TELECOM

Vivo e TIM se distanciam de Claro e Oi no mercado móvel

Ana Paula Lobo* ... 26/03/2012 ... Convergência Digital

O mercado móvel brasileiro apresenta uma tendência de alta nos primeiros meses de 2012. Dados da Anatel revelam que o país terminou fevereiro com 247,6 milhões de celulares. As adições líquidas do mês (2,44 milhões) superaram em pouco às de fevereiro do ano passado (2,42 milhões).

No embate pela liderança do market share nacional, os números mostram que Vivo e TIM se distanciam das rivais Claro e Oi. As duas operadoras se alternam na disputa pela liderança das adições líquidas nos últimos trimestres, enquanto a Claro apresenta uma performance baixa e se aproxima da Oi, que está na lanterna.

O mercado pré-pago, grande responsável pela base de celulares ativos das teles, mobiliza essa briga de Vivo e TIM. A Vivo fechou 2011, com 27,38% e, em fevereiro, registrava 28,38%. A TIM, por sua vez, fechou 2011, com 27,64% e, em fevereiro, somou 27,82%.

Já no mercado pós-pago, a performance da Claro, que ocupa a segunda posição - ficando atrás da Vivo, que tem 36,51% - aponta uma tendência de baixa - terminou 2011 com 28,75% e, em fevereiro, registrou 28,52%. Nessa modalidade, a Oi tenta reagir: em 2011, fechou com 12,95% e, em fevereiro, somou 13,17%.

Os dados sobre o mercado de telefonia móvel, publicados pelo portal Teleco, nesta segunda-feira, 26/03, a partir dos números da Anatel, mostram que o mercado pré-pago segue como crucial para a receita financeira das operadoras. A Oi é a empresa que mais depende do mercado pré-pago, com 87,15% e, em fevereiro, viu a adesão ao modelo cair para 19,76%. A TIM fica na segunda posição com 85,58%. Em fevereiro, registrou uma leve alta nas adesões: terminou 2011 com 27,64% e, em fevereiro, chegou a 27,82%.

A Vivo aparece na terceira posição com 77,85% da base no pré-pago. A empresa também ampliou, este ano, as adesões na modalidade - terminou 2011 com 27,38% e, em fevereiro, registrou 28,38%. A Claro registra 79,06% da sua base no pré-pago - é a que tem, dentro dos números, menor dependência, mas os números de fevereiro mostram que as adesões à tele registram tendência de baixa no pós-pago - terminou 2011 com 28,72% e, em fevereiro, tinha 28,52% e no pré-pago, em 2011, registrou 24,08% e, em fevereiro, 23,81%.

A Oi, que tem no pré-pago grande parte da sua base, em fevereiro, registrou queda em relação ao final de 2011, 19,76% contra 20,07%. No pós-pago, no entanto, a tele mostrou uma reação. Tinha 12,95% ao final do ano passado, e, em fevereiro, ficou com 13,17%, margem ainda muito distante da rival TIM, que fechou, em fevereiro, com 21,20% - tinha, 21,12%, em dezembro de 2011.

Nas adições líquidas, o embate entre Vivo e TIM se revela. A Vivo, em fevereiro, contabilizou 1032 milhão de novas adições. A TIM fechou o mês com 791 mil. E a distância delas para as rivais Claro e Oi é grande: A Claro somou 305 mil novas adições e a Oi, 310 mil. De acordo com o Teleco, Vivo e TIM acumularam 7,7 milhões de celulares nos últimos seis meses, enquanto Claro e Oi acumularam 4,3 e 3,9 milhões respectivamente neste período.

*Com dados do portal Teleco (www.teleco.com.br)


Acompanhe a Cobertura Especial ABTA 2015 na seção Telecom

TV paga: Netflix é só um 'cabrito na sala'. Há outros 'bodes' que incomodam mais

"Se a TV paga morrer, os OTTs morrem abraçados". Essa foi a posição defendida por especialistas durante a ABTA. Executivos da TV paga admitem que a Netflix obrigou mudanças no relacionamento com o cliente. Cobrança do sinal da TV aberta incomoda e é pouco comentada.

Veja mais da cobertura especial da ABTA 2015

Comissão aprova projeto que obriga Anatel a direcionar TACs para áreas pobres

PL 6791/13 insere na Lei Geral de Telecomunicações a possibilidade de troca de multas por investimentos, mas exige preferência às áreas de baixo Índice de Desenvolvimento Humano.

Na relação com o consumidor, setor de Telecom não pode brigar com a inovação

A superintendente de relação com o consumidor da Anatel, Elisa Leonel, disse que as teles não podem virar os 'taxistas da vez', citando o embate dessa categoria com o aplicativo. A executiva, que participou do 59º Painel Telebrasil, questionou ainda o pouco uso do big data como ferramenta de aproximação com o usuário.

Teles reclamam do pouco efeito prático da Lei das Antenas

“Ainda levamos de seis meses a um ano em algumas localidades para obter uma licença”, lamentou durante o Painel Telebrasil 2015 a diretora jurídica da Associação Brasileira para Infraestrutura para Telecomunicações, Anna Lucia de Souza.

Entidades vão à Justiça e lançam campanha 'Não calem o WhatsApp'

Em Representação à Procuradoria Geral da República é solicitada a instauração de inquérito civil para evitar prejuízos aos consumidores caso as teles venham a tentar barrar o serviço de voz em aplicativos.


Veja edição 13 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 13

Em ritmo acelerado


Pesquisa inédita encomendada pela Abranet ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação mostrou a relevância do segmento de Internet, cujas empresas faturaram R$ 144,7 bilhões em 2014. No período de 2012 a 2014, foram gerados 51.180 novos postos de trabalho, um incremento de 17,5%.

Clique aqui para ver outras edições

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G