GOVERNO » Compras Governamentais

Governo descarta litígios por mecanismo de compras governamentais

Luís Osvaldo Grossmann ... 04/04/2012 ... Convergência Digital

Por não ser signatário do acordo da Organização Mundial do Comércio sobre compras públicas, o governo brasileiro não vê dificuldades na aplicação das regras que permitem aquisições nativas por valores até 25% superiores às importadas.

“Esse é um mecanismo adotado por muitos países. Os Estados Unidos fazem isso desde 1933, país que, como nós, não é signatário do acordo na OMC”, afirmou o secretario executivo do Ministério do Desenvolvimento, Alessandro Teixeira.

O mecanismo faz parte da Lei 12.349/2010, que estabelece parâmetros para a preferência a produtos ou serviços nacionais – entre eles, o mecanismo que autoriza o Estado a aceitar valores mais altos em licitações.

Pela Lei, esse valor a maior pode chegar a 25% - ou seja, um fornecedor nacional com preço até 25% acima do concorrente importado pode ser o vencedor de uma licitação. Os percentuais, no entanto, são definidos caso a caso.

Até aqui, o governo tinha regulamentado as compras públicas de calçados, têxteis e confecções, cuja margem de preço quando produzidos no país pode ser até 8% superior ao de concorrentes. A lista, agora, cresceu.

Medicamentos nacionais que utilizem insumos nacionais ou importados, a margem será de 20%. No caso de remédios em desenvolvimento ou que estejam em condição de ser produzidos imediatamente, a margem é de 8%.

Além desses, retroescavadeiras e motoniveladoras também tiveram suas margens de preferência fixadas como novo capítulo do Plano Brasil Maior, em 10% e 8%, respectivamente.

Telecom

O governo tem R$ 3,9 milhões em dotações orçamentárias para a compra desses itens nos próximos dois anos. E as preferencias devem ser ampliadas ainda em 2012. “Outros setores deverão ser incluídos ainda este ano”, disse Teixeira.

No caso específico de telecomunicações, os estudos ainda estão sendo realizados. “Estamos fazendo um estudo com base em um caso concreto, mas ainda falta demonstrar a viabilidade do preço em telecom”, explica o diretor de indústria, ciência e tecnologia do Minicom, José Gontijo.


Minicom quer Banco Postal atuando no pagamento móvel

O secretário de Telecomunicações, Maximiliano Martinhão, quer usar a capilaridade da instituição para popularizar o uso do celular como meio de pagamento junto à população.

TV digital: Sob protesto dos fabricantes de TVs, Fórum SBTVD aprova Ginga C

O clima azedou entre os integrantes da entidade. Versão mais robusta do Ginga - que permite recursos de interatividade na televisão - será adotada em conversores a serem distribuídos a 14 milhões de beneficiários do Bolsa Família.

DF sustenta calote a empresas com base em decreto de Getúlio Vargas

Embora ‘restos a pagar’ prevejam pagamento no exercício seguinte, governo da capital alega que tem cinco anos para acertar com credores.

Na Hora: governo do DF podia ter evitado transtornos à população

Subsecretário Saulo Diniz omite informação de que a B2Br igualou o preço oferecido pela ATP Tecnologia para manter o contrato emergencial até a realização de nova licitação.

Cortes do governo adiam projetos de acesso à Internet e inclusão digital

Governo manteve como prioridade o projeto do satélite. PNBL, de Lula, foi empurrado para o segundo semestre. Mas o dinheiro prometido não está claro se atenderá a este programa ou ao "Banda Larga para Todos", de Dilma Rousseff.



  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G