Home - Convergência Digital

BC: Regular 'dinheiro novo' é o maior desafio

Convergência Digital - Carreira
Por: Ana Paula Lobo - 10/04/2012

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Aldo Mendes, adotou um tom bastante cauteloso e não quis dar prazos para a publicação de um marco regulatório para o uso do celular como meio de pagamento. Mas admite que o meio, hoje, com mais de 257 milhões de chips ativos no país - exigirá novas regras, até em função do público-alvo: As classes C, D e E, fora do sistema tradicional bancário.

Mendes, que participou nesta terça-feira, 10/04, da 17ª edição da Cards Payment & Identification, na capital paulista, sustentou que o grupo de trabalho - criado na semana passada após encontro entre o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e o presidente do BC, Alexandre Tombini - já começou as suas atividades - ele tem 90 dias para definir um modelo - e que temas como simplicidade e inclusão bancária são relevantes para a definição dos pontos de regulação.

"Não quero definir prazos - até mesmo para esse grupo de trabalho - porque há muitos atores envolvidos no processo - cartão de crédito, bancos, operadoras e governo - mas tenho certeza que simplicidade, segurança e universalidade, além da interoperabilidade entre as plataformas tecnológicas, são pontos críticos para serem trabalhados", observou Mendes.

Indagado sobre a autoregulação do serviço, o diretor do BC disse que um acerto entre as partes envolvidas é sempre bem-vinda, mas a regulação cabe, sim, ao governo e ao BC. E um dos pontos que podem ser colocados à mesa é a criação de um ente neutro para funcionar como uma Câmara de Compensação para as transações móveis. "Esse é um modelo que funciona no SPB(Sistema de Pagamentos Brasileiro) e pode, ser, uma boa alternativa para o dinheiro novo que vai entrar em circulação", disse.

Se o pagamento móvel é visto para todas as classes sociais, a inclusão bancária é um dos desafios impostos pelo governo. Tanto que Mendes destacou a intenção de usar o meio para simplificar o acesso das famílias beneficiadas por programas sociais, como o Bolsa Família, aos recursos financeiros pelo celular.

Mas há questões para serem resolvidas: A principal delas é o modelo de remuneração dos agentes - bancos e operadoras. Também será necessário criar modelos que simplifiquem o acesso ao meio de pagamento - sem a necessidade de comprovação de dados, como os exigidos, atualmente, para a abertura de contas correntes. Mas é fato que a animosidade entre bancos e teles está mais branda e já é possível sentar à mesa para negociar.

"O cartão pré-pago, com a confirmação de pagamento via SMS, é uma solução bem clara para o pagamento móvel. A Oi terá um cartão nesse modelo ainda em 2012, em parceria com o Banco do Brasil. Mas o desafio é ter a simplicidade existente hoje para a compra de um celular pré-pago. A aquisição do dinheiro móvel, que é um dinheiro novo, não é o conhecido hoje porque ele simplesmente não existe ainda - compete, na verdade, com o dinheiro em papel, deve ser muito simples", destacou o diretor de Serviços e Produtos da Oi, Gabriel Ferreira. "Mas ao mesmo tempo exigirá uma interoperabilidade de sistemas para evitar fraudes e lavagem de dinheiro", acrescentou o executivo.

Já Maurício Romão, da Vivo, diz que a remuneração do serviço para os atores será uma realidade - senão o negócio não vinga - mas sustenta que as tarifas não devem replicar o modelo atual. "Os custos devem ser bem menores do que os cobrados hoje por um DOC, uma TED. Se não for assim, não haverá a bancarização desejada. O pagamento móvel pode explodir se os agentes atuarem em prol do modelo. Podem repetir os correspondentes bancários. O celular será um canal e deve ser visto assim", ponderou o executivo.

LEIA TAMBÉM:

26/03/2015
Paulistanas são as mais consumistas no mercado móvel

24/03/2015
Nasdaq fornece tecnologia para mercado de negociação de bitcoins

19/03/2015
Titãs avançam no uso das bitcoins. No Brasil, BC mantém restrição

18/03/2015
Facebook entra na briga do pagamento móvel

05/03/2015
MFS se preparam para pagamento online com carteira móvel

19/01/2015
Pagamento móvel: Google vai às compras?

15/12/2014
Usuários querem o smartphone como carteira móvel

06/11/2014
BC edita circular para pagamentos eletrônicos

31/10/2014
Pagamento móvel: transações devem crescer 60,8% em 2015

11/09/2014
Brasil fica atrás no uso do banco móvel na América Latina

Destaques
Destaques

Brasil fica para trás no consumo de apps na América Latina

Brasileiro usa, em média, 16 aplicativos, em seus smartphones e tablets, revela estudo da ComScore, e perde para mexicanos, colombianos, chilenos, argentinos e peruanos.

Brasileiros seguem sem querer pagar pelo uso dos aplicativos

A venda de apps não atrai mais de 70% dos consumidores e desenvolvedores e teles precisam encontrar um novo modelo de negócios.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Internet das Coisas:"Wearable" vai ser o futuro do banco?

Por: Por Eduardo Prado*

A Internet das Coisas tem motivado o mundo todo. Na “cola” da IoT, a tecnologia vestível (ou “wearable”) tem tido um desenvolvimento estonteante pelo mundo afora...


Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site