INTERNET

Teles cobram acordo que extinguiu metas de banda larga

Luís Osvaldo Grossmann ... 29/03/2012 ... Convergência Digital

Longe da avalanche de opiniões, estudos e sugestões com as quais as teles se defenderam da proposta inicial da Anatel – ainda em 2010 – de estabelecer metas relacionadas à banda larga, a consulta pública sobre o regulamento do Plano Geral de Metas de Universalização teve contribuições modestas da parte das empresas.

Em essência, as teles – com única exceção da TIM – querem que a agência simplesmente retire do regulamento os artigos relacionados ao backhaul – o pedaço das redes que conecta uma determinada área, normalmente uma cidade, à infraestrutura principal de transporte de dados.

O argumento é simples e repetido em diferentes contribuições das operadoras. “Não pode, a Anatel, por meio de um regulamento, imputar de forma unilateral novas obrigações às concessionárias (...) sem que o Decreto 7512/2011 tenha estabelecido qualquer nova obrigação relativamente ao backhaul.”

Justiça seja feita, com a devida tradução dos argumentos, o que as empresas querem é que a Anatel se lembre do acordo costurado ao longo de todo o primeiro semestre do ano passado, que levou a dois adiamentos na publicação do Decreto do PGMU.

Exatamente o acordo pelo qual o governo, representado pelo Ministério das Comunicações, mas ladeado pela Anatel, aceitou desistir das novas metas do backhaul em troca da oferta “voluntária” das operadoras de planos de acesso de 1 Mbps por R$ 35, apelidados de Banda Larga Popular.

Nesse sentido, a única surpresa (ou não) da consulta sobre o regulamento do PGMU é a tentativa feita pela Telefônica/Vivo de, além das metas, eliminar a referência ao backhaul como integrante das listas de bens reversíveis em poder das operadoras.


'Tudo sobre todos': bloqueio imposto pela justiça às teles pode virar 'jogo de gato e rato'

O bloqueio do site poderá levar dias para ser aplicado, admitiu o procurador do RN, Kleber Martins. Para o advogado Walter Capanema, a medida é correta técnicamente, mas pode virar um paliativo. Mas para o advogado Paulo Rená, a sentença não reconhece a escala global da Internet.

Google enfrenta Justiça e se recusa a globalizar 'direito de ser esquecido'

Empresa norte-americana adota eliminação seletiva de conteúdo e descumpre, segundo reguladores da França, a setença determinada em setença pelo Tribunal de Justiça Europeu, em maio passado. No Brasil, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/Rio) apresentou um projeto semelhante, mas ele não foi adiante.

Justiça diverge ao tipificar punição ao Facebook por conteúdo indevido

Sentenças no Brasil não têm tido uma mesma diretriz, especialmente, em tipificar possíveis danos morais por parte da rede social.

Governo da Índia indica que vai proibir Internet.org

Relatório ainda parcial do governo diz que “provedores de conteúdo ou aplicações não podem ser autorizados a atuar como ‘porteiros’ mesmo sob ostensivo propósito público”.

Revista Abranet 13 . Junho 2015
Veja edição 13 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet Pesquisa inédita encomendada pela Abranet ao IBPT mostrou a relevância do segmento de Internet, cujas empresas faturaram R$ 144,7 bilhões em 2014. No período de 2012 a 2014, foram gerados 51.180 novos postos de trabalho, um incremento de 17,5%.
Clique aqui para ver outras edições