Home - Convergência Digital

Aplicativos: Sem lei no Brasil, termo de uso é a única proteção do usuário

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo e Rodrigo dos Santos - 26/03/2012

Para o advogado e presidente do Conselho de Tecnologia da Informação da Fecomércio/São Paulo, Renato Opice Blum, falta clareza para a garantia dos direitos dos usuários de aplicativos móveis. Segundo Opice Blum, hoje, quem determina as regras do jogo é o desenvolvedor do aplicativo. E o especialista lembra: Não há aplicativo gratuito sem interesse em retorno financeiro.

"Não há jurisprudência que proteja os dados pessoais no caso dos aplicativos móveis", observou Renato Opice Blum, que no último dia 21, participou do debate Aplicativos X Privacidade, na Fecomércio/SP. E, hoje, o Termo de Uso - com suas longas páginas, a maioria tem mais de 40 - é a única proteção para o usuário. "Teria sido melhor se antes da explosão do consumo de aplicativos móveis, se tivesse uma regra transparente, mas infelizmente não temos", afirma Opice Blum.

"Hoje quem determina o norte das ações é o desenvolvedor de conteúdo. E temos que lembrar que apesar do aplicativo ser gratuito, há, sim, uma questão de remuneração para o desenvolvedor e há regras de uso. Só que, hoje, faltam modelos claros para definir as responsabilidades", acrescenta o advogado, especializado em Direito Eletrônico. Opice Blum.

Ele observa ainda que, hoje, as pessoas baixam aplicativos sem saber quais dados são coletados e para que serão usados. "Esse é um problema a ser enfrentado", adverte. Assista a palestra de Renato Opice Blum sobre privacidade de dados em aplicativos móveis.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/05/2015
Trello escolhe Brasil para iniciar operação fora dos EUA

22/05/2015
Uber quer conquistar corporações no Brasil

20/05/2015
Brasil precisa definir se educação é prioridade na cidade conectada

19/05/2015
Inglês trava a contratação de desenvolvedores para apps no Brasil

18/05/2015
Coreia do Sul obriga instalação de apps em celulares que monitoram adolescentes

15/05/2015
Internet das Coisas só vai escalar se for baseada em padrão aberto

14/05/2015
Jogos e apps móveis premiados pelo Minicom já estão disponíveis

12/05/2015
Sem big data, não há Internet das coisas

12/05/2015
Berzoini cobra tratamento diferenciado no ajuste fiscal do governo

07/05/2015
Lares inteligentes: Teles entram na briga por um mercado estimado em US$ 3 bi em 2020

Destaques
Destaques

Na América Latina, redes 4G são apenas 2,4% das conexões ativas

Para a GSMA, o ritmo de migração do 3G para o 4G está mais lento do que esperado e fica atrás da média mundial, que está em 8,4%. Das 683 milhões de conexões móveis na América Latina, apenas 16.392 milhões são 4G

Ferramentas móveis chegarão a 1/3 dos funcionários do Brasil

As vendas de tablets, smartphones e computadores vão responder por 45% dos investimentos em TI no país ao longo deste ano.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

CEO por que você não remodela o seu negócio em torno da Internet das Coisas?

Por Eduardo Prado *

No nordeste nós costumamos chamar de “cabra da peste” algumas figuras muito “destemidas” com a coragem a toda prova. Nós diríamos que um CEO de uma organização com a coragem de remodelar a sua Organização focando no negócio de Internet das Coisas (IoT = Internet of Things) é no mínimo ... um “cabra da peste” para valer!


Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site