Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Com telefone popular, receita das teles cairá até R$ 1,4 bilhão por ano

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 04/04/2012

A Anatel aprovou nesta quarta-feira, 4/4, a nova (terceira) versão de um serviço de “telefone popular”, até agora com reduzido sucesso. Para viabilizar a proposta, o serviço será restrito às famílias mais pobres do país – aquelas com renda de, no máximo, três salários mínimos – e terá um valor subsidiado.

Embora tenha mantido o nome Aice – Acesso Individual Classe Especial – o serviço é diferente. A começar pelo preço: no Aice original, o formato levava a um valor mensal de R$ 39, praticamente o mesmo da assinatura “cheia”. Lembra mais o projeto antigo de um “telefone social”, que jamais decolou.

Agora, o regulamento prevê um valor de um terço da assinatura básica. Esses R$ 13,31, com impostos (R$ 9,50 caso haja isenção de ICMS), dão direito a 90 minutos de franquia mensal.

A principal diferença, porém, é o critério de elegibilidade: famílias com renda mensal de até três salários mínimos (R$ 1.866), aquelas inscritas no Cadastro Único dos programas sociais. Isso representa 22 milhões de famílias nas áreas urbanas – das quais estima-se que 4 milhões não conseguiriam pagar.

Embora a primeira versão dessa proposta sustentasse que “com esse valor, não há prejuízo nem lucro para as empresas”, a Superintendência de Serviços Públicos calculou um prejuízo entre R$ 800 milhões a R$ 1,4 bilhão ao ano para as concessionárias.

Isso se deu porque o Decreto do Plano Geral de Metas de Universalização, do ano passado, ampliou a elegibilidade, antes restrita aos inscritos no Bolsa Família (13,4 milhões de famílias), para todos inscritos no Cadastro Único dos programas sociais (22 milhões de famílias).

Por conta dessa mudança, que ampliou o número de potenciais beneficiários, o buraco está nas estimativas de migração para o “telefone popular”. Das famílias elegíveis, calcula-se que 6,5 milhões já tenham assinatura – mas que fariam a troca para pagar menos.

É, portanto, com base nessa diferença que a Anatel chegou à perda de até R$ 1,4 bilhão por ano – com efeito especialmente sobre a Oi, que sozinha teria receita até R$ 1 bilhão menor.

Para atenuar esse impacto, a oferta do “telefone popular” será escalonada. No primeiro ano, para as famílias com renda de até um salário mínimo. No segundo, também para aquelas com renda de até dois salários, com a oferta para todo o público elegível a partir do terceiro ano. Se avançar pouco, os prazos podem ser antecipados.

Os clientes do antigo Aice – cerca de 176 mil assinantes – terão 90 dias para migrar para outro plano de serviço, a ser oferecido pelas operadoras, “em condições iguais ou melhores” do que as atuais.

Fica como futura surpresa o ajuste de contas da oferta do “telefone popular”. O regulamento prevê que o número de assinantes do Aice será considerado para efeito dos ganhos de produtividade (Fator X), portanto, no momento do reajuste anual de tarifas. Mas a regra remete essa parte para regulamentação posterior.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 12/11/2014 12:11
Minicom promete leilão para universalização da banda larga em 2015

:: 06/01/2014 11:33
Habilitação cara inibe adesão ao telefone popular

:: 08/08/2013 19:00
Menos de 1% dos beneficiados adere ao ‘telefone popular’

:: 06/11/2012 18:00
Telefone popular: sem sucesso no fixo, Anatel vai tentar móvel

:: 04/07/2012 16:30
Telefone popular: Anatel fixa valores de tarifas máximas

:: 04/04/2012 18:28
Com telefone popular, receita das teles cairá até R$ 1,4 bilhão por ano

:: 20/03/2012 10:27
Anatel prorroga consulta sobre regulamento de universalização

:: 13/03/2012 11:56
Teles questionam custos de publicidade das novas metas de universalização




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
TIM alerta para risco e diz que leilão 4G é uma 'iniciativa prematura'

PRÓXIMA
TIM deflagra 'guerra dos smartphones'



Cobertura Especial Futurecom 2014
5G: tudo é uma questão de dinheiro e poder

Fornecedores venderam durante o Mobile World Congress a chegada do 5G em 2020, mesmo sem uma discussão efetiva de padronização. E a razão é simples: é preciso rever o modelo do ecossistema de infraestrutura de rede. Vender mais e com qualidade para sobreviver à mudança. Para as teles, o momento é de repensar estratégias. As OTTs incomodam e impõem mudanças.

Cobertura Especial World Mobile Congress 2015Veja mais da cobertura do World Mobile Congress 2015


Brasil precisa produzir hardware e software em Telecom

"Somos o 5º maior mercado consumidor do mundo de serviços de telecom, mas precisamos ir além", sustentou o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini. Um dos entraves para o Brasil crescer no setor é o sistema tributário. "Precisamos de um pacto para superar esse malfadado sistema de cobrança de ICMS, essencial para os Estados, mas desagregador na economia".


Lei das Antenas passa e prevê licenciamento automático após 60 dias

Aprovado pelo Senado, o projeto também resolve a adequação de milhares de torres e abre espaço para uma regulamentação específica para o que chama de “infraestrutura de telecomunicações de pequeno porte”, que não precisarão de licenças para serem instaladas.


Amos Genish, da GVT, vai assumir o comando da Vivo/Telefônica no Brasil

Antonio Carlos Valente vai para a presidência do Conselhor de Administração. O CEO, Paulo Cesar Teixeira, sai da empresa.

» Com condicionantes, CADE aprova compra da GVT pela Telefônica

CADE diz que acordos entre teles e OTTs podem afetar competição

“Em contratos como o acesso via telefone celular a aplicativos, dependendo do tipo de aprisionamento, das cláusulas de competitividade, se restringir o acesso a uma OTT dominante por outra operadora pode ser problema”, diz o presidente do órgão antitruste, Vinícius de Carvalho.




Cartão BNDES abre espaço para apps

Licenciamento de software entra no portfólio do programa, voltado para as PMEs.

» Investimentos em 4G vão superar os US$ 193 bilhões na América Latina


Automação inteligente - reduzindo a complexidade e os custos da rede
:: Por Nelson Wang*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



Veja edição 11 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 11

Na discussão sobre o que vai prevalecer — fibra óptica ou rádio — na construção das infraestruturas, vence quem souber explorar o que cada tecnologia tem de melhor a oferecer.

Veja também: Cidades Digitais: Governo convoca provedores; A transição da IANA foi destaque no ICANN#51; Billing das coisas: quando cobrar certo será o diferencial; e muito mais.

Clique aqui para ver outras edições

VII Seminário TelComp 2014 - Cobertura especial do Convergência Digital
Banco Mundial: Empresas brasileiras estão atrasadas no uso das TICs

Instituição está fazendo um estudo global para avaliar o impacto da economia digital, que será conhecido no 2º semestre de 2015. Mas já dados coletados. Entre eles, um significativo: As mulheres são as grandes beneficiadas pelo maior uso das TICs
CDTV Banda larga: Teles erram e Anatel fala em controle de danos
CDTV TelComp: Precisamos criar uma nova GVT no Brasil
Clique aqui e veja a cobertura completa do evento




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!