Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Governo - Política Industrial

Software quer liberar terceirização e reclama de competir com Estado

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 11/04/2012

A indústria nacional de software, conforme argumentos repetidos várias vezes em audiência no Senado, apontam pelo menos dois pontos de estrangulamento do setor no país: a concorrência direta com o Estado e o tratamento ilegal das terceirizações.

No primeiro campo podem ser incluídas desde as atividades do Serpro, por exemplo, a até, principalmente, o Portal de Software Público, alvo direto de queixas na reunião conjunta das comissões de Infraestrutura e de Ciência e Tecnologia do Senado, nesta quarta-feira, 11/4.

“Se queremos uma indústria de software poderosa não será com software livre. E temos concorrência com o próprio Estado. Enquanto o modelo for contratar serviços não vamos fortalecer o software nacional”, reclamou o vice presidente da Assespro, Jeovani Salomão. “Temos empresas que exportam, mas não conseguem vender para o governo”, completou.

Na mesma linha emendou o presidente da Fenainfo, Márcio Girão, que também se queixou do “agigantamento do Portal do Software Público”, e o presidente da ABES, Gerson Schmitt, para quem “o governo deve ser menos empresário e mais comprador, e não o maior produtor e empregador” no setor de software.

O diretor do departamento de integração de sistemas da SLTI, Corinto Meffe, reagiu. “Fiquei surpreso com os mitos que ainda são colocados. O software público viro consenso no governo pelos resultados. Além do que, de 56 soluções disponíveis hoje no Portal, nenhum ofertante pediu para sair. E vejo que nem entre as empresas há consenso sobre a nacionalidade do software”, afirmou.

Terceirização

O segundo ponto levantado - esse com virtual unanimidade entre os diferentes representantes do setor - é a contratação de terceiros, via pessoas jurídicas. O setor que uma legislação que lhe permita adotar essa prática legalmente: ou seja, a repetida “segurança jurídica” das terceirizações. “PJ não é mal ou bem e o marco legal tem que cuidar disso”, afirmou Girão, da Fenainfo.

Ou mesmo, como defendeu Edmundo Machado, da Brasscom, um tratamento semelhante ao que a Lei Geral de Telecomunicações dispensou às teles. “Como na LGT, precisamos de pelo menos um parágrafo na legislação que nos permita fazer a terceirização”, insistiu, lembrando que “esse setor fez planejamento tributário onde dava, na contribuição previdenciária”.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 14/04/2014 12:33
Senado quer fixar em lei prazo de 180 dias para registro de patentes

:: 12/03/2014 17:30
ABES registra 53,4 mil remoções de conteúdo que violaram direito autoral

:: 24/02/2014 11:23
Startup que começou em casa é adquirida por gigante de tecnologia

:: 12/02/2014 14:45
Pitney Bowes compra parte de acionista nacional e reforça aposta no país

:: 11/02/2014 17:40
Empresa americana é a primeira avaliadora do MPS.br no exterior

:: 20/01/2014 12:22
Software nacional terá margem de 18% nos pregões do governo

:: 09/01/2014 14:22
Guia do MPS.br vira app na Apple

:: 19/11/2013 15:06
Diebold implanta nova plataforma de atendimento da Caixa

:: 11/10/2013 10:30
Para Câmara, INPI afronta lei e já concede patentes para software

:: 03/10/2013 17:00
Software público automatiza inventário de PCs no governo




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Governo promete Política Nacional de Software para maio

PRÓXIMA
Governo publica MPs e Decretos da política industrial



 ESPECIAL   ESPIONAGEM DIGITAL
Wikileaks, CPI e promessas: ações contra espionagem caíram no vazio

O que começou com uma declaração indignada na ONU contra a 'xeretice' indiscriminada dos EUA não tem, dez meses depois, nada de concreto como resposta no Brasil. O relator da CPI da Espionagem no Senado, Ricardo Ferraço (PMDB/PE), admitiu: "não vai dar em nada".

» Além dos equipamentos americanos, NSA tem acesso a backdoors da Huawei
» Atenção espiões: defesa contra espionagem no Brasil, só no ano que vem
» Governo trabalha para fazer do Expresso uma marca internacional
Clique aqui para ver a cobertura completa


Abinee: Renovação da Lei do Bem e da desoneração da folha são prioridades
:: 02/04/2014 :: Política industrial

"É conversa fiada dizer que a indústria eletroeletrônica é favorecida em excesso pelas desonerações do Governo", reagiu o presidente da Abinee, Humberto Barbato,


Anatel e polícia querem lei que autoriza localização de celular sem ordem judicial
:: 01/04/2014 :: Governo

Objetivo é atuar especialmente em crimes como ‘sequestro relâmpago’, como prevê o PL 6726/2010. Pedidos de localização poderiam ser feitos verbalmente por delegado, com respostas em até duas horas. Na Anatel, sistema semelhante já tem resolução e deve ser implantado antes da Copa do Mundo.


Expresso já está sendo usado em 14 órgãos da Presidência da República
:: 31/03/2014 :: Governo

Implantação do correio eletrônico - que substitui a plataforma Microsoft - foi concluída em mais seis órgãos ligados à Presidência da República, entre eles, a vice-presidência.


Brasil já fez mais de 15 mil solicitações de dados ao Google
:: 27/03/2014 :: Governo

Informação é do relatório de transparência da empresa no período de 2009 a 2013. Pedidos de governos, nesses cinco anos, cresceram mais de 120%. Governo dos EUA lidera lista de solicitações.



Veja as coberturas especiais do Convergência Digital


Cobertura em vídeo do Convergência Digital


Veja as edições da revista digital do Convergência Digital
Revista eletrônica do Convergência Digital
Clique aqui para ver todas as edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!