Home - Convergência Digital

Para Anatel, bandas nacionais atiçam cobiça das teles móveis

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 16/04/2012
A Anatel acredita em disputas acirradas nas principais ofertas do leilão da faixa de 450 MHz/2,5 GHz, relativas aos melhores blocos de frequência para os serviços de acesso à Internet. É o que aposta a equipe que desenhou o edital.

Tratam-se, especialmente, das quatro bandas FDD – duas de 20+20 MHz (W e X) e duas de 10+10 MHz (V1 e V2) – além da banda TDD de 35 MHz (U), todas com abrangência nacional e direitos de uso por 30 anos.

Essas combinações de letras e números representam o tamanho dos nacos da faixa de 2,5 GHz ou, em último caso, a capacidade de oferta dos serviços de banda larga móvel com uso dessa frequência.

“O 4G tem uma extrema atratividade, até porque a faixa de 2,5 GHz é a última disponível para serviços móveis”, afirmou o presidente da Anatel, João Rezende, lembrando que há ainda a briga pelo uso do 700MHz, que ainda será definido pelo governo. Para Rezende, apesar dos protestos,dificilmente as operadoras deixarão de participar da disputa.

O edital foi desenhado de forma a atiçar a cobiça, primeiro, pelas duas bandas nacionais de 20+20 MHz, visto que as duas empresas que comprarem essas faixas poderão ter grandes operações de 4G em todo o país.

A distribuição do espectro permite outras duas operações nacionais em FDD – o que, para simplificar, significa banda larga e serviço móvel pessoal de voz – nas bandas de 10+10 MHz.

Mas como a agência permitirá que uma mesma operadora compre tanto a banda V1 como a V2, a expectativa é de que haja forte disputa por ambas entre aquelas empresas que não ficarem com as fatias de 20+20 MHz.

A divisão entre as diferentes tecnologias de modulação, por frequência e por tempo (daí FDD e TDD), é também uma (tênue) fronteira entre modelos de negócios.

A seguir-se essa lógica, a competição pelas quatro bandas nacionais de FDD se dará entre as principais operadoras móveis atuantes no país. Enquanto a banda U, de 35 MHz em TDD, verá disputa entre empresas com operações de MMDS.

Nesse caso, especula-se o interesse Sunrise Telecomunicações (SuperTV), que teria sido alvo de investimentos de US$ 180 milhões pelo grupo dos magnatas mundiais de tecnologia Zaki Rakib e Judy Mozes e do bilionário George Soros.

Uma potencial adversaria é a Sky, que já opera na faixa de 2,5 GHz e inclusive oferece 4G em Brasília. A Anatel acredita no interesse de a empresa substituir as licenças regionalizadas que possui nessa faixa pela banda U, nacional.

Essa expectativa se sustenta nas modificações feitas na proposta original de edital, muito próximas do que a própria Sky pediu durante a consulta pública – prazo para renúncias às licenças atuais como forma de permitir uma reorganização do modelo de negócios. A Anatel dará 18 meses para isso.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

04/02/2016
Cobertura aumenta, mas velocidade do 4G derruba o Brasil para 42º no mundo

03/02/2016
Mais pessoas terão telefone celular do que eletricidade e água encanada em 2020

03/02/2016
Tráfego de dados móveis aumentará sete vezes no Brasil até 2020

01/02/2016
Na guerra pelo chip único, Claro aumenta franquia de dados no plano controle

29/01/2016
Brasil perdeu 22,94 milhões de acessos móveis em 2015, mas 4G deu um salto de 277%

29/01/2016
Acessos 4G 'empatam' com os de banda larga fixa no Brasil

27/01/2016
4G supera a marca de 1 bilhão de linhas ativas no mundo

14/01/2016
4G cresceu 290% em 12 meses no Brasil

12/01/2016
Sem benefício fiscal, 4G assume o papel de incentivar a compra dos smartphones

11/01/2016
TIM projeta levar 4G a mais de 1000 cidades

Destaques
Destaques

4G cresceu 290% em 12 meses no Brasil

Em novembro, a tecnologia chegou a 22,6 milhões de acessos ativos. No total da banda larga - fixo e móvel - o mercado chegou a 221,8 milhões de acessos.

Leilão de sobras de frequências arrecada 852,6 milhões

Com destaque para a participação de empresas pequenas e médias, licitação realizada pela Anatel atraiu 324 concorrentes para a oferta de faixas para aplicações em banda larga. "Acredito que a indústria passará a olhar melhor para os pequenos provedores", afirmou o presidente da Anatel, João Rezende.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

O setor de Telecom em 2016

Por Jose Otero*

Há desafios para serem enfrentados, entre eles, a continuação de processos como a modernização das infraestruturas de telecomunicações do país, uma maior necessidade de conexões de banda larga de alta velocidade e novos indícios de consolidação por parte dos provedores de serviço.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site