Cloud ComputingConvergência Digital
Siemens Enterprise e Go2neXt se unem por colaboração na nuvem

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
:: Fabio Barros :: 10/04/2012

A Siemens Enterprise Communications e a Go2neXt, anunciaram nesta terça-feira, 10, a conclusão de uma parceria estratégica. A combinação da tecnologia Siemens Enterprise Communications com os serviços de “cloud angel” da Go2neXt levarão para o mercado uma solução de colaboração em nuvem. A parceria conta ainda com os serviços de telecomunicações da TESA para ofertas para condomínios empresariais.

Há pelo menos quatro anos, a Siemens Enterprise Communications, que desenvolveu o sistema OpenScape de comunicações unificadas, trabalha com o modelo CaaS (comunicação como serviço) oferecendo colaboração em nuvem. “Anunciamos recentemente na CeBIT a nova versão do OpenScape UC Server que eleva a escalabilidade a 500 mil usuários em um único sistema, além de oferecer novas facilidades de integração. Nossa arquitetura aberta permite o uso de qualquer dispositivo móvel, além da integração a sistemas ERPs e CRMs e redes sociais” explica José Furst, vice-presidente de marketing e soluções da Siemens Enterprise Communications para a América Latina.

O lançamento de novos modelos de negócios em parceria com integradores de soluções na nuvem marca o início de uma nova fase para a oferta de CaaS da Siemens Enterprise Communications no Brasil. “Com a parceira com a Go2neXt estamos inaugurando uma nova fase em nossa estratégia de cloud. Estamos seguros que a nossa tecnologia OpenScape encaixa-se perfeitamente na solução completa de computação em nuvem oferecida pela Go2neXt. Acreditamos que essa oferta integrada é o modelo que irá prevalecer no futuro pois é assim que os clientes preferem comprar soluções em tecnologia”, completa Furst.

Ainda sobre a nova fase, o executivo lembrou que ela marca o início de parcerias com provedores de produtos e serviços em nuvem. “A Siemens tem parcerias com distribuidores e revendas e agora inauguramos a fase de parcerias em nuvem”, disse. Furst lembrou que não há exclusividade na parceria anunciada, mas que também não há muitos parceiros no mercado com as características da Go2NeXt.

A Go2neXt, por seu lado, será a consultoria responsável por customizar, implementar, desenhar e gerenciar a solução de CaaS, além de disseminar cultura. “Há um alinhamento de visão entre a Go2neXt e a Siemens Enterprise Communications”, diz Paulo Pichini, CEO da Go2neXt. “Os dois times veem a oferta de uma solução completa de computação em nuvem como algo que alavanca os processos e os negócios das empresas usuárias, e não como mera substituição do ambiente de voz tradicional e da infraestrutura de ICT”. 

Segundo Pichini, o objetivo final das ofertas lançadas pela Siemens Enterprise Communications e pela Go2neXt é promover o aumento da eficiência e da produtividade dos usuários. “Trata-se de uma visão totalmente baseada em colaboração, computação em nuvem e consumerização da TI. Vamos criar um ambiente em que o usuário conseguirá, independentemente de sua posição geográfica ou do tipo de dispositivo de acesso que utiliza, ter acesso pleno e seguro às aplicações missão crítica da empresa”, diz Pichini.

Pichini e Furst ressaltam que a parceria chega ao mercado já com um case em andamento, com a TESA Telecom, que oferecerá as soluções de comunicação para condomínios comerciais. “A partir de agora, estamos integrando a tecnologia e os serviços providos pela Siemens Enterprise Communications e pela Go2neXt ao sistema TESA Cloud Building”, afirma Roberto Miranda, presidente da companhia.

O objetivo é agregar produtos e serviços de telecom ainda na fase de construção dos empreendimentos comerciais. Com isso, as construtoras passam a oferecer ao mercado espaços prontos para serem ocupados. Neste quadro, a infraestrutura de telecomunicações é vista como uma ferramenta colaborativa para o desenvolvimento das empresas que ocupam o condomínio. “Implantado em dezenas de prédios de São Paulo, o produto TESA Cloud Building agregava, até agora, todos os serviços relacionados à telefonia fixa, IP, 0800 IP, ramal virtual, softphone, collocation e completo acesso à internet, entre outros”, detalha Miranda.

Isso era feito da forma tradicional, on-premise. “Ao contratar os serviços da parceria Siemens Enterprise Communications/Go2neXt, nosso objetivo é otimizar o data center e a infraestrutura de telecom que já possuímos, ganhando velocidade e escalabilidade na oferta de serviços de comunicação e colaboração para as empresas que ocuparem os edifícios automatizados por nós”, conclui.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 

 Matérias relacionadas com o assunto Cloud Computing  

:: 15/04/2014 12:15
Brasil supera a fase do e-mail e leva mais aplicações para a nuvem

:: 14/04/2014 17:40
Na Europa, carros elétricos usam a nuvem

:: 09/04/2014 16:05
Brasil responderá por 3% do volume de dados mundial em 2014

:: 04/04/2014 14:45
EMC reforça aposta em proteção de dados como serviço

:: 01/04/2014 15:36
Telefónica investe em open source na nuvem

:: 24/03/2014 12:10
Quando os dados em excesso viram um problema real

:: 20/03/2014 18:00
Os seus dados estão subaproveitados?

:: 18/03/2014 19:10
Contact centers: em busca de uma estratégia para a nuvem

:: 14/03/2014 17:00
2014: começa a era do compartilhamento das nuvens?

:: 12/03/2014 16:25
Hora de replicar modelo Amazon, Google e Facebook

Opinião
Cloud Computing: desafio das teles está no serviço
:: Por Nelson Campelo*

Oferecer soluções de colaboração, voz e vídeo na nuvem estão muito perto do negocio-fim das operadoras. A dúvida é saber se as teles vão driblar as barreiras naturais para atender, de forma satisfatória, os seus clientes.



VídeosMais vídeos



Destaques

Big data e mobilidade impõem datacenters inteligentes

O datacenter do futuro estará focado não na carga, mas, sim, no fluxo de trabalho. A importância da localização também se reduzirá, dando lugar a o que estará sendo feito.


Energia trava crescimento de datacenters no Brasil

Diretor do Gartner, Henrique Cecci, fala ainda sobre a obrigatoriedade dos dados no Brasil -ponto retirado do Marco Civil. "Isso era uma bobagem que custaria às empresas".


CFOs se rendem à nuvem

Boa parte dos gestores financeiros admite que os serviços de cloud, aliados à mobilidade e às redes sociais, exigem mudanças no ambiente de trabalho.


No Brasil, PMEs são o motor econômico dos serviços na nuvem

Estudo da Frost&Sullivan diz que o mercado de computação em nuvem gerou US$328,3 milhões no ano passado e chegará, em 2017, a R$ 1,1 bilhão.


Internet das Coisas: o desafio da privacidade

Com projeção de receita em US$ 300 bilhões até 2020, o novo negócio implica mudanças nos data centers.


Copyright © 2014 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.