Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Governo - Política Industrial

Brasscom: Formalização em TI renderá até R$ 600 milhões ainda em 2012

:: Ana Paula Lobo
:: Convergência Digital :: 03/04/2012
A área de software e TI foi mais uma vez contemplada nas medidas em prol da indústria nacional, anunciadas pelo governo Dilma, nesta terça-feira, 03/04. Para Edmundo Oliveira, diretor de Relações Institucionais da Brasscom, em entrevista ao Convergência Digital, as empresas brasileiras estão 'contaminadas pelos esqueletos trabalhistas' e a redução da alíquota da desoneração da folha de pagamento - de 2,5% para2%, em troca da contribuição do INSS - permitirá uma formalização ainda mais rápida do setor. Expectativa é que 60% das empresas do setor busquem esse caminho ainda em 2012.

"Hoje é muito complexo saber o valor de uma empresa de TI no Brasil porque há legados trabalhistas. Boa parte das empresas paga 25% na CLT e 75% no modelo flex, segundo se apura no mercado. Agora, com a legalização, todo mundo vai pagar seu imposto. Ganha-se transparência e ética", afirma.

Ainda de acordo com o executivo, os números do ministério da Fazenda e da Brasscom são muito próximos com o custo da desoneração - R$ 1.171 bilhão, mas o retorno, diz Oliveira, deve vir muito mais rápido que o esperado. A conta da formalização é simples. Segundo o diretor da Brasscom, caso 60% das empresas de TI formalizem suas atividades, haverá um acréscimo de arrecadação para os cofres públicos entre R$ 500 milhões e R$ 600 milhões. "Isso é dinheiro que o governo não veria se não fizesse a desoneração", afirma.

Indagado sobre a divisão entre entidades do setor - o Sindicato das empresas de informática de São Paulo - recorreu à justiça contra o pagamento da alíquota sobre o faturamento, em troca da contribuição do INSS, Oliveira diz que a posição da entidade foi isolada e foi derrotada na reunião realizada no Ministério da Fazenda. "A proposta do uso da CPMF, como pretendia o Sindicato de São Paulo, foi derrotada. Não há qualquer contestação. A desoneração é um ganho para o setor de TI como um todo", destaca. A desoneração não atinge três áreas de software: distribuidora, revendedor de sofwtare e licenciador.

Hoje, o setor de TI representa cerca de 4% do Produto Interno Bruto nacional e, apesar de não querer colocar a desoneração da folha de pagamento como única medida para ampliar esse percentual - diz que é preciso levar em conta outras ações como o próprio crescimento da demanda do setor - ainda assim Oliveira diz que a Brasscom trabalha que, em 10 anos, TI poderá chegar a 6% do PIB nacional, alcançando assim a média de países mais desenvolvidos.
Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 03/03/2015 12:03
Sem padrão digital, rádios apostam na Internet

:: 02/03/2015 17:55
Alcatel-Lucent adota conceito de startup para entrar no jogo

:: 02/03/2015 17:23
Inmetro e Capes aproximam comunidade científica da indústria

:: 02/03/2015 11:03
Em dois anos, 40% das grandes empresas terão planos de segurança cibernética

:: 26/02/2015 11:53
Consumidor paga menos por serviços de comunicação

:: 25/02/2015 16:57
Abinee: Confiança dos empresários aumenta, mas ainda é baixa

:: 25/02/2015 10:54
Projeto de lei nos EUA tenta barrar “globalização” da ICANN

:: 24/02/2015 17:11
Dispositivos móveis são alvos de malwares em 2015

:: 23/02/2015 11:44
Softex: apoio a exportadores em canais de distribuição termina hoje

:: 23/02/2015 10:56
FGV: Marco Civil da Internet impede o "acesso grátis"




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Governo publica MPs e Decretos da política industrial

PRÓXIMA
Competitividade: Conselho TIC/Complexo eletrônico é empossado



 ESPECIAL   ESPIONAGEM DIGITAL
Pós-Snowden, China corta Cisco, Intel e Apple de compras públicas

Marcas de gigantes da tecnologia estão fora da lista do Centro de Provisionamento do Governo Central, que orienta as aquisições de órgãos federais na China. Um terço das marcas estrangeiras desapareceu da relação nos últimos dois anos – e metade daquelas com produtos relacionados à segurança.

» Brasil ainda luta para por em prática medidas contra espionagem
» NSA e aliados têm chaves criptográficas para ouvir celulares em todo o mundo
» Espionagem: Comunicações do governo seguem vulneráveis
Clique aqui para ver a cobertura completa


Tribunal ainda vê resultados da Lei de Informática como "questionáveis"

Mais uma vez o Tribunal de Contas da União afirma que a política pública ignorou mudanças estruturais no mercado global de componentes e, como resultado, nas empresas incentivadas no Brasil “predominam atividades de baixa complexidade e pequeno valor agregado”. “Os resultados da Lei não são animadores”, conclui.


Berzoini: é hora de exorcizar os fantasmas do debate da regulamentação de mídia

A alegoria lembra a proposta original, como feita em 2010 pelo então ministro Franklin Martins, mas as semelhanças param aí. O novo ministro das Comunicações parece preferir focar a discussão na regulamentação dos artigos 220 e 221 da Constituição, sobre concentração econômica e programação regional.


TV Digital: Emissoras abrem contagem regressiva em 3 de abril

Logotipo vai mostrar aos telespectadores quantos dias faltam para o desligamento dos sinais analógicos. O primeiro switch off será em Rio Verde-GO, em novembro próximo, seguido por Brasília, em abril de 2016. Anatel, teles e tevês correm para escolher o receptor a ser distribuído a 14 milhões de famílias e como medir quantos lares estão prontos para receber apenas os sinais digitais de TV.


Heckert assume a SLTI e Giliate a direção do Datasus

Está de volta à Secretaria de Logística e TI do Ministério do Planejamento Cristiano Heckert (foto), que em sua passagem como diretor de redes, entre 2008 e 2011, fez as primeiras compras coletivas para telefonia.



Veja as coberturas especiais do Convergência Digital


Cobertura em vídeo do Convergência Digital


Veja a segunda edição da revista digital Alianza Latinoamericana de Medios TIC Alianza Latinoamericana
de Medios TIC . nº 2


Nesta segunda edição, tratamos de um tema que está na lista de prioridade dos gestores de TI: o BIG DATA

A Revista Alianza é fruto de uma aliança editorial entre os veículos InversorLatam, portal Convergência Digital e Evaluamos, da Colômbia. Nosso compromisso é retratar os pontos mais importantes de Telecom e TI na América Latina.

Clique aqui para ver outras edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!