TELECOM

Telefônica/Vivo integra operações de TI em data center de R$ 400 milhões

Fernanda Ângelo ... 12/04/2012 ... Convergência Digital

Depois de 18 meses de trabalho para integração de equipes e transformação da empresa, a Telefônica lançou nesta quinta-feira, 12/04, a Vivo como marca nacional também de seus serviços de telefonia fixa, internet e TV por assinatura. O anúncio acontece no momento em que o Brasil, país no qual a Telefônica atua há mais de 13 anos, se transforma no maior mercado da empresa em todo o mundo: as operações brasileiras bateram a marca de 90 milhões de acessos.

“É a maior quantidade de clientes entre os 25 países nos quais a companhia atua”, afirma Antonio Carlos Valente, presidente da Telefônica/Vivo. Também está no Brasil, o maior contingente de empregados diretos entre as localidades nas quais mantém operações: são mais de 106 mil profissionais.

O executivo diz que entre 1998 e 2011, a Telefônica investiu no Brasil R$ 102,9 bilhões em aquisição de ativos (participações em empresas e licenças) e R$ 62,9 bilhões (Capex) em ampliação em modernização das redes destas empresas e inovação em produtos e serviços. E acrescenta que a previsão de investimentos da empresa no País para o período de 2011 a 2014 é de outros R$ 24,3 bilhões.A adoção da marca comercial Vivo segue a estratégia global do grupo, que utiliza outras marcas para seus produtos e serviços nos 25 países onde atua: MoviStar (América Latina e Espanha) e O2 (Europa, exceto Espanha). “Estamos trazendo a estratégia para o mercado local. Com a diferença que utilizaremos uma marca brasileira”, observa Valente.

“O reposicionamento da marca ocorre em um momento em que a nossa rede de voz e internet móvel 3G está presente em mais de 2,7 mil cidades brasileiras”, contabiliza Paulo Cesar Teixeira, diretor geral da Telefônica|Vivo. “Além disso, em 25 Estados (incluindo o Distrito Federal), nossa rede está equipada com a tecnologia HSPA+. É o 3G Plus, com velocidade de navegação, por meio de modems e smartphones, três vezes maior do que a oferecida pela tecnologia convencional”, completa o executivo. Um dos pontos relevantes da integação foi a construção de novo data center, que entrará em operação ainda este mês. Nele estarão integradas pela primeira vez as infraestruturas de TI das operações fixa e móvel, com investimentos da ordem de R$ 400 milhões.

A rede móvel da Vivo já é utilizada em 140 cidades de oito Estados brasileiros (Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia, Paraná, Santa Catarina, Espírito Santo e Goiás) para oferecer telefonia fixa (Vivo Fixo) e internet (no Vivo Box, que também inclui serviço de voz). “Entre os clientes que estão adquirindo estes novos serviços, 60% preferem a solução integrada. Nos próximos meses, vamos ampliar essa cobertura nacional com outros serviços Vivo e também anunciar ao mercado mais ofertas sinérgicas”, acrescenta Teixeira.

As mudanças passam a valer ainda este mês. A partir do dia 15 de abril, todos os serviços da Telefônica trarão a marca Vivo em seu nome. O Speedy, por exemplo, passa a ser comercializado como Vivo Speedy. O nome Telefônica desaparece de faturas e material de comunicação, as 131 lojas físicas ganham novo visual e os serviços de call center passam a atuar de maneira unificada, sob a bandeira Vivo. Apesar das novidades todas, Valente garante que a mudança será transparente para os clientes. “Na prática, nada mudará para ele”, afirma.

Iniciado há dezoito meses, o processo de mudança da marca está exigindo a participação de toda a empresa. No total, 117 mil pessoas (empregados e prestadores de serviços) passaram por treinamento relacionado à mudança. Entre eles, 37 mil atendentes dos call centers, 44 mil da força de vendas e 32 mil técnicos que cuidam da rede externa no Estado de São Paulo. Os uniformes dos técnicos e os 15 mil carros por eles utilizados também ganharam novo visual com a marca Vivo.

Uma campanha nacional de reposicionamento da marca Vivo como sinônimo de serviços completos em telecomunicações estreia neste domingo (15/04). Uma primeira fase dessa campanha, restrita a São Paulo, já comunicou aos clientes a adoção das marcas Vivo Fixo, Vivo Speedy e Vivo TV para os principais serviços oferecidos anteriormente com a marca Telefônica no Estado.

A Central de Atendimento vai operar agora de forma convergente para usuários que possuem serviços móveis e fixos, independentemente do número de acesso utilizado pelo cliente: 103 15 (fixa) e *8486/1058 (móvel). As faturas dos serviços fixos e móveis continuam separadas, ambas trazendo a identificação Vivo. As novas faturas já estão sendo recebidas pelos clientes.


Acompanhe a Cobertura Especial ABTA 2015 na seção Telecom

TV paga: Netflix é só um 'cabrito na sala'. Há outros 'bodes' que incomodam mais

"Se a TV paga morrer, os OTTs morrem abraçados". Essa foi a posição defendida por especialistas durante a ABTA. Executivos da TV paga admitem que a Netflix obrigou mudanças no relacionamento com o cliente. Cobrança do sinal da TV aberta incomoda e é pouco comentada.

Veja mais da cobertura especial da ABTA 2015

Vivo cria apps para ser uma OTT e aumentar market share no pré e no pós-pago

Com aplicativos que permitem a interatividade e prometem prêmios em dinheiro, a tele quer sair na frente dos rivais. "Queremos, sim, atrair clientes de outras operadoras para a nossa base", disse o Chief Revenue Officer, Chistian Gebara.

Comissão aprova projeto que obriga Anatel a direcionar TACs para áreas pobres

PL 6791/13 insere na Lei Geral de Telecomunicações a possibilidade de troca de multas por investimentos, mas exige preferência às áreas de baixo Índice de Desenvolvimento Humano.

Na relação com o consumidor, setor de Telecom não pode brigar com a inovação

A superintendente de relação com o consumidor da Anatel, Elisa Leonel, disse que as teles não podem virar os 'taxistas da vez', citando o embate dessa categoria com o aplicativo. A executiva, que participou do 59º Painel Telebrasil, questionou ainda o pouco uso do big data como ferramenta de aproximação com o usuário.

Teles reclamam do pouco efeito prático da Lei das Antenas

“Ainda levamos de seis meses a um ano em algumas localidades para obter uma licença”, lamentou durante o Painel Telebrasil 2015 a diretora jurídica da Associação Brasileira para Infraestrutura para Telecomunicações, Anna Lucia de Souza.


Veja edição 13 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 13

Em ritmo acelerado


Pesquisa inédita encomendada pela Abranet ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação mostrou a relevância do segmento de Internet, cujas empresas faturaram R$ 144,7 bilhões em 2014. No período de 2012 a 2014, foram gerados 51.180 novos postos de trabalho, um incremento de 17,5%.

Clique aqui para ver outras edições

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G