
Big Data e indústria: é hora de entender e aprender a usar
:: Por Camilo Rubim*

VídeosMais vídeos



Destaques

Para EMC Brasil, teles e bancos puxam a adoção do big data

O presidente da empresa, Carlos Cunha, diz que o mercado nacional amadureceu para o uso de serviços de computação na nuvem, mas precisa de apoio para implementar essas soluções. O desafio, agora, é formar os cientistas de dados.


Na guerra da nuvem, Microsoft ativa data center brasileiro

Unidade é a primeira da empresa na América Latina e está localizada em São Paulo. O centro de dados servirá para consolidar os negócios de IaaS da empresa no país e servirá ainda para atender clientes dos países da região.


Banco do Brasil admite que big data desafia a área de TI

Vice-presidente de tecnologia do Banco do Brasil, Geraldo Afonso Dezena da Silva, diz que o banco está usando o big data para entender o comportamento do seu correntista. Já sobre computação em nuvem, o banco é conservador: a nuvem privada é a escolha.


Big data: qual é a linha entre ser ou não ser ético?

Como fazer quando as empresas começam a saber mais de nós do que nós mesmos?


Falta conhecimento para extrair valor do big data

Questão é o desafio número 1 para boa parte dos gestores de TI no país.


Copyright © 2014 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.