GOVERNO » Política Industrial

TI e Telecom à espera das medidas do governo Dilma

Ana Paula Lobo* ... 02/04/2012 ... Convergência Digital

O governo Dilma Rousseff anuncia nesta terça-feira, 03/04, uma segunda etapa de medidas em prol da indústria, dentro do Plano Brasil Maior, anunciado no ano passado. E TI e Telecom devem ser contemplados com novas ações governamentais. Para TI, especula-se que poderá haver uma redução na alíquota estabelecida para compensar a desoneração da folha de pagamento - 2,5%, a maior entre os quatro setores contemplados, uma vez que a medida será estendida para outras áreas da economia produtiva.

A presidenta e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, também instalam os 19 conselhos de competitividade definidos no Plano Brasil Maior.Compostos por aproximadamente 600 representantes do governo, dos empresários e dos trabalhadores, os conselhos serão o espaço para a discussão de temas setoriais e a construção de agendas estratégicas. E um desses conselhos é dedicado para TICs/Complexo Eletroeletrônico.

A iniciativa faz parte de uma das principais vertentes de atuação do governo Dilma Rousseff, que é a adoção de políticas públicas em favor do desenvolvimento industrial, a partir de ações para fortalecer a competitividade, acelerar ganhos de produtividade, promover o adensamento produtivo e tecnológico das cadeias de valor, ampliar mercados, criar empregos de melhor qualidade e garantir um crescimento inclusivo e sustentável da indústria nacional.

As reivindicações e propostas do setor privado, que surgirem nos conselhos, serão analisadas pelas Coordenações Sistêmicas, que têm a finalidade de subsidiar o Grupo Executivo na definição de ações transversais do Brasil Maior. O governo também deverá anunciar o repasse de R$ 25 bilhões a R$ 30 bilhões do Tesouro Nacional ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) amanhã, e também reduzir a taxa de juros do Programa de Sustentação do Investimento (PSI).

E nesta segunda-feira, 02/04, ao participar de evento da Cisco, no Rio de Janeiro, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, garantiu que a desoneração para equipamentos de rede - uma promessa feita na metade do ano passado - estará também entre as medidas a serem anunciadas pela Presidenta Dilma Rousseff. Essa desoneração teria um custo estimado de R$ 6 bilhões em cinco anos.

As medidas serão anunciadas em solenidade prevista para às 10 horas desta terça-feira, 03/04, no Palácio do Planalto. A CDTV, do portal Convergência Digital, se prepara para fazer a transmissão, ao vivo, da cerimônia.

*Com agências de notícias


ESPECIAL » ESPIONAGEM DIGITAL
Espionagem: EUA negam pedido de perdão para Edward Snowden

Documento assinado por mais de 167 mil pessoas foi rejeitado pelo governo Obama. Snowden, que denunciou a espionagem a autoridades, entre elas, a presidente Dilma Rousseff, se voltar ao país poderá ser condenado a 30 anos de prisão.


Clique aqui para ver a cobertura completa

Satélites: Brasil formaliza fim do acordo espacial com Ucrânia

Decreto presidencial sustenta “desequilíbrio da equação tecnológico-comercial que justificou a parceria” para rescindir o tratado. O acordo, firmado há 12 anos, previa – depois de dois adiamentos – o lançamento do foguete Cyclone 4 no fim deste ano de 2015.

Dados abertos: quem pagará o custo pela guarda e o uso das informações?

Em entrevista à, CDTV, o presidente da Dataprev, Rodrigo Assumpção, diz que em algum momento esse debate terá de ser enfrentado pelo Brasil.

Minicom quer Banco Postal atuando no pagamento móvel

O secretário de Telecomunicações, Maximiliano Martinhão, quer usar a capilaridade da instituição para popularizar o uso do celular como meio de pagamento junto à população.

TV digital: Sob protesto dos fabricantes de TVs, Fórum SBTVD aprova Ginga C

O clima azedou entre os integrantes da entidade. Versão mais robusta do Ginga - que permite recursos de interatividade na televisão - será adotada em conversores a serem distribuídos a 14 milhões de beneficiários do Bolsa Família.

DF sustenta calote a empresas com base em decreto de Getúlio Vargas

Embora ‘restos a pagar’ prevejam pagamento no exercício seguinte, governo da capital alega que tem cinco anos para acertar com credores.



  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G