TELECOM

Ressarcimento ao MMDS será por livre negociação entre empresas

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/04/2012 ... Convergência Digital

A oferta da faixa de 2,5 GHz em leilão exigiu uma arquitetura delicada para conciliar o desejo de forte competição com um rearranjo desse naco de espectro que já vem sendo utilizado para oferta de serviços – além de alguma compensação para os atuais “moradores” que, na falta de um adjetivo melhor, serão despejados.

Trata-se das operações de MMDS (micro-ondas), hoje em pouco mais de 200 municípios do país, que em geral se especializaram em oferecer pacotes de TV por assinatura. É um conjunto que reúne pequenas, médias e grandes empresas – entre as últimas, Sky e Telefônica (TVA), por exemplo.

Originalmente essas operações tinham autorizações de uso de 190 MHz, mas a fome de espectro dos serviços móveis levou a Anatel a retirar 155 MHz dessas e reverter a maior parte (140 MHz) para o Serviço Móvel Pessoal, com vistas ao uso pelas tecnologias de quarta geração (4G). Outros 15 MHz são para aplicações públicas.

Uma parte do arranjo, portanto, foi definir alguns parâmetros para a compensação ao MMDS. A Anatel definiu que quem comprar bandas em 2,5 GHz terá que ressarcir os que se vão em até quatro meses após a publicação do termo de autorização – ou 30/3/2013, o que vier primeiro.

Em princípio esse acerto se dará por livre negociação entre as partes, o que pode incluir o financiamento de uma eventual migração das operações para outra faixa (5,8 GHz, por exemplo). Caso não haja acordo, a agência pode intervir e vai usar alguns critérios de precificação, como os seguintes:

1) custos incorridos em serviços técnicos de manutenção, de operação e instalação;
2) os investimentos realizados em equipamentos, não amortizados e não depreciados; e
3) custos de migração dos equipamentos e da base de usuários.

As empresas de MMDS também podem tentar comprar novas faixas, mas as regras do edital exigem, nesse caso, que elas se desfaçam – imediatamente ou em até 18 meses – das fatias que lhes restaram, sendo proibidas de repassarem a empresas do mesmo grupo econômico.

Outro ponto importante é que as atuais autorizações de uso da faixa são regionais – aquelas cerca de 200 cidades. Mas a partir do leilão a maior fatia desse espectro terá licenças nacionais. Com isso, a Anatel induz mesmo as empresas de MMDS que não participarem do leilão a venderem suas fatias.

Além disso, a divisão do 2,5 GHz também prevê pedaços em FDD e em TDD – as tecnologias de divisão do espectro por frequência ou por tempo, sendo a primeira destinada para operações de SMP. Uma mesma empresa não pode atuar em ambas tecnologias na mesma área geográfica.


Matérias relacionadas
Internet Móvel 3G / 4G ... 22/04/2015 ... 16:11
4G: Algar Telecom fecha acordo exclusivo com Nokia Networks
Internet Móvel 3G / 4G ... 12/03/2015 ... 10:40
Com crescimento acima de dois dígitos, 4G supera o 3G no mundo
Internet Móvel 3G / 4G ... 11/03/2015 ... 15:22
TIM amplia 4G em 1.8GHz
Internet Móvel 3G / 4G ... 09/03/2015 ... 12:04
4G: quase 1 milhão de novas adições em janeiro
Internet Móvel 3G / 4G ... 03/03/2015 ... 10:22
Investimentos em 4G vão superar os US$ 193 bilhões na América Latina
Internet Móvel 3G / 4G ... 24/02/2015 ... 10:24
Brasil somou 6,8 milhões de acessos 4G em 2014, calculam operadoras
Internet Móvel 3G / 4G ... 13/02/2015 ... 11:31
TIM já testa uso da faixa de 1,8 GHz para a oferta 4G
Internet Móvel 3G / 4G ... 04/02/2015 ... 11:12
Dados móveis: 10% dos assinantes consomem 80% do tráfego 3G e 4G

Cobertura Especial Rio Wireless 2015

IoT: É hora de o governo agilizar a Câmara Setorial do M2M

Criada em outubro do ano passado, a iniciativa ainda não saiu do papel. Para Francisco Giacomini, diretor da Qualcomm, não há melhor momento para o Brasil debater qual é a sua ambição nessa área.

Telefonia móvel: Anatel revisa coleta de dados do 3G, 4G e M2M

Em fevereiro foram adicionadas  856 mil novas linhas em relação a janeiro, revela a Anatel.

Lei das Antenas: Relator do projeto dispara contra vetos do governo

"Esse veto mexe num ponto central do projeto. Mas manteve o artigo que diz que Anatel vai acompanhar, mas a Agência vai acompanhar o quê? Terreno na lua ou instalação de antena para banda larga em marte?", disparou o senador Walter Pinheiro, do PT/BA.

Teles x OTTs: Na contramão das rivais, TIM amplia acordo com WhatsApp

Mesmo com o aplicativo de mensagens do Facebook ampliando cada vez mais o número de usuários no Brasil e no mundo, a TIM amplia a parceria com o Facebook e estende o 'zero rating' ou a 'tarifa zero' para os seus principais planos pré-pago e controle para a banda larga móvel.

Para enfrentar os chineses, Nokia compra Alcatel-Lucent por US$ 15,6 bilhões

Aquisição mexe com o mercado latino-americano e brasileiro, onde a Alcatel-Lucent tem presença forte no mundo IP e centrava suas apostas no segmento de small cells. No mundo móvel, há sobreposição entre as companhias e ajustes terão de ser feitos.


Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G