Cloud ComputingConvergência Digital
Aplicativo lidera motivação para uso da nuvem

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
Fabio Barros 10/04/2012

A HP divulgou nesta terça-feira, 10/04, uma pesquisa global que revela a necessidade de as organizações implementarem uma estratégia híbrida de delivery para acelerar a inovação, aumentar a agilidade e melhorar o seu gerenciamento financeiro durante a migração para a computação em nuvem. Isso porque a convergência da computação em nuvem e a conectividade estão mudando a maneira como a tecnologia é fornecida e como as informações são consumidas dentro do ambiente empresarial.

De acordo com a pesquisa, mais de 80% dos executivos de negócios e tecnologia acreditam que cloud computing será pelo menos tão impactante para o cenário da tecnologia como foram a virtualização ou a internet. A pesquisa também mostra que, apesar da perspectiva de crescimento na adoção de serviços de nuvem pública e privada até 2020, a tecnologia tradicional continuará fazendo parte das empresas.

Os principais destaques obtidos por esta pesquisa são:

- Atualmente, apenas 24% dos modelos de delivery corporativos são baseados em nuvem. Até 2020, a expectativa dos principais executivos de negócios e tecnologia é que os modelos de fornecimento de nuvem pública e privada praticamente dupliquem;

- Os principais impulsionadores da adoção de cloud computing são o rápido desenvolvimento de aplicativos (50%), maior agilidade para responder a mudanças no mercado (32%) e custos menores de operações (18%);

- Os executivos de negócios e de TI reconhecem que os projetos de cloud serão essenciais para a promoção de resultados bem-sucedidos e inovação. Um em cada dois CEOs e diretores financeiros estão no momento elaborando estratégias de nuvem para suas empresas;

- As organizações estão priorizando investimentos em nuvem, sendo que a expectativa é que 43% das empresas invistam de US$ 500 mil a US$ 1 milhão por ano em cloud computing de hoje até 2020, e quase 10% planejam gastar mais de US$1 milhão por ano;

Os participantes da pesquisa listaram as três principais barreiras para a adoção em massa de serviços de nuvem: preocupação com segurança (35%), preocupação com a transformação de seu ambiente de TI (33%) e preocupação com conformidade e governança (17%).

De acordo com as empresas e executivos ouvidos, com a aceleração na adoção de serviços de nuvem, também cresce a necessidade por estratégias ‘holísticas’ de conformidade e governança a serem aplicadas em toda a empresa para controlar e gerenciar ambientes de TI. Quase 50% dos entrevistados admitiram que suas empresas estão usando soluções de nuvem que não são autorizadas pelo departamento de TI, enquanto 18% não tinham uma perspectiva clara sobre as soluções de computação em nuvem que “rodam” sem autorização da área de TI.

A expectativa é que esse problema continue aumentando e isto pode ser observado pela resposta de 69% dos principais executivos de negócios e de 54% dos executivos de tecnologia, que estimam que o uso de soluções de cloud não homologadas pela TI chegue à casa dos 50% até 2020. As empresas precisam de soluções seguras que facilitem a transformação para a computação em nuvem, com risco ou interrupção mínima nos serviços e que ofereçam governança sem ficarem presas em apenas um fornecedor. O caminho para a adoção em massa de computação em nuvem requer um ambiente híbrido em sua oferta, que consista da TI tradicional, bem como ofertas de cloud pública, privada e gerenciada.

Para Antonio Couto, estrategista de cloud da HP Brasil, a pesquisa comprovou a visão da companhia de que o futuro do cloud computing são os ambientes híbridos. “Isso vai ocorrer porque as empresas construirão suas nuvens privadas, sem prescindir das nuvens públicas, e porque elas não abrirão mão dos investimentos feitos até hoje em seus legados. O mercado vai fazer com que todas estas estruturas tornem-se componentes de uma solução, que serão utilizados de acordo com as necessidades”, explica.

Sobre a baixa adesão aos projetos de cloud, o executivo avalia que ela é normal e é parte do processo de maturação do mercado. De acordo com Couto, 2011 foi o ano do interesse em cloud e 2012 será o ano da consolidação dos provedores de serviços. “O boom de implementações começa no final deste ano, avançando ao longo de 2013”, diz o executivo, prevendo que os ambientes tradicionais de TI darão lugar às nuvens privadas.

A pesquisa foi conduzida pela Coleman Parkes Research a pedido da HP e consistiu de 550 entrevistas com executivos de negócios e executivos de tecnologia dentro de grandes empresas (mais de 1.000 funcionários) e empresas de médio porte (500 a 1.000 funcionários). As entrevistas foram feitas por telefone em fevereiro de 2012. As regiões incluídas nesta pesquisa foram: América do Norte (Estados Unidos e Canadá), Europa e Oriente Médio (Reino Unido, França, Alemanha, Dinamarca, Rússia, República Tcheca e Emirados Árabes Unidos), Ásia/Pacífico (Índia, China, Japão, Austrália e Coreia) e América Latina (Brasil e México).

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

 Matérias relacionadas com o assunto Cloud Computing  

22/07/2015 às 14:30
Padronizar aplicações vira 'mantra' na computação em nuvem

21/07/2015 às 15:55
Inovação lidera nova fase na computação em nuvem

13/07/2015 às 10:52
Fabricante de geradores adota storage definido por software

06/07/2015 às 09:35
Chicago cria taxa sobre computação em nuvem e Brasil estuda fazer o mesmo

03/07/2015 às 17:45
Cloud salva vendas de fornecedores de TI no 1º trimestre

24/06/2015 às 10:11
Apps pressionam e teles avançam para SDNs e Redes como Serviço na AL

22/06/2015 às 12:03
Pure Storage aposta na renovação dos data centers no Brasil

17/09/2014 às 17:10
Datacenter: Ato declaratório da Receita é abusivo, diz especialista

28/10/2013 às 11:43
Para EMC, computação em nuvem revigora o papel da TI

21/10/2013 às 20:22
Para deter os EUA, Brasil e Europa negociam regras comuns para computação em nuvem

Opinião
Não caia na conversa do monitoramento de rede em nuvem
Por Dirk Paessler*


VídeosMais vídeos




Destaques

ODF 1.2 é reconhecido pela ISO e vira padrão internacional

Modelo de software livre para aplicações de escritório é usada no governo brasileiro.


Quando a nuvem reprograma o DNA do mercado de TIC

O exército de programadores de baixo custo está perdendo vez. A hora é dos desenvolvedores capazes de atuar com analytics e big data. E aqui no Brasil, esses profissionais seguem escassos.


Serpro: custo do terabyte no Brasil inibe iniciativas de Big Data e Nuvem

Segundo o Assessor da Presidência da estatal, José Maria Leocádio, mercado está cobrando em torno de R$ 20 mil. "Esse custo tem que cair e bem", advertiu.


Big data: Tecnologia sozinha não faz milagre

Sair das perguntas óbvias é a melhor alternativa para usar os dados de forma tática para o sucesso do negócio.


Empresas brasileiras são muito vulneráveis ao roubo de dados

Dados são a nova moeda digital e as corporações sofrem com a violação das suas informações.


Copyright © 2005-2015 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.