Home - Convergência Digital

Aplicativos: Sem lei no Brasil, termo de uso é a única proteção do usuário

Convergência Digital - Carreira
:: Ana Paula Lobo e Rodrigo dos Santos - 26/03/2012

Para o advogado e presidente do Conselho de Tecnologia da Informação da Fecomércio/São Paulo, Renato Opice Blum, falta clareza para a garantia dos direitos dos usuários de aplicativos móveis. Segundo Opice Blum, hoje, quem determina as regras do jogo é o desenvolvedor do aplicativo. E o especialista lembra: Não há aplicativo gratuito sem interesse em retorno financeiro.

"Não há jurisprudência que proteja os dados pessoais no caso dos aplicativos móveis", observou Renato Opice Blum, que no último dia 21, participou do debate Aplicativos X Privacidade, na Fecomércio/SP. E, hoje, o Termo de Uso - com suas longas páginas, a maioria tem mais de 40 - é a única proteção para o usuário. "Teria sido melhor se antes da explosão do consumo de aplicativos móveis, se tivesse uma regra transparente, mas infelizmente não temos", afirma Opice Blum.

"Hoje quem determina o norte das ações é o desenvolvedor de conteúdo. E temos que lembrar que apesar do aplicativo ser gratuito, há, sim, uma questão de remuneração para o desenvolvedor e há regras de uso. Só que, hoje, faltam modelos claros para definir as responsabilidades", acrescenta o advogado, especializado em Direito Eletrônico. Opice Blum.

Ele observa ainda que, hoje, as pessoas baixam aplicativos sem saber quais dados são coletados e para que serão usados. "Esse é um problema a ser enfrentado", adverte. Assista a palestra de Renato Opice Blum sobre privacidade de dados em aplicativos móveis.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 

LEIA TAMBÉM:

16/04/2014
Provedores deveriam ficar fora da obrigação do SCM

16/04/2014
UOL Host capacita parceiros para avançar nas PMEs

11/04/2014
Gestores da Internet BR ativam plano especial para a Copa 2014

10/04/2014
No Brasil, Whatsapp chega a 74% dos usuários de celulares

08/04/2014
Qualcomm lança chip para 4K

03/04/2014
Anatel se divide sobre uso da faixa 1,8 GHz nas metas do 4G

03/04/2014
Anatel abre consulta para fundir ‘rádio’ à telefonia móvel

03/04/2014
Apps móveis: Portugal mira negócios no Brasil

31/03/2014
Mobilidade: salários estão chegando a R$ 12 mil

27/03/2014
Anatel não medirá forças com o Comitê Gestor na neutralidade, sustenta Marcelo Bechara

Destaques
Destaques

700 MHz: Para TVs, custo da transição será ‘surpreendente’

Emissoras voltam a pedir que a venda da faixa obedeça os critérios: primeiro os testes, o cuidado com a mitigação de interferências e, só então, o edital. Segundo a Abert, o valor envolvido é grande demais para um tratamento pouco cuidadoso - algo em torno de R$ 6 bilhões.

Roteadores Wi-Fi terão mais espectro nos EUA

FCC ampliou em 100 MHz a capacidade disponível na faixa não licenciada dos 5 GHz utilizada, junto da faixa de 2,4 GHz.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mobile Wallet: você já tem a sua?

:: Por Cristiane Higashi*

Caberá ao varejo, as operadoras e as grandes empresas do consumo o papel de massificar o uso da carteira móvel no país. E fica uma certeza: quem não entrar nessa disputa, será ultrapassado pela concorrência.


Copyright © 2014 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site