Cloud ComputingConvergência Digital
Construção civil ganha aplicativo nacional na nuvem

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
Fabio Barros 04/04/2012

A Teclógica, empresa catarinense especializada em prestação de serviços de TI, está ampliando seus horizontes de atuação. A companhia anunciou esta semana, em São Paulo, o lançamento de seu primeiro aplicativo próprio, o Mobuss, solução de mobilidade corporativa específica para o mercado de construção civil, por enquanto.

De acordo com Luiz Carlos Mesquita, diretor comercial da Teclógica, o produto nasceu da especialização da companhia. “Temos uma fábrica de software e uma área de suporte que hoje atendem mais de 20 mil usuários na América Latina e muito do nosso trabalho envolve sistemas satélites aos ERPs e, destes, quase todos envolvem mobilidade”, explica.

Com a crescente convergência de equipamentos e o aumento da confiabilidade da tecnologia 3G, a empresa achou que era momento de ter um produto próprio. “O Mobuss é fruto de R$ 1,2 milhão de investimentos em desenvolvimento. Nosso primeiro desafio foi criar uma plataforma que desse ao usuário a mesma experiência, online ou off-line”, lembra Adriana Bombassaro Alexandre, diretora de produtos da Teclógica.

O foco na área de construção civil foi definido depois um trabalho conjunto realizado com a Fundação Dom Cabral, e que identificou o segmento como um dos mais carentes em termos de uso de TI, principalmente nos canteiros de obra. O resultado é um produto com foco no gerenciamento de equipes de campo e que hoje pode ser comprado nos módulos Apontamento de Produção, Controle de Materiais, Qualidade e Segurança.

Adriana explica que o produto nasce com integração nativa com os principais sistemas de gestão utilizados no setor, como o Proteus, da Totvs. “Nosso foco são construtoras de médio e grande porte”, diz. De acordo com o plano de negócios da empresa, os grandes clientes serão atendidos diretamente pela Teclógica e os pequenos e médios, por meio de parceiros.

Para adequar-se aos dois públicos, o Mobuss será comercializado nos modelos on-premise e SaaS (Software como serviço), hospedado em nuvens de parceiros. “O modelo SaaS vai permitir que ele seja usado por pequenas e médias construtoras e também pelo período em que durar a obra, independente do tamanho da construtora”, explica Mesquita.

A expectativa da Teclógica é que, este ano, o Mobuss represente R$ 4 milhões em vendas, o que significaria uma contribuição de 30% para o crescimento da companhia. “Nosso objetivo é fechar o ano com 47 projetos, a maioria deles no Sudeste e Nordeste, que é onde está a maior parte das construtoras”, diz Adriana.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

 Matérias relacionadas com o assunto aplicativos   Cloud Computing  

24/11/2014 às 15:03
Apps e IoT: qual é o papel da nuvem?

13/08/2014 às 17:13
Aplicativo usa nuvem para gestão de histórico médico

21/05/2014 às 10:30
Armazenamento é a aplicação mais procurada na nuvem brasileira

05/02/2014 às 16:50
Aplicativos em nuvem responderão por 91% do tráfego de dados no Brasil

27/01/2014 às 15:20
Na 'briga' com as OTTs, Vivo diz que dados no Brasil fazem a diferença

14/08/2013 às 14:13
Nuvem empurra aplicações para fora do mundo da TI

18/07/2013 às 15:25
Integração como Serviço vira peça-chave na nuvem

25/06/2013 às 15:55
Depois do BYOD, as corporações se deparam com o BYOA

28/11/2012 às 15:02
Brasil: aplicativos móveis e computação na nuvem em alta

28/05/2012 às 12:25
Por aplicativos, Microsoft patrocina startups em cloud

Opinião
Não caia na conversa do monitoramento de rede em nuvem
Por Dirk Paessler*


VídeosMais vídeos




Destaques

Fortaleza se transforma num hub de TI para a América Latina

Cidade será sede de dois projetos relevantes: o SACS, cabo submarino com 6 mil quilômetros e que ligará Luanda, em Angola, a capital cearense e o Monet, que tem Google e Algar Telecom como investidores.


ODF 1.2 é reconhecido pela ISO e vira padrão internacional

Modelo de software livre para aplicações de escritório é usada no governo brasileiro.


Quando a nuvem reprograma o DNA do mercado de TIC

O exército de programadores de baixo custo está perdendo vez. A hora é dos desenvolvedores capazes de atuar com analytics e big data. E aqui no Brasil, esses profissionais seguem escassos.


Chicago cria taxa sobre computação em nuvem e Brasil estuda fazer o mesmo

A terceira maior cidade dos Estados Unidos vai taxar serviços de streaming ou armazenamento de dados a partir de setembro. Por aqui, um projeto de lei tenta incluir a ‘nuvem’ nos serviços sujeitos ao ISS.


Serpro: custo do terabyte no Brasil inibe iniciativas de Big Data e Nuvem

Segundo o Assessor da Presidência da estatal, José Maria Leocádio, mercado está cobrando em torno de R$ 20 mil. "Esse custo tem que cair e bem", advertiu.


Copyright © 2005-2015 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.