INTERNET

Telebras e Angola Cables assinam acordo para conexão entre Brasil e África

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/03/2012 ... Convergência Digital

Brasil e Angola formalizaram nesta sexta-feira, 23/3, o primeiro passo dos investimentos conjuntos para a implantação de um cabo submarino entre Fortaleza-CE e Luanda. O projeto será tocado pela Telebras e o consórcio angolano Angola Cables, e tem conclusão estimada até o primeiro semestre de 2014.

“Nossa ideia é que a licitação internacional [para implantação do cabo submarino] seja em julho. O prazo estimado é de 18 meses, então se começarmos a construir no segundo semestre deste ano, estará operacional no primeiro semestre de 2014”, explicou o presidente da Telebras, Caio Bonilha.

Nem Bonilha, nem o presidente da Angola Cables, António Nunes, quiseram confirmar o tamanho do investimento – tampouco qual será a participação de cada um. Os desenhos que a Telebras vem fazendo para todo o projeto, no entanto, relacionam o aporte com a demanda por tráfego de cada parceiro.

Primeiros estudos, apresentados pelos angolanos no início de 2011, indicavam um custo de US$ 140 milhões apenas em componentes tecnológicos envolvidos nos 6 mil km de cabos ópticos – com o valor total entre US$ 150 milhões (R$ 275 milhões) e US$ 200 milhões (R$ 360 milhões).

O acerto com a Angola Cables – um consórcio liderado pela estatal Angola Telecom, com parceiros privados – envolve participação nas outras “pernas” projeto de cabos submarinos da Telebras – que de Fortaleza terá saídas para os Estados Unidos, Europa e África.

“Será o primeiro cabo no Atlântico a ligar a África à América do Sul. É evidentemente estratégico e terá uma grande demanda”, afirmou Nunes. A projeção é de que essa rota direta – hoje as comunicações entre os dois países fazem escala na Europa – reduzirá em 80% o custo com o transporte de dados.

Também estratégico no projeto conjunto é o potencial de escoar pela nova rota de fibras ópticas parte do tráfego da Ásia, como alternativa aos trechos que ligam a Índia à Europa pelo Canal de Suez, no Egito, e pela rota que já contorna o oeste da África.


ESPECIAL » GOVERNANÇA DA INTERNET
EUA e aliados rejeitam proposta brasileira de proteção à privacidade

Em entrevista ao portal da Abranet, que o Convergência Digital republica, Thiago Tavares, um dos conselheiros do CGI e que esteve presente à PP-14 de 29/10 a 7/11, realizada em Busan, na Coréia do Sul, diz que há discussões graves para serem tocadas em 2015. Entre elas, uma proposta- rejeitada - da Índia, mas que pode colocar em risco à Internet.


Clique aqui para ver a cobertura completa

STM exige a quebra de sigilo do WhatsApp para apurar morte no RS

O Plenário do Superior Tribunal Militar, no Rio Grande do Sul, determinou que o Facebook, dono do OTT, forneça o registro de uso de conta vinculada a um soldado. Medida é polêmica e envolve a questão da privacidade de dados.

Indústria de copyright quer bloqueio a sites como exceção à neutralidade de rede

Hollywood e distribuidores de jogos eletrônicos querem impedir acesso a conteúdos de sites que supostamente violam direitos autorais mesmo fora do país.

Para Abranet e Proteste, Anatel tenta misturar telecom com Internet

Entidades sustentam que a agência reguladora promove equivocada ideia de irrelevância do Serviço de Conexão à Internet ou de incorporação deste serviço ao serviço de telecomunicações

Marcas de luxo processam Alibaba por venda de ‘piratas’

Pela segunda vez, dona de grifes como Gucci e Yves Saint Laurent aciona o maior grupo de comércio eletrônico da China sob alegação de facilitação da venda de produtos falsificados.

Direito ao esquecimento: Um ano depois, Google apagou 322 mil resultados de buscas

Maior motor de busca da Internet diz que atendeu a 41% dos pedidos realizados. Decisão foi imposta pela Corte de Justiça da União Europeia.


Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G