GESTÃO

Ponto eletrônico: Empresários contestam, mas regras começam a valer

Da redação ... 02/04/2012 ... Convergência Digital

O Ministério do Trabalho confirmou que o novo sistema de registro de ponto eletrônico entrou em vigor nesta segunda-feira, 02/04, após cinco adiamentos desde que a portaria 1.510 que prevê a obrigatoriedade foi editada em agosto de 2009. Ao menos 400 mil empresas do país de vários setores terão de implementar novos equipamentos que permitem a impressão de comprovantes de entrada, saída e intervalos no trabalho.

São obrigadas a instalar esse novo sistema todas as empresas que já utilizam o ponto eletrônico e tem mais de dez empregados, como prevê a portaria. A fiscalização do Ministério do Trabalho pode autuar a partir de hoje as empresas que não estiverem adequadas ao novo sistema. A medida divide opiniões de empresários, advogados e representantes do governo que, há quase três anos, travam disputa jurídica pela implementação (ou não) do novo registro eletrônico.

A justificativa do governo federal para a adoção do novo sistema é evitar fraudes na marcação da jornada. As empresas reclamam que haverá mais burocracia, mais custos e mais transtornos nas relações trabalhistas.

ETAPAS

A implementação será feita em três etapas. A partir de hoje as empresas do varejo, indústria e setor de serviços (financeiro, de transportes, de construção, de comunicações, de energia, de saúde e de educação) têm de utilizar o novo sistema.

A partir de 1º de junho, as empresas que exploram atividade agroeconômica são obrigadas a ter o novo sistema. E, a partir de 3 de setembro, são as micro e pequenas empresas que devem se adaptar. O Ministério do Trabalho informa que 100 mil empresas já compraram o novo equipamento necessário para mudar o sistema de registro de ponto eletrônico e se cadastraram em seu site.

Com o comprovante impresso, o objetivo é "dar segurança a trabalhadores e empregadores ao implementar meios mais eficazes e confiáveis de controle da jornada". E "inibir a prática de excesso de jornada, que provoca diretamente o acréscimo de acidentes e moléstias do trabalho, pois os horários das marcações ficarão registrados no sistema sem que possam ser excluídos".

No ano passado, 3.045 fiscais aplicaram 17.657 autos de infração em relação ao tema jornada de trabalho --nenhum lavrado por causa de fraudes em relógios de ponto, segundo o ministério.

Fonte: Folha Online e Agência Brasil


Matérias relacionadas
Carreira ... 02/02/2016 ... 12:00
Xô crise!
Carreira ... 29/01/2016 ... 12:22
Emprego novo em TI? Pense fora da caixinha!
Carreira ... 19/01/2016 ... 12:43
Do limão da crise, faça a sua limonada
Internet Móvel 3G / 4G ... 18/01/2016 ... 13:31
Fabricantes de smartphones, sem pedidos, iniciam demissão em massa
Carreira ... 06/01/2016 ... 16:35
Quer um emprego novo?
Carreira ... 05/01/2016 ... 16:10
Estou empregado, mas insatisfeito!
Resiliência e Segurança
Se a TI parar quanto essa falha vai custar para o seu negócio?

Estudo adverte aos gestores de TI: se a resiliência não for integrada na adoção inicial de cloud, as organizações estarão aceitando riscos, quer realizem isso ou não.

Telecom foi motivo de 36,7% das queixas aos Procons em 2015

Balanço do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor mostra que o setor foi alvo de 929 mil das mais de 2,5 milhões de demandas registradas no ano passado. Maiores grupos, Claro/Net/Embratel, Oi e Vivo/Telefonica/GVT são as três empresas mais acionadas.

Serpro, Dataprev e Telebras propõem alternativa à fusão

Em reunião na sede da Fenadados, o presidente do Serpro. Marcos Mazoni, informou que as estatais estão negociando uma parceria para otimizar seus produtos e serviços.

Brasil é 12º em transparência de dados governamentais

Ranking mundial revela que 61% dos dados brasileiros analisados estão abertos. País evoluiu, mas fica atrás da Colômbia e do Uruguai, que estão no top 10 da pesquisa.

DEST: criar holding para gerir estatais pode aumentar custos

A ideia seria criar uma holding para gerir o Serpro, a Dataprev e a Telebras. Mas o DEST alerta: medida somente surtirá efeito se as empresas forem liquidadas ou fundidas.

Agricultura cancela compra de ERP e economiza R$ 6 milhões

Ministério decidiu cancelar a compra de um software de gestão e usar a solução distribuída pela SLTI. “A parceria reduziu esse custo a zero”, diz a secretária-executiva do Mapa, Maria Emilia Mendonça Jaber.



  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G