GOVERNO » Política Industrial

Softex: Brasil ainda precisa dizer em que é bom

Luís Osvaldo Grossmann ... 11/04/2012 ... Convergência Digital
Para o presidente da Softex - Associação para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro, Rubén Delgado, no ambiente de forte competição no setor, com diversos países procurando mais espaço, o Brasil ainda não se decidiu por um norte, ou como quer se ver reconhecido no exterior.

Ao participar de audiência no Senado, realizada nesta quarta-feira, 11/04, onde começou-se a discutir um marco legal para o software no país, Delgado lembrou que alguns concorrentes já fizeram isso, como a Índia, que marca espaço em outsourcing, ou Israel, na produção de programas.

“O Brasil ainda precisa se posicionar mais, tem que dizer exatamente em que é bom”, insistiu. Delgado disse, ainda, que enquanto o Brasil aparece como um dos maiores mercados mundiais de Tecnologia da Informação, é apenas o 44º em inovação.

Assespro: Estado concorre com a iniciativa privada

Ainda na audiência pública, o vice-presidente de articulação política da Assespro, Jeovani Salomão, afirmou que “software é um bom negócio”, lembrando os gigantes internacionais que ganham bilhões no setor - Google, Microsoft, etc. Mas lamentou a “concorrência” que a iniciativa privada sofre do próprio Estado.

“Precisamos usar o poder de compra do governo para fortalecer o software produzido no Brasil. Temos empresas que exportam mas não conseguem vender ao governo. E temos concorrência com o próprio Estado”, afirmou.

Além do desenvolvimento em estatais - Serpro, por exemplo - desenvolvedores de programas reclamam até do Portal do Software Público, onde diversos programas de governo eletrônico são disponibilizados gratuitamente. Além das iniciativas em defesa do software livre. “Uma indústria de software poderosa não será com software livre”, completou.


Demora do Executivo faz deputado regulamentar guarda de dados na Biometria

Projeto de lei garante privacidade e proteção dos dados biométricos, inclusive os guardados no exterior. Empresa que descumprir pode pagar multa de até R$ 10 milhões.

Conselho confirma Jorge Bittar na presidência da Telebras

Indicado pelo governo, ex-deputado do PT, profissionalmente oriundo do setor de telecom, foi nomeado em reunião da estatal.

Padtec: medidas para recuperar o equilíbrio financeiro já foram tomadas

Empresa descarta crise e argumenta que a turbulência, que trouxe uma redução de rentabilidade, foi gerada por conta da desaceleração da economia e do aumento acentuado do dólar.

Dados abertos: reter informação não é mais uma fonte de poder no governo

Mas muitos gestores governamentais ainda têm essa visão arcaica, admite o secretário da SLTI, Cristiano Heckert. “Abrir dados é uma forma de melhorar a prestação de serviços e dar transparência, mas também de estimular a economia”, sustenta.

Terceirização: Para TST, até sanção pela presidência, súmula 331 é a Lei

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Antonio José de Barros Levenhagen, sustentou que sem a sanção do projeto, a terceirização para as atividades-fim das empresas seguirá proibida no Brasil. Senado diz que tema não será 'atropelado' na Casa.



  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G