GOVERNO

Porto Alegre deflagra grito de alerta contra desindustrialização

Da redação ... 27/03/2012 ... Convergência Digital

Mais de oito mil empresários e trabalhadores ocuparam ruas de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, nesta terça-feira, 27/03, numa manifestação de empresários e trabalhadores de diversos setores da economia contra o processo de desindustrialização por que passa o país, e que já ameaça os empregos.

Protestando contra os estragos provocados pelos juros altos, pelo Real valorizado, pela alta carga tributária no país e pela invasão de produtos importados, sobretudo da China, os manifestantes partiram do Largo Glênio Peres e seguiram até o Palácio Piratini, onde uma comissão foi recebida pelo Governador do estado, Tarso Genro, que demonstrou apoio às demandas e o movimento.

O ato público contou com a participação do vice-diretor da Abinee no Rio Grande do Sul, Régis Sell Haubert, que acompanhou a manifestação, ao lado das lideranças empresariais e dos trabalhadores, participando do encaminhamento das reivindicações ao Governador e aos representantes Assembleia Legislativa do Estado, disse que o setor produtivo precisa de medidas efetivas e emergenciais que possam minimizar a invasão de produtos importados no mercado brasileiro, que impõe uma perda de competitividade ao país frente aos concorrentes internacionais.

A manifestação de Porto Alegre foi a primeira das seis já agendadas pelo movimento Grito de Alerta. O protesto vai se repetir nesta quarta-feira (28), em Florianópolis (SC), dia 3 de abril, em Curitiba (PR), dia 4 em São Paulo, dia 13, em Manaus, e dia 10 de maio, em Brasília. Presente ao ato no Palácio Piratini, o empresário Jorge Gerdau Johannpeter, que preside a Câmara de Gestão do governo federal, reforçou o coro dos contra a falta de competitividade da economia brasileira.

"A competitividade intramuros das empresas brasileiras é boa, mas no quadro geral três ou quatro temas são prioritários", disse. Para Gerdau, o país precisa de maiores investimentos em educação para aumentar a produtividade dos trabalhadores, de uma reforma tributária para eliminar os impostos em cascata, da redução dos juros e dos custos de logística.

Ele defendeu ainda o fim dos incentivos fiscais concedidos por alguns Estados às importações. "Não posso aceitar que os importados paguem menos impostos do que os produtos fabricados no Brasil", completou. Posição também defendida pelo presidente da Abinee, Humberto Barbato. “A indústria está cada fez mais frágil, o que já está refletindo na perda de postos de trabalho e na capacidade futura de desenvolvimento da nação”, alertou o executivo.


Cai MP que destinava R$ 404 milhões para satélite da Telebras

Estatal confia, no entanto, que os recursos previstos no Orçamento de 2015 vão garantir a continuidade do projeto sem atrasos no cronograma.

Inclusão social ampliou demanda de serviços e papel da TI, diz Mazoni

Em discurso otimista, o presidente reconduzido do Serpro, Marcos Mazoni, tentou evitar menções ao aperto fiscal e listou avanços dos últimos oito anos.

Terceirização: Presidente do TST diz que do jeito que está, juízes terão 'muita dor de cabeça'

Antonio José de Barros Levenhagen deixou claro que o projeto aprovado na Câmara possui lacunas e não 'dará segurança jurídica às empresas'.

Berzoini insiste na Telebras como parceira do setor privado

Na posse do novo presidente da estatal, Jorge Bittar, o ministro Ricardo Berzoini chegou a comparar a Telebras com a Petrobras das Comunicações, mas sempre “junta" com as empresas de telecomunicações.

Berzoini cobra tratamento diferenciado no ajuste fiscal do governo

Diante dos prováveis cortes no Orçamento, ministro das Comunicações tenta garantir, pelo menos, compromissos com satélite e cabo submarino. 



  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G