TELECOM

Nos EUA, teles se unem contra roubo de celulares

Da redação ... 10/04/2012 ... Convergência Digital

As maiores empresas de telefonia celular dos Estados Unidos fecharam um acordo com o governo para criar um banco de dados de celulares roubados — parte de uma iniciativa maior para conter a explosão de furtos dos aparelhos no país, revela reportagem do Wall Street Journal.

Segundo relatório da polícia, em 2011, a cidade de Nova York teve mais de 26 mil casos de furto de eletrônicos, sendo que 80% são de celulares, de acordo com relatório policial. O levantamento mostra que o roubo de celulares supera, inclusive, os de dinheiro vivo.

O banco de dados será construído e mantido pelas operadoras móveis. Ele será projetado para localizar celulares dados como perdidos ou roubados e bloquear seus serviços de voz e dados. A ideia é reduzir a criminalidade, tornando difícil ou impossível usar de fato um aparelho roubado, o que diminui também o seu valor de revenda.

As operadoras americanas Verizon Communications Inc. e Sprint Nextel Corp. já bloqueiam celulares que os donos afirmam ter perdido, impedindo que sejam reativados. A AT&T Inc. e a T-Mobile USA, filial da Deutsche Telekom AG, ainda não fazem isso. Todas quatro concordaram em integrar o novo banco de dados.
"Novas tecnologias criam novos riscos", disse Julius Genachowski, presidente da Comissão Federal das Comunicações (FCC, na sigla em inglês), a autoridade reguladora do setor, que negociou o projeto do banco de dados com as operadoras. "Queríamos encontrar uma maneira de reduzir o valor dos celulares roubados."

O roubo de celulares é um dos crimes que tem aumentado mais nos EUA, segundo a polícia. O acordo entre a FCC e as maiores operadoras de celular é resultado, em parte, da pressão de chefes de polícia frustrados. A Associação dos Chefes das Grandes Cidades, que congrega 70 chefes de polícia de grandes cidades dos EUA e do Canadá, publicou em fevereiro uma resolução solicitando que a FCC obrigasse as telefônicas a implementar novas tecnologias para desativar aparelhos roubados.

Por trás da alta nesse tipo de crime está o lucrativo mercado de celulares usados. Os ladrões podem vender os aparelhos roubados para lojas locais ou vendedores ambulantes — ou oferecer os aparelhos em sites como eBay.com, Amazon.com ou Craigslist.org, onde um iPhone usado, por exemplo, pode chegar a valer centenas de dólares.

Bancos de dados parecidos para celulares roubados já existem em países como Reino Unido, Alemanha, França e Austrália. O banco de dados do Reino Unido foi criado em 2002. O da Austrália em 2004. As iniciativas não impediram os crimes, mas o número de incidentes diminuiu.


Telefonia móvel: Anatel revisa coleta de dados do 3G, 4G e M2M

Em fevereiro foram adicionadas  856 mil novas linhas em relação a janeiro, revela a Anatel.

Lei das Antenas: Relator do projeto dispara contra vetos do governo

"Esse veto mexe num ponto central do projeto. Mas manteve o artigo que diz que Anatel vai acompanhar, mas a Agência vai acompanhar o quê? Terreno na lua ou instalação de antena para banda larga em marte?", disparou o senador Walter Pinheiro, do PT/BA.

Teles x OTTs: Na contramão das rivais, TIM amplia acordo com WhatsApp

Mesmo com o aplicativo de mensagens do Facebook ampliando cada vez mais o número de usuários no Brasil e no mundo, a TIM amplia a parceria com o Facebook e estende o 'zero rating' ou a 'tarifa zero' para os seus principais planos pré-pago e controle para a banda larga móvel.

Para enfrentar os chineses, Nokia compra Alcatel-Lucent por US$ 15,6 bilhões

Aquisição mexe com o mercado latino-americano e brasileiro, onde a Alcatel-Lucent tem presença forte no mundo IP e centrava suas apostas no segmento de small cells. No mundo móvel, há sobreposição entre as companhias e ajustes terão de ser feitos.


Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G