GOVERNO

Guerra do ICMS: Governo e Estados longe de um acordo

Ana Paula Lobo* ... 29/03/2012 ... Convergência Digital

A guerra do ICMS segue e não parece ter uma solução de consenso no curto prazo. Nesta quinta-feira, 29/03, o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD),apresentou ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, uma proposta alternativa ao acordo firmado entre governo e Senado sobre o ICMS para encerrar a batizada "guerra dos portos".

Ao invés da alíquota única de 4% para esta modalidade do ICMS, como o Governo quer, Colombo pediu que a alíquota atual, de 12%, fosse reduzida aos poucos, a partir de 2013, e terminasse em 6%. Solução, no entanto, foi rejeitada pelo ministro da Fazenda.

“Mantega aceitou discutir uma solução escalonada para a alíquota do ICMS, quer dizer, ela não cairia de 12% para 4% já em 2013, mas seria reduzida aos poucos. Mas ele não abriu mão de atingir 4%, algo que é muito danoso ao nosso Estado”, disse Colombo, ao deixar a reunião com Mantega, de acordo com reportagem do Valor Online.

“Nós [de Santa Catarina], diferente do Espírito Santo, temos uma indústria para defender. Importamos US$ 13 bilhões, mas exportamos também US$ 13 bilhões, e não podemos abrir mão, por exemplo, da importação de fios e tecidos, algo importante para nossa forte indústria têxtil”, afirmou Colombo. Os três Estados que sofrerão consequências caso os planos do governo Dilma Rousseff são Santa Catarina, Espírito Santo e Goiás.

O ministro da Fazenda, de acordo com o Valor Online, se mostrou favorável a atender compensações financeiras ao Estado, em troca da alíquota de 4% para o ICMS interestadual sobre importados, já a partir do ano que vem. Nas contas do governador Colombo, seu Estado perderia R$ 950 milhões em receita em 2013 caso fosse adotada a alíquota única de 4% do ICMS interestadual para importados. Para o governo, o incentivo dos estados é baseada em práticas predatórias para a economia nacional.

O incentivo dado pelos estados funciona como se a taxa de câmbio fosse mais baixa para o produto que entra pelo porto que oferece o benefício. Para exemplificar, Barbosa simulou um bem importado com alíquota de 18% (alíquota média praticada no Brasil) e crédito presumido de 75%.

Na simulação, a alíquota interestadual nominal é de 12%, mas na prática o bem paga apenas 3% (25% de 12%) no estado de entrada da importação e, no estado de destino, o bem paga 6%.
Já um bem nacional paga 12% de ICMS no estado de origem e 6% no estado de destino. Ou seja, a redução no ICMS diminui o preço do bem importado em 9%, o que funciona como uma taxa de câmbio menor: 1,80 x (1 - 9%) = 1,64.

Para o presidente da Abinee, Humberto Barbato, o Projeto de Resolução nº 72/2011, de autoria do Senador Romero Jucá, que fixa alíquotas do ICMS nas operações interestaduais para bens e mercadorias trazidas do exterior, deve ser analisado acima de interesses individuais e localizados, priorizando os interesses da nação brasileira. “Renda e empregos precisam ser gerados aqui e por isso incentivos fiscais deveriam contemplar a produção feita no País”, diz.

Ele afirma que o objetivo principal da indústria ao apoiar o projeto é eliminar a nefasta guerra dos portos, que oferta privilégios ao produto importado em detrimento do bem fabricado no País. “O fato é que o produto importado é presenteado com um benefício fiscal que não é oferecido ao produto nacional. O tratamento tributário mais favorável ao importado é não-isonômico, injusto, inconstitucional e, portanto, inaceitável”, completa Barbato.

*Com Valor Online e Agência Brasil


ESPECIAL » ESPIONAGEM DIGITAL
Apple, Google e mais 140 pedem que Obama rejeite backdoors em smartphones

Carta subscrita por firmas de tecnologia, especialistas em segurança, entidades civis e ex-assessores do governo dos EUA sustenta ser impossível enfraquecer a criptografia apenas para boas intenções. O portal Convergência Digital disponibiliza  a íntegra do documento.


Clique aqui para ver a cobertura completa

Cai MP que destinava R$ 404 milhões para satélite da Telebras

Estatal confia, no entanto, que os recursos previstos no Orçamento de 2015 vão garantir a continuidade do projeto sem atrasos no cronograma.

Inclusão social ampliou demanda de serviços e papel da TI, diz Mazoni

Em discurso otimista, o presidente reconduzido do Serpro, Marcos Mazoni, tentou evitar menções ao aperto fiscal e listou avanços dos últimos oito anos.

Terceirização: Presidente do TST diz que do jeito que está, juízes terão 'muita dor de cabeça'

Antonio José de Barros Levenhagen deixou claro que o projeto aprovado na Câmara possui lacunas e não 'dará segurança jurídica às empresas'.

Berzoini cobra tratamento diferenciado no ajuste fiscal do governo

Diante dos prováveis cortes no Orçamento, ministro das Comunicações tenta garantir, pelo menos, compromissos com satélite e cabo submarino. 

Aberta consulta pública para definir novo padrão para assinaturas digitais

Contribuições podem ser dadas ao ITI - Instituto Nacional de Tecnologia da Informação -até o dia 07 de junho. O padrão utilizado hoje é o PAdES.



  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G