GOVERNO » Política Industrial

Software quer liberar terceirização e reclama de competir com Estado

Luís Osvaldo Grossmann ... 11/04/2012 ... Convergência Digital

A indústria nacional de software, conforme argumentos repetidos várias vezes em audiência no Senado, apontam pelo menos dois pontos de estrangulamento do setor no país: a concorrência direta com o Estado e o tratamento ilegal das terceirizações.

No primeiro campo podem ser incluídas desde as atividades do Serpro, por exemplo, a até, principalmente, o Portal de Software Público, alvo direto de queixas na reunião conjunta das comissões de Infraestrutura e de Ciência e Tecnologia do Senado, nesta quarta-feira, 11/4.

“Se queremos uma indústria de software poderosa não será com software livre. E temos concorrência com o próprio Estado. Enquanto o modelo for contratar serviços não vamos fortalecer o software nacional”, reclamou o vice presidente da Assespro, Jeovani Salomão. “Temos empresas que exportam, mas não conseguem vender para o governo”, completou.

Na mesma linha emendou o presidente da Fenainfo, Márcio Girão, que também se queixou do “agigantamento do Portal do Software Público”, e o presidente da ABES, Gerson Schmitt, para quem “o governo deve ser menos empresário e mais comprador, e não o maior produtor e empregador” no setor de software.

O diretor do departamento de integração de sistemas da SLTI, Corinto Meffe, reagiu. “Fiquei surpreso com os mitos que ainda são colocados. O software público viro consenso no governo pelos resultados. Além do que, de 56 soluções disponíveis hoje no Portal, nenhum ofertante pediu para sair. E vejo que nem entre as empresas há consenso sobre a nacionalidade do software”, afirmou.

Terceirização

O segundo ponto levantado - esse com virtual unanimidade entre os diferentes representantes do setor - é a contratação de terceiros, via pessoas jurídicas. O setor que uma legislação que lhe permita adotar essa prática legalmente: ou seja, a repetida “segurança jurídica” das terceirizações. “PJ não é mal ou bem e o marco legal tem que cuidar disso”, afirmou Girão, da Fenainfo.

Ou mesmo, como defendeu Edmundo Machado, da Brasscom, um tratamento semelhante ao que a Lei Geral de Telecomunicações dispensou às teles. “Como na LGT, precisamos de pelo menos um parágrafo na legislação que nos permita fazer a terceirização”, insistiu, lembrando que “esse setor fez planejamento tributário onde dava, na contribuição previdenciária”.


CADE abre investigação contra cartel de componentes para telefonia e banda larga

Estão sendo investigadas as empresas: Araguaia Indústria, Comércio e Serviços Ltda. – EPP, Corning Comunicações Ópticas S/A, Corning Incorporated, Quadrac Telecomunicações e Informática Ltda., Redex Telecomunicações Ltda. e Tyco Electronics Brasil Ltda.

CADE condena Cisco a pagar multa de R$ 30 milhões

Fabricante, junto com a Technicolor, sofreu a maior punição já imposta a uma empresa no país por prátia de gun jumping -quando ocorre consumação da operação, cuja notificação o é obrigatória, sem autorização prévia do órgão antitruste.

Pelo PPA, Telebras assume a missão de implantar rede privada do Governo

A presidenta Dilma Rousseff sancionou o Plano Plurianual (PPA) para o período de 2016 a 2019, e mais uma vez há poucas referências para o setor de TICs. A banda larga móvel ganha destaque, mas a banda larga fixa é pouco citada.

Antena que vai controlar satélite geoestacionário brasileiro é instalada em Brasília

Orçado em R$ 1,7 bilhão, o satélite tem lançamento previsto para ocorrer entre setembro de 2016 e fevereiro de 2017. Uma segunda antena de controle será montada no Rio de Janeiro.

DEST também propõe nova empresa de TI/Telecom, com a liquidação de outras estatais



  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G