TELECOM

TV paga: NeoTV recorre ao STF contra novas regras do setor

Da redação ... 30/03/2012 ... Convergência Digital

A Associação NEOTV, formada por empresas prestadoras de serviços de televisão por assinatura, ajuizou nesta quinta-feira, 29/03, no Supremo Tribunal Federal (STF) uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 4747) contra a Lei 12.485/2011, que regulamenta os serviços de televisão por assinatura no Brasil. De acordo com a ADI, os dispositivos questionados "dificultam (senão inviabilizam) imensamente a atuação dos pequenos prestadores nacionais de serviços”.

A associação pede que seja dada interpretação conforme a Constituição Federal ao artigo 29 da lei “para que se reconheça a necessidade de prévio certame licitatório para a outorga de novas autorizações para a prestação dos serviços de acesso condicionado”. O objetivo da associação é esclarecer que o artigo 29 não afasta a necessidade de licitação prévia para a outorga de autorização dos serviços de acesso condicionado.

A autora da ação ainda sustenta que a norma estabelece uma série de restrições e impedimentos à participação societária em empresas de telecomunicações de interesse coletivo, em concessionárias de radiodifusão sonora e de sons e imagens e em produtoras e programadoras com sede no Brasil. Aparentemente, conforme sustenta a NEOTV, o objetivo da medida seria evitar abuso de poder econômico mediante o controle, por um mesmo grupo, de entidades que atuam no ramo de TV por assinatura e na produção de conteúdo.

Mas a associação sustenta que não é “aceitável que o legislador ordinário estabeleça, de forma preventiva, determinadas restrições à participação societária e ao controle de empresas atuantes em certos segmentos econômicos”.

Por fim, pede que o STF defira medida liminar, pois “a demora no julgamento da ação direta traz um clima de extrema incerteza e de graves prejuízos ao mercado e aos próprios consumidores”. Com a liminar, a associação pretende suspender, até o julgamento do mérito, a eficácia dos dispositivos questionados da Lei 12.485/2011, especificamente os artigos 5º, caput, e parágrafo 1º; 6º, caput, I, II; e 37, parágrafos 1º, 5º, 6º, 7º e 11. O relator da ação é o ministro Luiz Fux.


Acompanhe a Cobertura Especial ABTA 2015 na seção Telecom

TV paga: Netflix é só um 'cabrito na sala'. Há outros 'bodes' que incomodam mais

"Se a TV paga morrer, os OTTs morrem abraçados". Essa foi a posição defendida por especialistas durante a ABTA. Executivos da TV paga admitem que a Netflix obrigou mudanças no relacionamento com o cliente. Cobrança do sinal da TV aberta incomoda e é pouco comentada.

Veja mais da cobertura especial da ABTA 2015

Na relação com o consumidor, setor de Telecom não pode brigar com a inovação

A superintendente de relação com o consumidor da Anatel, Elisa Leonel, disse que as teles não podem virar os 'taxistas da vez', citando o embate dessa categoria com o aplicativo. A executiva, que participou do 59º Painel Telebrasil, questionou ainda o pouco uso do big data como ferramenta de aproximação com o usuário.

Teles reclamam do pouco efeito prático da Lei das Antenas

“Ainda levamos de seis meses a um ano em algumas localidades para obter uma licença”, lamentou durante o Painel Telebrasil 2015 a diretora jurídica da Associação Brasileira para Infraestrutura para Telecomunicações, Anna Lucia de Souza.

Entidades vão à Justiça e lançam campanha 'Não calem o WhatsApp'

Em Representação à Procuradoria Geral da República é solicitada a instauração de inquérito civil para evitar prejuízos aos consumidores caso as teles venham a tentar barrar o serviço de voz em aplicativos.

Exército busca soluções tecnológicas nacionais em comunicações

“Os inimigos não estão às portas. Podemos esperar a maturidade da empresa nacional”, diz o vice-chefe de TICs do Exército, general Santos Guerra.


Veja edição 13 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 13

Em ritmo acelerado


Pesquisa inédita encomendada pela Abranet ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação mostrou a relevância do segmento de Internet, cujas empresas faturaram R$ 144,7 bilhões em 2014. No período de 2012 a 2014, foram gerados 51.180 novos postos de trabalho, um incremento de 17,5%.

Clique aqui para ver outras edições

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G