Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Ressarcimento ao MMDS será por livre negociação entre empresas

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 12/04/2012

A oferta da faixa de 2,5 GHz em leilão exigiu uma arquitetura delicada para conciliar o desejo de forte competição com um rearranjo desse naco de espectro que já vem sendo utilizado para oferta de serviços – além de alguma compensação para os atuais “moradores” que, na falta de um adjetivo melhor, serão despejados.

Trata-se das operações de MMDS (micro-ondas), hoje em pouco mais de 200 municípios do país, que em geral se especializaram em oferecer pacotes de TV por assinatura. É um conjunto que reúne pequenas, médias e grandes empresas – entre as últimas, Sky e Telefônica (TVA), por exemplo.

Originalmente essas operações tinham autorizações de uso de 190 MHz, mas a fome de espectro dos serviços móveis levou a Anatel a retirar 155 MHz dessas e reverter a maior parte (140 MHz) para o Serviço Móvel Pessoal, com vistas ao uso pelas tecnologias de quarta geração (4G). Outros 15 MHz são para aplicações públicas.

Uma parte do arranjo, portanto, foi definir alguns parâmetros para a compensação ao MMDS. A Anatel definiu que quem comprar bandas em 2,5 GHz terá que ressarcir os que se vão em até quatro meses após a publicação do termo de autorização – ou 30/3/2013, o que vier primeiro.

Em princípio esse acerto se dará por livre negociação entre as partes, o que pode incluir o financiamento de uma eventual migração das operações para outra faixa (5,8 GHz, por exemplo). Caso não haja acordo, a agência pode intervir e vai usar alguns critérios de precificação, como os seguintes:

1) custos incorridos em serviços técnicos de manutenção, de operação e instalação;
2) os investimentos realizados em equipamentos, não amortizados e não depreciados; e
3) custos de migração dos equipamentos e da base de usuários.

As empresas de MMDS também podem tentar comprar novas faixas, mas as regras do edital exigem, nesse caso, que elas se desfaçam – imediatamente ou em até 18 meses – das fatias que lhes restaram, sendo proibidas de repassarem a empresas do mesmo grupo econômico.

Outro ponto importante é que as atuais autorizações de uso da faixa são regionais – aquelas cerca de 200 cidades. Mas a partir do leilão a maior fatia desse espectro terá licenças nacionais. Com isso, a Anatel induz mesmo as empresas de MMDS que não participarem do leilão a venderem suas fatias.

Além disso, a divisão do 2,5 GHz também prevê pedaços em FDD e em TDD – as tecnologias de divisão do espectro por frequência ou por tempo, sendo a primeira destinada para operações de SMP. Uma mesma empresa não pode atuar em ambas tecnologias na mesma área geográfica.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 24/02/2015 10:24
Brasil somou 6,8 milhões de acessos 4G em 2014, calculam operadoras

:: 13/02/2015 11:31
TIM já testa uso da faixa de 1,8 GHz para a oferta 4G

:: 06/02/2015 11:05
Compartilhamento: Oi e TIM perdem e Anatel mantém cobrança dupla de tributo

:: 04/02/2015 11:12
Dados móveis: 10% dos assinantes consomem 80% do tráfego 3G e 4G

:: 30/01/2015 17:23
4G cresceu 416,55% em 2014 e chegou a 6,76 milhões de linhas ativas no Brasil

:: 22/01/2015 18:45
Anatel aprova e Claro e Vivo ampliam compartilhamento de rede

:: 22/01/2015 16:33
IDC:4G vai chegar a 11 milhões de assinantes no Brasil

:: 12/01/2015 13:28
4G: Anatel está revendo dados de 2014

:: 05/01/2015 12:11
Vivo se distancia da Claro na briga do 4G

:: 19/12/2014 18:16
TV Digital: Anatel, teles e TVs vão priorizar conversores




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Fixo/móvel: Anatel cassa liminar da Oi no STJ

PRÓXIMA
Teles terão meta para compra de tecnologia nacional até 2022



VII Seminário TelComp 2014 - Cobertura especial do Convergência Digital
Banco Mundial: Empresas brasileiras estão atrasadas no uso das TICs

Instituição está fazendo um estudo global para avaliar o impacto da economia digital, que será conhecido no 2º semestre de 2015. Mas já dados coletados. Entre eles, um significativo: As mulheres são as grandes beneficiadas pelo maior uso das TICs
CDTV Banda larga: Teles erram e Anatel fala em controle de danos
CDTV TelComp: Precisamos criar uma nova GVT no Brasil
Clique aqui e veja a cobertura completa do evento


Consumidor paga menos por serviços de comunicação

Os preços dos serviços de comunicação, entre eles telefonia, internet e TV por assinatura, pesaram menos na inflação e apresentaram redução em 2014. A tendência é de queda durante 2015.


Telecom Italia investirá R$ 14 bi no Brasil até 2017

Entre as principais metas estão: elevar para em 370 mil novos clientes até o fim de 2017, alcançando 500 mil usuários; o core da rede atingir 1.137 cidades que concentram mais de 70% do tráfego de dados da operadora e aumentar o número de antenas 4G, de 3,7 mil em 2014 para mais de 15 mil até o fim de 2017, além de os sites 3G ampliarem de 10,4 mil para mais de 14 mil.


TIM monta plano para enfrentar crise energética, mas não descarta falhas

O presidente da operadora, Rodrigo Abreu, disse que nos sites principais já houve um reforço de geradores e há também uma política de aumentar a validade das baterias nos sites remotos. Operadora reforça o uso do big data para expansão dos sites.


Anatel vai mudar regulamento de interconexão

Superintendência de Competição da Anatel tem um grupo debruçado sobre a revisão do regulamento geral de interconexão, tendo como foco o combate a fraudes e a redução de obrigações que prejudicam pequenas operadoras ou negócios de nicho, como as MVNOs.




Brasil somou 6,8 milhões de acessos 4G em 2014, calculam operadoras

No total, conexões móveis chegaram ao fim de dezembro com 167,8 milhões de acessos. Segundo levantamento das empresas, o serviços de quarta geração já chega a 42% da população brasileira.

» Dados móveis: 10% dos assinantes consomem 80% do tráfego 3G e 4G


Automação inteligente - reduzindo a complexidade e os custos da rede
:: Por Nelson Wang*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



Veja edição 11 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 11

Na discussão sobre o que vai prevalecer — fibra óptica ou rádio — na construção das infraestruturas, vence quem souber explorar o que cada tecnologia tem de melhor a oferecer.

Veja também: Cidades Digitais: Governo convoca provedores; A transição da IANA foi destaque no ICANN#51; Billing das coisas: quando cobrar certo será o diferencial; e muito mais.

Clique aqui para ver outras edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!