TELECOM

Teles terão meta para compra de tecnologia nacional até 2022

Luís Osvaldo Grossmann e Luiz Queiroz ... 12/04/2012 ... Convergência Digital

Apesar da pressão de fabricantes de equipamentos, a Anatel manteve a diretriz definida pelo governo federal de exigir das vencedoras do leilão da faixa de 2,5 GHz contrapartidas de investimentos em equipamentos fabricados no Brasil, parte deles com tecnologia desenvolvida no país.

Os percentuais definidos são os mesmos que foram apresentados ainda na Consulta Pública sobre o edital – a distinção é que a agência decidiu fixar uma data para o fim dessas obrigações: até o fim de 2022.

“Oferecemos um final para as metas, o que é importante até para buscar eficiência em relação a esses investimentos, e para não deixar que essas obrigações se perpetuem ao longo do tempo”, explicou o relator do edital, conselheiro Marcelo Bechara.

Entre 2012 e 2022, 50% dos investimentos em bens ou produtos devem ser direcionados àqueles com Processo Produtivo Básico – política que prevê incentivos fiscais para equipamentos fabricados no Brasil, mas exige contrapartida de aportes em pesquisa e desenvolvimento.

Também ficou definido que parte dos investimentos deve se dar sobre bens ou produtos com tecnologia desenvolvida no Brasil, valendo para isso os critérios definidos na Portaria 950, de 2006, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Até 2014, essa parcela é de 10%, ampliada para 15%, em 2015, e 20%, em 2017.

Tanto as operadoras, compradoras dos equipamentos, como fabricantes multinacionais, as vendedoras, reclamaram muito ao longo da preparação do edital, acusando a Anatel de criar obrigações indevidas para negócios particulares.

A agência, porém, sustenta que as exigências se justificam. “A oferta de um bem público, escasso, é sim instrumento de política setorial em suas diversas facetas, e uma delas é o compromisso de aquisição de produtos de tecnologia nacional”, defendeu Bechara.


Matérias relacionadas
Internet Móvel 3G / 4G ... 03/02/2016 ... 16:45
Tráfego de dados móveis aumentará sete vezes no Brasil até 2020
Internet Móvel 3G / 4G ... 29/01/2016 ... 17:02
Acessos 4G 'empatam' com os de banda larga fixa no Brasil
Internet Móvel 3G / 4G ... 27/01/2016 ... 18:40
4G supera a marca de 1 bilhão de linhas ativas no mundo
Internet Móvel 3G / 4G ... 14/01/2016 ... 17:35
4G cresceu 290% em 12 meses no Brasil
Internet Móvel 3G / 4G ... 11/01/2016 ... 18:24
TIM projeta levar 4G a mais de 1000 cidades
Internet Móvel 3G 4G
Economia compartilhada dá gás à massificação do pagamento móvel

O crescimento do consumo compartilhado, de US$ 13 bilhões em 2013 para US$ 335 bilhões em 2025 empurra o uso da tecnologia, como visto a partir de aplicativos como Uber e Airbnb.

Revista do 59º Painel Telebrasil 2015
Veja a revista do 59º Painel Telebrasil 2015 As principais empresas prestadoras de serviços e da indústria de telecomunicações e autoridades governamentais e do Legislativo se dedicaram a discutir o tema escolhido para este ano: A evolução dos modelos de negócio das telecomunicações: Desafios políticos e regulatórios.
Clique aqui para ver outras edições

TIM descarta guerra de preços na disputa pelo usuário do chip único

Para o presidente da tele, Rodrigo Abreu, a disputa pelo assinante de dados se dará na oferta do melhor serviço. Ele também falou sobre Oi e Nextel. Em 2015, a TIM investiu R$ 4,7 bilhões no Brasil.

Anatel ganha mais tempo para decidir TAC da Oi

Primeiro acordo para evitar o pagamento de multas só teve até aqui um voto apresentado - e ele propõe que a operadora invista o que não pagou em redes de fibras óptica ou de rádio de alta velocidade. 

Mais pessoas terão telefone celular do que eletricidade e água encanada em 2020

O vídeo móvel será o grande motor para o impulso do tráfego de dados e vai superar qualquer aplicativo existente.

Desconexões não impedem a Oi de aumentar base de usuários pré-pago

Operadora fechou 2015 com o maior crescimento de market share no serviço no mercado nacional.


Acompanhe a Cobertura Especial ABTA 2015 na seção Telecom

TV paga: Netflix é só um 'cabrito na sala'. Há outros 'bodes' que incomodam mais

"Se a TV paga morrer, os OTTs morrem abraçados". Essa foi a posição defendida por especialistas durante a ABTA. Executivos da TV paga admitem que a Netflix obrigou mudanças no relacionamento com o cliente. Cobrança do sinal da TV aberta incomoda e é pouco comentada.

Veja mais da cobertura especial da ABTA 2015

  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G