Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Ressarcimento ao MMDS será por livre negociação entre empresas

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 12/04/2012

A oferta da faixa de 2,5 GHz em leilão exigiu uma arquitetura delicada para conciliar o desejo de forte competição com um rearranjo desse naco de espectro que já vem sendo utilizado para oferta de serviços – além de alguma compensação para os atuais “moradores” que, na falta de um adjetivo melhor, serão despejados.

Trata-se das operações de MMDS (micro-ondas), hoje em pouco mais de 200 municípios do país, que em geral se especializaram em oferecer pacotes de TV por assinatura. É um conjunto que reúne pequenas, médias e grandes empresas – entre as últimas, Sky e Telefônica (TVA), por exemplo.

Originalmente essas operações tinham autorizações de uso de 190 MHz, mas a fome de espectro dos serviços móveis levou a Anatel a retirar 155 MHz dessas e reverter a maior parte (140 MHz) para o Serviço Móvel Pessoal, com vistas ao uso pelas tecnologias de quarta geração (4G). Outros 15 MHz são para aplicações públicas.

Uma parte do arranjo, portanto, foi definir alguns parâmetros para a compensação ao MMDS. A Anatel definiu que quem comprar bandas em 2,5 GHz terá que ressarcir os que se vão em até quatro meses após a publicação do termo de autorização – ou 30/3/2013, o que vier primeiro.

Em princípio esse acerto se dará por livre negociação entre as partes, o que pode incluir o financiamento de uma eventual migração das operações para outra faixa (5,8 GHz, por exemplo). Caso não haja acordo, a agência pode intervir e vai usar alguns critérios de precificação, como os seguintes:

1) custos incorridos em serviços técnicos de manutenção, de operação e instalação;
2) os investimentos realizados em equipamentos, não amortizados e não depreciados; e
3) custos de migração dos equipamentos e da base de usuários.

As empresas de MMDS também podem tentar comprar novas faixas, mas as regras do edital exigem, nesse caso, que elas se desfaçam – imediatamente ou em até 18 meses – das fatias que lhes restaram, sendo proibidas de repassarem a empresas do mesmo grupo econômico.

Outro ponto importante é que as atuais autorizações de uso da faixa são regionais – aquelas cerca de 200 cidades. Mas a partir do leilão a maior fatia desse espectro terá licenças nacionais. Com isso, a Anatel induz mesmo as empresas de MMDS que não participarem do leilão a venderem suas fatias.

Além disso, a divisão do 2,5 GHz também prevê pedaços em FDD e em TDD – as tecnologias de divisão do espectro por frequência ou por tempo, sendo a primeira destinada para operações de SMP. Uma mesma empresa não pode atuar em ambas tecnologias na mesma área geográfica.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 21/07/2014 11:12
3G Brasil: cobertura ainda não existe para 1861 municípios

:: 17/07/2014 18:24
700 MHz: edital reduz cobertura rural e muda exigência de equipamentos nacionais

:: 17/07/2014 17:26
700 MHz: Teles terão controle sobre dinheiro do ressarcimento às TVs

:: 17/07/2014 13:05
Um entre três smartphones já usa o 4G

:: 15/07/2014 18:05
Novo relator, Walter Pinheiro (PT-BA) quer texto original da Lei das Antenas

:: 15/07/2014 14:25
Anatel vai aprovar edital de 700 MHz sem divulgar valor do leilão

:: 15/07/2014 11:15
700 MHz: 4G em São Paulo e Rio de Janeiro só no fim de 2018

:: 14/07/2014 10:27
Claro e Vivo acirram disputa pela liderança no 4G

:: 11/07/2014 10:11
700 Mhz: Governo e Anatel fazem afagos à radiodifusão

:: 10/07/2014 17:33
TIM amplia oferta do modem 4G




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Fixo/móvel: Anatel cassa liminar da Oi no STJ

PRÓXIMA
Teles terão meta para compra de tecnologia nacional até 2022



Rio Cidade Inteligente + Rio Wireless 2014
Anatel quer ampliar compartilhamento e ‘uso industrial’ de espectro

“Há um grande desafio de expansão das redes e isso exige índice mais alto de eficiência espectral. Queremos abordagens mais simples”, sustenta o conselheiro Rodrigo Zerbone.

» Novo Hamburgo investe R$ 1,4 milhão em TICs para saúde
» Rio de Janeiro atento ao legado olímpico
» 700 MHz: Leilão não obriga ninguém a implantar rede
» Teles projetam quadruplicar número de ERBs para atender novas demandas
Clique aqui para ver a cobertura completa


Ao regular ofertas de atacado, Anatel volta à fronteira entre telecom e Internet
:: 15/07/2014 :: Telecom

Agência indica que com o SNOA, os preços caíram até 60% em um ano. “Misturar conexão IP nos contratos gera mais distorções”, adverte Eduardo Parajo, da Abranet.


Anatel defende sistema de negociação entre OTTs e teles
:: 15/07/2014 :: Telecom

Ao defender o sistema de negociações de ofertas de atacado, implantado pela Anatel no ano passado, o presidente da agência, João Rezende, sugere que os donos de redes e provedores de conteúdo passem a usar uma mediação semelhante. “Algo como o SNOA poderia ser ampliado para esse debate, onde há um nó muito grande”.


Telebras negocia legado da Copa com estádios
:: 11/07/2014 :: Telecom

Responsável pela infraestrutura de R$ 110 milhões para as transmissão das imagens das partidas, a estatal já costura contratos para o uso da rede e dos equipamentos instalados nas arenas. Acerto já avança no Maracanã, revela o presidente da Telebras, Francisco Ziober.


Anatel inaugura reuniões abertas do Conselho Diretor
:: 10/07/2014 :: Telecom

Sessões deliberativas serão realizadas no Espaço Cultural a partir da próxima quinta, 17/7, e qualquer um poderá participar. Partes dos processos também poderão se manifestar durante a reunião, desde que encaminhem pedido prévio por e-mail à agência. 




700 MHz: 4G em São Paulo e Rio de Janeiro só no fim de 2018

Condição foi imposta no edital aprovado pela Agência.

» Claro e Vivo acirram disputa pela liderança no 4G


Estádios da copa sem 4G, retrato do improviso nacional
:: Por Vivien Mello Suruagy*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



Veja a primeira edição da revista digital Alianza Latinoamericana de Medios TIC Alianza Latinoamericana
de Medios TIC


A Revista Alianza é fruto de uma aliança editorial entre os veículos InversorLatam, portal Convergência Digital e Evaluamos, da Colômbia. Nosso compromisso é retratar os pontos mais importantes de Telecom e TI na América Latina. Nessa primeira edição, tratamos de um tema que está na lista de prioridade: a governança da Internet. Boa leitura!

Clique aqui para ver todas as edições





Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!