Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Ressarcimento ao MMDS será por livre negociação entre empresas

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 12/04/2012

A oferta da faixa de 2,5 GHz em leilão exigiu uma arquitetura delicada para conciliar o desejo de forte competição com um rearranjo desse naco de espectro que já vem sendo utilizado para oferta de serviços – além de alguma compensação para os atuais “moradores” que, na falta de um adjetivo melhor, serão despejados.

Trata-se das operações de MMDS (micro-ondas), hoje em pouco mais de 200 municípios do país, que em geral se especializaram em oferecer pacotes de TV por assinatura. É um conjunto que reúne pequenas, médias e grandes empresas – entre as últimas, Sky e Telefônica (TVA), por exemplo.

Originalmente essas operações tinham autorizações de uso de 190 MHz, mas a fome de espectro dos serviços móveis levou a Anatel a retirar 155 MHz dessas e reverter a maior parte (140 MHz) para o Serviço Móvel Pessoal, com vistas ao uso pelas tecnologias de quarta geração (4G). Outros 15 MHz são para aplicações públicas.

Uma parte do arranjo, portanto, foi definir alguns parâmetros para a compensação ao MMDS. A Anatel definiu que quem comprar bandas em 2,5 GHz terá que ressarcir os que se vão em até quatro meses após a publicação do termo de autorização – ou 30/3/2013, o que vier primeiro.

Em princípio esse acerto se dará por livre negociação entre as partes, o que pode incluir o financiamento de uma eventual migração das operações para outra faixa (5,8 GHz, por exemplo). Caso não haja acordo, a agência pode intervir e vai usar alguns critérios de precificação, como os seguintes:

1) custos incorridos em serviços técnicos de manutenção, de operação e instalação;
2) os investimentos realizados em equipamentos, não amortizados e não depreciados; e
3) custos de migração dos equipamentos e da base de usuários.

As empresas de MMDS também podem tentar comprar novas faixas, mas as regras do edital exigem, nesse caso, que elas se desfaçam – imediatamente ou em até 18 meses – das fatias que lhes restaram, sendo proibidas de repassarem a empresas do mesmo grupo econômico.

Outro ponto importante é que as atuais autorizações de uso da faixa são regionais – aquelas cerca de 200 cidades. Mas a partir do leilão a maior fatia desse espectro terá licenças nacionais. Com isso, a Anatel induz mesmo as empresas de MMDS que não participarem do leilão a venderem suas fatias.

Além disso, a divisão do 2,5 GHz também prevê pedaços em FDD e em TDD – as tecnologias de divisão do espectro por frequência ou por tempo, sendo a primeira destinada para operações de SMP. Uma mesma empresa não pode atuar em ambas tecnologias na mesma área geográfica.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 17/04/2014 11:12
Copa 2014: Governo nega compromisso com a FIFA para o 4G

:: 15/04/2014 09:55
Leilão do 700MHz: Acionistas aprovam participação 'forte' da TIM

:: 10/04/2014 19:31
4G x TV digital: Para Anatel, interferência “será incomum”

:: 10/04/2014 19:12
Edital de 700 MHz prevê distribuição de filtros e conversores às famílias pobres

:: 10/04/2014 17:32
Provedores reafirmam interesse na faixa de 450 MHz

:: 09/04/2014 17:25
Sem quórum, Câmara cancela votação da Lei das Antenas

:: 08/04/2014 17:40
700 MHz: Para TVs, custo da transição será ‘surpreendente’

:: 08/04/2014 17:25
700 MHz: Teles pedem “calma”

:: 08/04/2014 17:23
700 MHz: Edital prevê quatro blocos, compartilhamento e uso de outras faixas para obrigações

:: 08/04/2014 10:33
Leilão 700 MHz: Pressão aumenta sobre o governo




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Fixo/móvel: Anatel cassa liminar da Oi no STJ

PRÓXIMA
Teles terão meta para compra de tecnologia nacional até 2022




Operadoras investiram R$ 26,5 bilhões no Brasil
:: 10/04/2014 :: Telecom

Segundo a Telebrasil, as despesas para operar e manter uma rede de telecomunicações consome mais de R$ 120 bilhões.


Agência avalia se ‘adequação’ de 40 mil antenas vale à pena
:: 03/04/2014 :: Telecom

Ao tratar do tema cinco anos depois, Anatel discute se regra vale para o legado existente ou deve prevalecer apenas para as novas infraestruturas.


Mudança na regra do leilão de 700 Mhz inquieta a indústria de Telecom
:: 02/04/2014 :: Telecom

Diretor da Área de Telecomunicações da Abinee, Paulo Castelo Branco, se mostra preocupado com o viés arrecadatório do governo.


Copa 2014: Rio de Janeiro acende o sinal amarelo na gestão da Internet brasileira
:: 01/04/2014 :: Telecom

O gerente do PPT.br, EduardoReis, diz que a infraestrutura disponível, hoje, em especial das redes de fibra óptica, não atende à demanda. A partir do dia 13 de maio, não haverá mais distribuição de portas para a troca de tráfego.




Stelo, do BB e do Bradesco, terá carteira digital

Instituições anunciam a criação de empresa de meio de pagamentos. Produtos ficam disponíveis no 2º semestre.

» 700 MHz: Para TVs, custo da transição será ‘surpreendente’


"Carro Conectado": Você ainda vai ter o seu!
:: Por Eduardo Prado *

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



Veja as edições da revista digital do Convergência Digital
Revista eletrônica do Convergência Digital
Clique aqui para ver todas as edições





Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!