GESTÃO

Governo institui Infraestutura Nacional de Dados Abertos

Da redação ... 17/04/2012 ... Convergência Digital

O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) instituiu, por meio de instrução normativa, a Infraestrutura Nacional de Dados Abertos (INDA).

A INDA é a metodologia a ser utilizada pelos órgãos públicos para divulgar os dados de maneira aberta no Portal Brasileiro de Dados Abertos, que será disponibilizado em breve. O objetivo da regulamentação é promover a divulgação e a publicidade de dados e informações da administração pública federal. A norma foi publicada na última sexta-feira, 13/04, no Diário Oficial da União.

Os dados são abertos quando permitem a sua utilização, cruzamento e compartilhamento por qualquer pessoa. Um exemplo do uso dos dados abertos está no aplicativo “Onde acontece?”, feito pela organização Opendata-Br. O programa cruzou dados populacionais, econômicos, demográficos e de segurança pública para montar um índice de criminalidade no Rio Grande do Sul.

A disponibilização dos dados abertos está prevista na Lei de Acesso à Informação (Lei nº 12.527, de novembro de 2011), que entra em vigor no dia 16 de maio e também faz parte das ações do governo federal dentro do plano brasileiro para a implementação da Parceria para Governo Aberto (Open Government Partnership – OGP).

A gestão da INDA será feita por um comitê gestor, composto por integrantes de órgãos federais, representante da sociedade civil e outro do setor acadêmico. A Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) representa o MPOG no grupo, que também irá contar com participantes da Casa Civil da Presidência, Ministério da Saúde (MS), Controladoria Geral da União (CGU), Ministério da Educação (MEC), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dentre outros. Entre as funções do novo comitê está a criação de procedimentos para que os órgãos apresentem plano de adequação para que os dados públicos possam ser considerados abertos.

Além dos mais de 180 órgãos federais que integram o Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação (SISP), a norma também pode ter validade para estados, municípios e o Distrito Federal, desde que estes entes assinem termo de adesão. A INDA também permite a participação voluntária de entidades civis e cidadãos interessados.

A primeira experiência com essa nova metodologia de divulgação de dados abertos foi realizada em maio de 2011 com o Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (Sicaf). Com o recadastramento, os municípios podem saber quais empresas localizadas em seu entorno fornecem serviços ou produtos para o governo.

Com isto, é possível agilizar o trabalho das administrações públicas ao fazer uma licitação ou até mesmo aquecer a economia local. O aplicativo pode ser encontrado no Portal de Compras do Governo Federal (Comprasnet).


Resiliência e Segurança
Se a TI parar quanto essa falha vai custar para o seu negócio?

Estudo adverte aos gestores de TI: se a resiliência não for integrada na adoção inicial de cloud, as organizações estarão aceitando riscos, quer realizem isso ou não.

Telecom foi motivo de 36,7% das queixas aos Procons em 2015

Balanço do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor mostra que o setor foi alvo de 929 mil das mais de 2,5 milhões de demandas registradas no ano passado. Maiores grupos, Claro/Net/Embratel, Oi e Vivo/Telefonica/GVT são as três empresas mais acionadas.

Serpro, Dataprev e Telebras propõem alternativa à fusão

Em reunião na sede da Fenadados, o presidente do Serpro. Marcos Mazoni, informou que as estatais estão negociando uma parceria para otimizar seus produtos e serviços.

Brasil é 12º em transparência de dados governamentais

Ranking mundial revela que 61% dos dados brasileiros analisados estão abertos. País evoluiu, mas fica atrás da Colômbia e do Uruguai, que estão no top 10 da pesquisa.

DEST: criar holding para gerir estatais pode aumentar custos

A ideia seria criar uma holding para gerir o Serpro, a Dataprev e a Telebras. Mas o DEST alerta: medida somente surtirá efeito se as empresas forem liquidadas ou fundidas.

Agricultura cancela compra de ERP e economiza R$ 6 milhões

Ministério decidiu cancelar a compra de um software de gestão e usar a solução distribuída pela SLTI. “A parceria reduziu esse custo a zero”, diz a secretária-executiva do Mapa, Maria Emilia Mendonça Jaber.



  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G