Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Governo

Guerra do ICMS: Governo e Estados longe de um acordo

:: Ana Paula Lobo*
:: Convergência Digital :: 29/03/2012

A guerra do ICMS segue e não parece ter uma solução de consenso no curto prazo. Nesta quinta-feira, 29/03, o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD),apresentou ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, uma proposta alternativa ao acordo firmado entre governo e Senado sobre o ICMS para encerrar a batizada "guerra dos portos".

Ao invés da alíquota única de 4% para esta modalidade do ICMS, como o Governo quer, Colombo pediu que a alíquota atual, de 12%, fosse reduzida aos poucos, a partir de 2013, e terminasse em 6%. Solução, no entanto, foi rejeitada pelo ministro da Fazenda.

“Mantega aceitou discutir uma solução escalonada para a alíquota do ICMS, quer dizer, ela não cairia de 12% para 4% já em 2013, mas seria reduzida aos poucos. Mas ele não abriu mão de atingir 4%, algo que é muito danoso ao nosso Estado”, disse Colombo, ao deixar a reunião com Mantega, de acordo com reportagem do Valor Online.

“Nós [de Santa Catarina], diferente do Espírito Santo, temos uma indústria para defender. Importamos US$ 13 bilhões, mas exportamos também US$ 13 bilhões, e não podemos abrir mão, por exemplo, da importação de fios e tecidos, algo importante para nossa forte indústria têxtil”, afirmou Colombo. Os três Estados que sofrerão consequências caso os planos do governo Dilma Rousseff são Santa Catarina, Espírito Santo e Goiás.

O ministro da Fazenda, de acordo com o Valor Online, se mostrou favorável a atender compensações financeiras ao Estado, em troca da alíquota de 4% para o ICMS interestadual sobre importados, já a partir do ano que vem. Nas contas do governador Colombo, seu Estado perderia R$ 950 milhões em receita em 2013 caso fosse adotada a alíquota única de 4% do ICMS interestadual para importados. Para o governo, o incentivo dos estados é baseada em práticas predatórias para a economia nacional.

O incentivo dado pelos estados funciona como se a taxa de câmbio fosse mais baixa para o produto que entra pelo porto que oferece o benefício. Para exemplificar, Barbosa simulou um bem importado com alíquota de 18% (alíquota média praticada no Brasil) e crédito presumido de 75%.

Na simulação, a alíquota interestadual nominal é de 12%, mas na prática o bem paga apenas 3% (25% de 12%) no estado de entrada da importação e, no estado de destino, o bem paga 6%.
Já um bem nacional paga 12% de ICMS no estado de origem e 6% no estado de destino. Ou seja, a redução no ICMS diminui o preço do bem importado em 9%, o que funciona como uma taxa de câmbio menor: 1,80 x (1 - 9%) = 1,64.

Para o presidente da Abinee, Humberto Barbato, o Projeto de Resolução nº 72/2011, de autoria do Senador Romero Jucá, que fixa alíquotas do ICMS nas operações interestaduais para bens e mercadorias trazidas do exterior, deve ser analisado acima de interesses individuais e localizados, priorizando os interesses da nação brasileira. “Renda e empregos precisam ser gerados aqui e por isso incentivos fiscais deveriam contemplar a produção feita no País”, diz.

Ele afirma que o objetivo principal da indústria ao apoiar o projeto é eliminar a nefasta guerra dos portos, que oferta privilégios ao produto importado em detrimento do bem fabricado no País. “O fato é que o produto importado é presenteado com um benefício fiscal que não é oferecido ao produto nacional. O tratamento tributário mais favorável ao importado é não-isonômico, injusto, inconstitucional e, portanto, inaceitável”, completa Barbato.

*Com Valor Online e Agência Brasil

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 30/01/2015 13:55
Alô Serviços, MVNO ligada à Assembleia de Deus, vai operar no Brasil

:: 30/01/2015 11:00
TV paga: base cresce abaixo do esperado e inadimplência acende sinal amarelo

:: 28/01/2015 13:51
Marco Civil: "Más regulamentações podem estrangular bons textos", adverte o ministro da Justiça

:: 27/01/2015 17:00
Rio Negócios e Facebook selecionam startups cariocas para o FB Start

:: 27/01/2015 15:40
Data centers e serviços na nuvem são os alvos principais dos ataques DDoS

:: 26/01/2015 12:21
Documento 'ultrassecreto' levará 25 anos para chegar ao público

:: 26/01/2015 09:05
Crimes em TI: não negligencie a atualização dos software

:: 22/01/2015 18:37
Fim de linha para a fusão entre a Oi e a Portugal Telecom

:: 22/01/2015 12:44
TICs Brasil: crescimento desacelera, mas ainda será bem acima do PIB

:: 22/01/2015 12:02
eSocial: PMEs 'relaxam' com os adiamentos seguidos do Governo




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Dilma quer banco de fomento dos BRICs voltado à infraestrutura, inovação e C&T

PRÓXIMA
Porto Alegre deflagra grito de alerta contra desindustrialização



 ESPECIAL   ESPIONAGEM DIGITAL
Guerra cibernética: EUA querem empresas privadas no combate aos hackers

Entre as medidas propostas pelo presidente Barack Obama está o compartilhamento de informações 'em tempo real' entre o setor privado e o governo. Privacidade entre em questão mais uma vez.

» Espionagem: Comunicações do governo seguem vulneráveis
» Espionagem: ONU oficializa projeto que prevê a privacidade na Internet
» Snowden: Segurança Cibernética dos EUA coloca outros países em risco
Clique aqui para ver a cobertura completa


Documento 'ultrassecreto' levará 25 anos para chegar ao público

O portal Convergência Digital publica a íntegra da Portaria nº8 que também define o prazo de 15 anos para o governo liberar informações consideradas "secretas" e cinco anos para os assuntos "reservados". 


Dilma isenta small cells de pagar Fistel e veta preferência por equipamento nacional nas compras públicas

Foi sancionada a Lei 13.097/2015, que garante a prorrogação de incentivos fiscais da Lei do Bem até 2018 para tablets, notebooks e smartphones.


Compras públicas: Governo exige prova de conceito para vencedor de licitação

A SLTI, do Planejamento, publica a IN nº 2 que modifica modelo de compras em TI. As mudanças já estavam sendo desenhadas na gestão passada, conforme o Convergência Digital antecipou. Mas elas não tocam em um ponto polêmico: a unificação da margem de preferência para tecnologia nacional.


Câmara tira vantagem de produtos com tecnologia nacional em licitações

Conversão em Lei da Medida Provisória 656/14 ainda isenta de Fistel as estações radio base com potência de até 5 Watts – também chamadas de small cells. Medida desagrada parte do governo, conforme revelou especial sobre compras públicas feito pelo portal Convergência Digital.



Veja as coberturas especiais do Convergência Digital


Cobertura em vídeo do Convergência Digital


Veja a segunda edição da revista digital Alianza Latinoamericana de Medios TIC Alianza Latinoamericana
de Medios TIC . nº 2


Nesta segunda edição, tratamos de um tema que está na lista de prioridade dos gestores de TI: o BIG DATA

A Revista Alianza é fruto de uma aliança editorial entre os veículos InversorLatam, portal Convergência Digital e Evaluamos, da Colômbia. Nosso compromisso é retratar os pontos mais importantes de Telecom e TI na América Latina.

Clique aqui para ver outras edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!