Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Segurança

Cybercrime: Empresas brasileiras são reativas e falham na prevenção ao risco

:: Convergência Digital
:: Convergência Digital :: 27/03/2012

Os riscos de fraudes na segurança de computadores ou redes empresariais vêm crescendo consideravelmente no Brasil e no mundo. O que antes era apenas um ato de vandalismo, com a sofisticação das fraudes pela internet, tornou-se um crime que preocupa as empresas e governos por trazer prejuízos enormes. Estas são algumas das conclusões do estudo que a Deloitte está lançando, o “Risk Intelligent governance in the age of cyber threats”. O estudo aborda o diálogo crucial no aumento da segurança das redes empresariais.

O levantamento constata que os ataques cibernéticos podem prejudicar um negócio de várias formas, desde a simples vandalização do site, chegando até ao desligamento de redes ou fraudes e roubo de propriedade intelectual. O impacto financeiro pode ser significativo: segundo o estudo da Ponemon Institute, os prejuízos podem chegar a US$ 5,9 milhões por ano, o que representa um aumento de 56% nos últimos anos.

O estudo diz ainda que para evitar os danos dos ataques cibernéticos é fundamental estar informado sobre as principais ameaças e quais os potenciais impactos para a organização. Além disso, é importante colocar esse risco no mesmo grau de importância dos riscos tradicionais das empresas. Também é crucial, sustenta o levantamento, envolver os principais executivos da empresa no processo de gerenciamento dos riscos cibernéticos.

No Brasil, com exceção da indústria financeira, a preparação da empresas ainda é muito reativa, ou seja, apenas depois da ocorrência de um evento considerável é que começam a se preocupar com medidas para evitar maiores impactos no advento de outros ataques. “O Brasil precisa ficar atento aos cibercrimes. É preciso ter uma gestão de riscos adequada. O ideal é se antecipar aos possíveis ataques por meio do conhecimento de seus potenciais invasores e das formas como eles agem. As empresas precisam investir de forma mais eficiente em ferramentas, pessoas e processos”, completou André Gargaro, sócio da área de Gestão de Riscos Empresariais da Deloitte.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 22/12/2014 16:33
Corporações se dizem desarmadas para enfrentar uma guerra cibernética

:: 22/12/2014 12:22
TIM vai ao CADE e consegue ingressar como interessada na compra da GVT pela Vivo/Telefônica

:: 18/12/2014 13:04
Smartphones 'engolem' os PCs e queda nas vendas é de 25%

:: 17/12/2014 18:16
Câmara tira vantagem de produtos com tecnologia nacional em licitações

:: 17/12/2014 14:34
Shellshock: mais de meio bilhão de servidores Linux seguem em risco

:: 17/12/2014 11:33
Com 4G à mesa, OMC questiona política industrial do Brasil

:: 17/12/2014 11:00
Com baixa infraestrutura digital, Brasil fica em 34º em ranking global

:: 16/12/2014 10:04
Compras governamentais: parte do Governo briga pela tecnologia nacional

:: 16/12/2014 10:03
2015 será mais um ano difícil para a Segurança da Informação

:: 16/12/2014 10:00
Governo tira estímulo ao software livre de norma sobre Segurança da Informação




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Rio adere ao programa Cidade Livre de Pirataria do Ministério da Justiça

PRÓXIMA
Apesar dos riscos com dados, TI ainda é secundária no Brasil




2015 será mais um ano difícil para a Segurança da Informação

Especialistas apontam que o comportamento do usuário será o grande diferencial para a redução dos ataques, pois a privacidade continuará sacrificada em nome dos aplicativos. Internet das Coisas e Big Data entram na lista das prioridades.


Governo tira estímulo ao software livre de norma sobre Segurança da Informação

Novo texto cria novos conceitos, como ‘custodiante da informação’ e amplia a exigência de criptografia com algoritmo de Estado.


Shellshock: Depois do Unix, malware mira ambientes Linux

Ataques além da plataforma Windows deverão crescer de forma significativa em 2015, revela previsão do MacAfee Labs. A Internet das Coisas e os dispositivos móveis vão vira alvos 'prediletos' dos cibercriminosos.


Dois trojans brasileiros estão no top três de ameaças ao sistema financeiro

Estudo do Kaspersky Lab revela que mais de 300 mil usuários foram afetados e colocam o país na liderança dos ataques, seguido da Rússia e da Alemanha. Roubo de carteiras biticoin aparecem na segunda posição. Vulnerabilidade no Oracle Java é uma das maneiras mais usadas para ataques.



FBI não gostou do iPhone 6: ele dificulta os serviços de espionagem
:: Por Wilians Geminiano*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



Veja a segunda edição da revista digital Alianza Latinoamericana de Medios TIC Alianza Latinoamericana
de Medios TIC . nº 2


Nesta segunda edição, tratamos de um tema que está na lista de prioridade dos gestores de TI: o BIG DATA

A Revista Alianza é fruto de uma aliança editorial entre os veículos InversorLatam, portal Convergência Digital e Evaluamos, da Colômbia. Nosso compromisso é retratar os pontos mais importantes de Telecom e TI na América Latina.

Clique aqui para ver outras edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!