Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Com telefone popular, receita das teles cairá até R$ 1,4 bilhão por ano

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 04/04/2012

A Anatel aprovou nesta quarta-feira, 4/4, a nova (terceira) versão de um serviço de “telefone popular”, até agora com reduzido sucesso. Para viabilizar a proposta, o serviço será restrito às famílias mais pobres do país – aquelas com renda de, no máximo, três salários mínimos – e terá um valor subsidiado.

Embora tenha mantido o nome Aice – Acesso Individual Classe Especial – o serviço é diferente. A começar pelo preço: no Aice original, o formato levava a um valor mensal de R$ 39, praticamente o mesmo da assinatura “cheia”. Lembra mais o projeto antigo de um “telefone social”, que jamais decolou.

Agora, o regulamento prevê um valor de um terço da assinatura básica. Esses R$ 13,31, com impostos (R$ 9,50 caso haja isenção de ICMS), dão direito a 90 minutos de franquia mensal.

A principal diferença, porém, é o critério de elegibilidade: famílias com renda mensal de até três salários mínimos (R$ 1.866), aquelas inscritas no Cadastro Único dos programas sociais. Isso representa 22 milhões de famílias nas áreas urbanas – das quais estima-se que 4 milhões não conseguiriam pagar.

Embora a primeira versão dessa proposta sustentasse que “com esse valor, não há prejuízo nem lucro para as empresas”, a Superintendência de Serviços Públicos calculou um prejuízo entre R$ 800 milhões a R$ 1,4 bilhão ao ano para as concessionárias.

Isso se deu porque o Decreto do Plano Geral de Metas de Universalização, do ano passado, ampliou a elegibilidade, antes restrita aos inscritos no Bolsa Família (13,4 milhões de famílias), para todos inscritos no Cadastro Único dos programas sociais (22 milhões de famílias).

Por conta dessa mudança, que ampliou o número de potenciais beneficiários, o buraco está nas estimativas de migração para o “telefone popular”. Das famílias elegíveis, calcula-se que 6,5 milhões já tenham assinatura – mas que fariam a troca para pagar menos.

É, portanto, com base nessa diferença que a Anatel chegou à perda de até R$ 1,4 bilhão por ano – com efeito especialmente sobre a Oi, que sozinha teria receita até R$ 1 bilhão menor.

Para atenuar esse impacto, a oferta do “telefone popular” será escalonada. No primeiro ano, para as famílias com renda de até um salário mínimo. No segundo, também para aquelas com renda de até dois salários, com a oferta para todo o público elegível a partir do terceiro ano. Se avançar pouco, os prazos podem ser antecipados.

Os clientes do antigo Aice – cerca de 176 mil assinantes – terão 90 dias para migrar para outro plano de serviço, a ser oferecido pelas operadoras, “em condições iguais ou melhores” do que as atuais.

Fica como futura surpresa o ajuste de contas da oferta do “telefone popular”. O regulamento prevê que o número de assinantes do Aice será considerado para efeito dos ganhos de produtividade (Fator X), portanto, no momento do reajuste anual de tarifas. Mas a regra remete essa parte para regulamentação posterior.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 06/01/2014 11:33
Habilitação cara inibe adesão ao telefone popular

:: 08/08/2013 19:00
Menos de 1% dos beneficiados adere ao ‘telefone popular’

:: 06/11/2012 18:00
Telefone popular: sem sucesso no fixo, Anatel vai tentar móvel

:: 04/07/2012 16:30
Telefone popular: Anatel fixa valores de tarifas máximas

:: 04/04/2012 18:28
Com telefone popular, receita das teles cairá até R$ 1,4 bilhão por ano

:: 20/03/2012 10:27
Anatel prorroga consulta sobre regulamento de universalização

:: 13/03/2012 11:56
Teles questionam custos de publicidade das novas metas de universalização




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
TIM alerta para risco e diz que leilão 4G é uma 'iniciativa prematura'

PRÓXIMA
TIM deflagra 'guerra dos smartphones'



Rio Cidade Inteligente + Rio Wireless 2014
Anatel quer ampliar compartilhamento e ‘uso industrial’ de espectro

“Há um grande desafio de expansão das redes e isso exige índice mais alto de eficiência espectral. Queremos abordagens mais simples”, sustenta o conselheiro Rodrigo Zerbone.

» Novo Hamburgo investe R$ 1,4 milhão em TICs para saúde
» Rio de Janeiro atento ao legado olímpico
» 700 MHz: Leilão não obriga ninguém a implantar rede
» Teles projetam quadruplicar número de ERBs para atender novas demandas
Clique aqui para ver a cobertura completa


Ao regular ofertas de atacado, Anatel volta à fronteira entre telecom e Internet
:: 15/07/2014 :: Telecom

Agência indica que com o SNOA, os preços caíram até 60% em um ano. “Misturar conexão IP nos contratos gera mais distorções”, adverte Eduardo Parajo, da Abranet.


Anatel defende sistema de negociação entre OTTs e teles
:: 15/07/2014 :: Telecom

Ao defender o sistema de negociações de ofertas de atacado, implantado pela Anatel no ano passado, o presidente da agência, João Rezende, sugere que os donos de redes e provedores de conteúdo passem a usar uma mediação semelhante. “Algo como o SNOA poderia ser ampliado para esse debate, onde há um nó muito grande”.


Telebras negocia legado da Copa com estádios
:: 11/07/2014 :: Telecom

Responsável pela infraestrutura de R$ 110 milhões para as transmissão das imagens das partidas, a estatal já costura contratos para o uso da rede e dos equipamentos instalados nas arenas. Acerto já avança no Maracanã, revela o presidente da Telebras, Francisco Ziober.


Anatel inaugura reuniões abertas do Conselho Diretor
:: 10/07/2014 :: Telecom

Sessões deliberativas serão realizadas no Espaço Cultural a partir da próxima quinta, 17/7, e qualquer um poderá participar. Partes dos processos também poderão se manifestar durante a reunião, desde que encaminhem pedido prévio por e-mail à agência. 




700 MHz: 4G em São Paulo e Rio de Janeiro só no fim de 2018

Condição foi imposta no edital aprovado pela Agência.

» Claro e Vivo acirram disputa pela liderança no 4G


Estádios da copa sem 4G, retrato do improviso nacional
:: Por Vivien Mello Suruagy*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



Veja a primeira edição da revista digital Alianza Latinoamericana de Medios TIC Alianza Latinoamericana
de Medios TIC


A Revista Alianza é fruto de uma aliança editorial entre os veículos InversorLatam, portal Convergência Digital e Evaluamos, da Colômbia. Nosso compromisso é retratar os pontos mais importantes de Telecom e TI na América Latina. Nessa primeira edição, tratamos de um tema que está na lista de prioridade: a governança da Internet. Boa leitura!

Clique aqui para ver todas as edições





Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!