TELECOM

Fixo/móvel: Anatel indefere pedido de reajuste da Oi

Ana Paula Lobo* ... 31/03/2012 ... Convergência Digital

O embate entre a Oi e a Anatel pelo reajuste tarifário nas chamadas fixo/móvel está longe de terminar. Nesta sexta-feira, 30/03, a agência, em cumprimento a liminar obtida pela tele no Tribunal Regional Federal da 2ª Região, julgou e indeferiu o pedido da concessionária de reajuste de 2,4%, alegando que não houve cumprimento das regras estabelecidas no contrato de concessão.

Em teleconferência realizada para a imprensa para a divulgação dos resultados financeiros, o presidente da Oi, Francisco Valim, deixou claro que não tem a intenção de recuar e está disposto a manter o embate judicial. Segundo Valim, não há litígio com a Anatel, mas 'sim a defesa de um direito da concessionária'. A decisão, agora, do embate entre as partes está nas mãos do Superior Tribunal de Justiça.

Leia abaixo a íntegra do comunicado da Anatel, divulgado no final da noite desta sexta-feira, 30/03.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informa que, mediante deliberação realizada nesta sexta-feira, 30/03, deu cumprimento à decisão judicial proferida pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, no sentido de apreciar o pedido de reajuste das tarifas das chamadas fixo-móvel formulado pela Telemar Norte Leste S/A, conforme as regras aplicáveis anteriormente à publicação da Resolução nº 576/2011.

Em sua decisão, a Anatel indeferiu o pedido de reajuste tarifário da Telemar, tendo em vista que os cálculos apresentados por essa concessionária não levaram em consideração o fator de amortecimento previsto na cláusula 12.1 do contrato de concessão. Tal cláusula era a regra aplicada por analogia aos reajustes das chamadas fixo-móvel antes da vigência da Resolução nº 576/2011, e seu descumprimento acarreta o indeferimento do pedido de reajuste.

Ainda em cumprimento à referida decisão judicial, a Anatel suspendeu parcialmente o Ato nº 486/2012 do Conselho Diretor e o Ato nº 1.055/2012 do Superintendente de Serviços Privados, de forma a restabelecer as tarifas das chamadas fixo-móvel anteriormente fixadas pela Agência, exclusivamente em relação à Telemar Norte Leste S/A, e restaurando os valores de interconexão (VU-M) anteriormente pactuados por essa concessionária (a Telemar) e homologados pela Anatel. Na prática, os consumidores da Telemar (cuja área de concessão abrange RJ, ES, MG, BA, SE, AL, PE, PB, RN, CE, PI, MA, PA, AP, AM e RR) não mais usufruirão da redução tarifária promovida pela Anatel por meio do Ato nº 486/2012, enquanto perdurarem os efeitos decisão judicial proferida pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

A Anatel, por meio da Advocacia-Geral da União (AGU), recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) com o objetivo de manter a redução tarifária empreendida pelo Ato nº 486/2012. A Agência aguarda novo posicionamento do Poder Judiciário.

*Com informações da Assessoria da Anatel


Acompanhe a Cobertura Especial ABTA 2015 na seção Telecom

TV paga: Netflix é só um 'cabrito na sala'. Há outros 'bodes' que incomodam mais

"Se a TV paga morrer, os OTTs morrem abraçados". Essa foi a posição defendida por especialistas durante a ABTA. Executivos da TV paga admitem que a Netflix obrigou mudanças no relacionamento com o cliente. Cobrança do sinal da TV aberta incomoda e é pouco comentada.

Veja mais da cobertura especial da ABTA 2015

Na relação com o consumidor, setor de Telecom não pode brigar com a inovação

A superintendente de relação com o consumidor da Anatel, Elisa Leonel, disse que as teles não podem virar os 'taxistas da vez', citando o embate dessa categoria com o aplicativo. A executiva, que participou do 59º Painel Telebrasil, questionou ainda o pouco uso do big data como ferramenta de aproximação com o usuário.

Teles reclamam do pouco efeito prático da Lei das Antenas

“Ainda levamos de seis meses a um ano em algumas localidades para obter uma licença”, lamentou durante o Painel Telebrasil 2015 a diretora jurídica da Associação Brasileira para Infraestrutura para Telecomunicações, Anna Lucia de Souza.

Entidades vão à Justiça e lançam campanha 'Não calem o WhatsApp'

Em Representação à Procuradoria Geral da República é solicitada a instauração de inquérito civil para evitar prejuízos aos consumidores caso as teles venham a tentar barrar o serviço de voz em aplicativos.

Exército busca soluções tecnológicas nacionais em comunicações

“Os inimigos não estão às portas. Podemos esperar a maturidade da empresa nacional”, diz o vice-chefe de TICs do Exército, general Santos Guerra.


Veja edição 13 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 13

Em ritmo acelerado


Pesquisa inédita encomendada pela Abranet ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação mostrou a relevância do segmento de Internet, cujas empresas faturaram R$ 144,7 bilhões em 2014. No período de 2012 a 2014, foram gerados 51.180 novos postos de trabalho, um incremento de 17,5%.

Clique aqui para ver outras edições

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G