INTERNET

Bancos, compras e emprego impulsionam uso da Internet

Da redação ... 03/04/2012 ... Convergência Digital

Serviços bancários e financeiros, compras e procurar emprego são os principais usos da internet em todo o mundo, de acordo com uma nova pesquisa internacional, divulgada nesta terça-feira, 03/04.

Quase 60% das pessoas entrevistadas, em 24 países, usaram a web para verificar suas contas bancárias e outros ativos financeiros nos últimos 90 dias, o que faz dessa atividade o uso mais popular da internet. As compras não ficaram muito atrás, com 48%, segundo a pesquisa conduzida pela Ipsos para a Reuters, e 41% dos entrevistados recorreram à internet para procurar emprego.

"É fácil. Você pode fazê-lo a qualquer momento do dia, e a maior parte das transações são gratuitas", disse Keren Gottfried, gerente de pesquisa da Ipsos Global Public Affairs, sobre os serviços bancários on-line. Os suecos são os maiores usuários de bancos on-line, com quase 90% dos adultos recorrendo a esse tipo de serviço, mas a popularidade dos bancos na internet também é elevada na França, no Canadá, na Austrália, na Polônia, na África do Sul e na Bélgica, países nos quais cerca de 75% dos habitantes usam bancos on-line.

Já no que tange às compras pela web, alemães e britânicos lideram. Nos últimos três meses, 74% dos entrevistados nos dois países compraram alguma coisa on-line, seguidos por 68% dos suecos, 65% dos norte-americanos e 62% dos sul-coreanos. "É revelador que os quatro líderes sejam todos países ocidentais desenvolvidos", disse Gottfried. "Afinal, faz menos de dez anos que essa tecnologia existe."

Cerca de metade dos entrevistados em todo o mundo já comprou alguma coisa on-line, e proporção ainda maior, 61%, recorreu à web em busca de informações sobre produtos que estão pensando em comprar. As compras on-line exibiam sua menor popularidade na Arábia Saudita, no México, na Hungria e na Rússia, onde 28% ou menos dos entrevistados fizeram compras pela internet.

Outra indicação de como as coisas mudaram ante a época em que as pessoas procuravam empregos por meio de classificados de jornal: 41% dos pesquisados disseram ter procurado emprego na internet. Os poloneses lideram nessa categoria, com 61%, seguidos pelos húngaros, sul-africanos e mexicanos. No entanto, apenas 17% dos japoneses e 25% dos franceses e sul-coreanos usaram a web para procurar emprego.

A Ipsos entrevistou 19.216 adultos na África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, França, Hungria, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Polônia, Rússia, Reino Unido, Suécia e Turquia.

Fonte: Agência Reuters


Senador defende aprovação da regulamentação do Uber no Brasil

Para o senador e autor do projeto, Ricardo Ferraço, do PMDB/ES, apesar das angústias dos taxistas, será impossível o Senado impedir a oferta do serviço no Brasil, já que é um fenômeno que ocorre no mundo.

WhatsApp é o serviço que mais cresce na preferência do internauta

O Snapchat também tem forte adesão, revela estudo da Pew Research. Já o consumo das demais redes sociais  - Facebook, Instagram, LinkedIn, Pinterest e Twitter - estagnou.

Avança no Senado PEC que inclui direito à Internet na Constituição

Proposta de emenda à Constituição foi aprovada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania. O texto ainda terá de ser votado em dois turnos pelo Plenário do Senado antes de seguir para a Câmara dos Deputados.

Governança da Internet: EUA adiam o fim do contrato com a ICANN

Extensão do prazo já era esperada uma vez que ainda não foi aprovado o plano de transição para a ‘globalização’ das funções de atribuição de nomes e números da internet. Mas NTIA ressalta que a data pode ser esticada por mais três anos.

Revista Abranet 13 . Junho 2015
Veja edição 13 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet Pesquisa inédita encomendada pela Abranet ao IBPT mostrou a relevância do segmento de Internet, cujas empresas faturaram R$ 144,7 bilhões em 2014. No período de 2012 a 2014, foram gerados 51.180 novos postos de trabalho, um incremento de 17,5%.
Clique aqui para ver outras edições