Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Nos EUA, teles se unem contra roubo de celulares

:: Da redação
:: Convergência Digital :: 10/04/2012

As maiores empresas de telefonia celular dos Estados Unidos fecharam um acordo com o governo para criar um banco de dados de celulares roubados — parte de uma iniciativa maior para conter a explosão de furtos dos aparelhos no país, revela reportagem do Wall Street Journal.

Segundo relatório da polícia, em 2011, a cidade de Nova York teve mais de 26 mil casos de furto de eletrônicos, sendo que 80% são de celulares, de acordo com relatório policial. O levantamento mostra que o roubo de celulares supera, inclusive, os de dinheiro vivo.

O banco de dados será construído e mantido pelas operadoras móveis. Ele será projetado para localizar celulares dados como perdidos ou roubados e bloquear seus serviços de voz e dados. A ideia é reduzir a criminalidade, tornando difícil ou impossível usar de fato um aparelho roubado, o que diminui também o seu valor de revenda.

As operadoras americanas Verizon Communications Inc. e Sprint Nextel Corp. já bloqueiam celulares que os donos afirmam ter perdido, impedindo que sejam reativados. A AT&T Inc. e a T-Mobile USA, filial da Deutsche Telekom AG, ainda não fazem isso. Todas quatro concordaram em integrar o novo banco de dados.
"Novas tecnologias criam novos riscos", disse Julius Genachowski, presidente da Comissão Federal das Comunicações (FCC, na sigla em inglês), a autoridade reguladora do setor, que negociou o projeto do banco de dados com as operadoras. "Queríamos encontrar uma maneira de reduzir o valor dos celulares roubados."

O roubo de celulares é um dos crimes que tem aumentado mais nos EUA, segundo a polícia. O acordo entre a FCC e as maiores operadoras de celular é resultado, em parte, da pressão de chefes de polícia frustrados. A Associação dos Chefes das Grandes Cidades, que congrega 70 chefes de polícia de grandes cidades dos EUA e do Canadá, publicou em fevereiro uma resolução solicitando que a FCC obrigasse as telefônicas a implementar novas tecnologias para desativar aparelhos roubados.

Por trás da alta nesse tipo de crime está o lucrativo mercado de celulares usados. Os ladrões podem vender os aparelhos roubados para lojas locais ou vendedores ambulantes — ou oferecer os aparelhos em sites como eBay.com, Amazon.com ou Craigslist.org, onde um iPhone usado, por exemplo, pode chegar a valer centenas de dólares.

Bancos de dados parecidos para celulares roubados já existem em países como Reino Unido, Alemanha, França e Austrália. O banco de dados do Reino Unido foi criado em 2002. O da Austrália em 2004. As iniciativas não impediram os crimes, mas o número de incidentes diminuiu.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 24/02/2015 10:22
Apple será capaz de localizar celular mesmo desligado

:: 19/02/2015 12:21
Latinos têm em média 18 apps em dispositivos

:: 19/02/2015 12:16
Preços da Apple são "ultrajantes”, diz presidente da Motorola

:: 27/01/2015 17:15
Teles: Banco de dados registra cerca de 4 milhões de celulares roubados

:: 04/12/2014 19:37
Ministério Público vai à Justiça para suspender venda de chips no Ceará

:: 01/12/2014 10:45
Combate aos celulares piratas está congelado na Anatel

:: 28/11/2014 13:44
Justiça ordena Anatel a fiscalizar bloqueio de celular em caso de roubo

:: 24/11/2014 12:05
Para UIT, Brasil ainda tem tarifa celular mais cara do mundo

:: 14/11/2014 12:57
Anatel: País tem mais de 278 milhões de linhas ativas de celular

:: 03/11/2014 16:33
TVs e celulares são os astros das vendas de Natal




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
TV paga: Radiodifusores vão ao STF contra nova lei

PRÓXIMA
WiMAX agoniza com 4G batendo à porta



VII Seminário TelComp 2014 - Cobertura especial do Convergência Digital
Banco Mundial: Empresas brasileiras estão atrasadas no uso das TICs

Instituição está fazendo um estudo global para avaliar o impacto da economia digital, que será conhecido no 2º semestre de 2015. Mas já dados coletados. Entre eles, um significativo: As mulheres são as grandes beneficiadas pelo maior uso das TICs
CDTV Banda larga: Teles erram e Anatel fala em controle de danos
CDTV TelComp: Precisamos criar uma nova GVT no Brasil
Clique aqui e veja a cobertura completa do evento


Consumidor paga menos por serviços de comunicação

Os preços dos serviços de comunicação, entre eles telefonia, internet e TV por assinatura, pesaram menos na inflação e apresentaram redução em 2014. A tendência é de queda durante 2015.


Telecom Italia investirá R$ 14 bi no Brasil até 2017

Entre as principais metas estão: elevar para em 370 mil novos clientes até o fim de 2017, alcançando 500 mil usuários; o core da rede atingir 1.137 cidades que concentram mais de 70% do tráfego de dados da operadora e aumentar o número de antenas 4G, de 3,7 mil em 2014 para mais de 15 mil até o fim de 2017, além de os sites 3G ampliarem de 10,4 mil para mais de 14 mil.


TIM monta plano para enfrentar crise energética, mas não descarta falhas

O presidente da operadora, Rodrigo Abreu, disse que nos sites principais já houve um reforço de geradores e há também uma política de aumentar a validade das baterias nos sites remotos. Operadora reforça o uso do big data para expansão dos sites.


Anatel vai mudar regulamento de interconexão

Superintendência de Competição da Anatel tem um grupo debruçado sobre a revisão do regulamento geral de interconexão, tendo como foco o combate a fraudes e a redução de obrigações que prejudicam pequenas operadoras ou negócios de nicho, como as MVNOs.




Brasil somou 6,8 milhões de acessos 4G em 2014, calculam operadoras

No total, conexões móveis chegaram ao fim de dezembro com 167,8 milhões de acessos. Segundo levantamento das empresas, o serviços de quarta geração já chega a 42% da população brasileira.

» Dados móveis: 10% dos assinantes consomem 80% do tráfego 3G e 4G


Automação inteligente - reduzindo a complexidade e os custos da rede
:: Por Nelson Wang*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



Veja edição 11 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 11

Na discussão sobre o que vai prevalecer — fibra óptica ou rádio — na construção das infraestruturas, vence quem souber explorar o que cada tecnologia tem de melhor a oferecer.

Veja também: Cidades Digitais: Governo convoca provedores; A transição da IANA foi destaque no ICANN#51; Billing das coisas: quando cobrar certo será o diferencial; e muito mais.

Clique aqui para ver outras edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!