Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Anatel aprova regulamento do Seac

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 22/03/2012

A Anatel aprovou nesta quinta-feira, 22/3, o regulamento do Serviço de Acesso Condicionado, previsto na nova legislação sobre TV por assinatura, que cria cotas de programação nacional e abre esse mercado às concessionárias de telefonia. Para começar a valer, no entanto, ainda falta a regulamentação sobre conteúdo, que cabe à Ancine.

Em essência, o regulamento trata da adaptação das licenças já existentes - separadas por tecnologia, como TV a cabo, DTH ou MMDS – ao regramento unificado. Também cuida de um ponto importante da aplicação da lei, que é o carregamento dos canais obrigatórios, inclusive os da TV aberta, com as exceções nos casos de inviabilidade técnica ou econômica, que precisam ser devidamente comprovadas.

O relator da versão final do texto, Rodrigo Zerbone, propôs algumas inovações, acatadas pelo Conselho Diretor. Entre elas, a possibilidade de ofertas especiais do serviço com algum tipo de elegibilidade – por exemplo, aos brasileiros que estão no cadastro único dos programas sociais.

No caso dos canais obrigatórios, a Anatel prevê no regulamento a possibilidade de compartilhamento de custos de transmissão ou, ainda, de cobrança para a veiculação dentro dos pacotes – ainda que se trate de uma transmissão compulsória.

A agência decidiu, no entanto, deixar para um regulamento específico a discussão do tratamento a ser dado para os casos de multiprogramação – que por exclusiva dos canais públicos também envolve must-carry – e ainda aqueles relativos ao uso da interatividade.

Apenas dois pontos provocaram alguma discussão entre os conselheiros. O primeiro por conta de uma proposta do relator, aprovada, de que apenas obrigações já vencidas serão mantidas pelas empresas quando migrarem das licenças atuais para o Seac. Aquelas ainda por vencer deixarão de ser cobradas com a adaptação.

O argumento do relator, que prevaleceu, foi que grande parte das operadoras não tinha obrigações e das que tinham, a maioria, em especial as grandes, já cumpriu. Para Zerbone, o efeito prático será sentido principalmente por pequenas prestadoras de TV paga, que ficarão com mais liberdade de atuação.

“O problema é que estamos abrindo esse mercado para entrada de grandes competidores, as concessionárias de STFC, e elas entrarão no mercado sem qualquer obrigação de cobertura podendo atuar somente em áreas de maior rentabilidade”, argumentou. “Combinado com as obrigações das pequenas que hoje estão no mercado, de atuar em áreas de menor atratividade econômica, certamente será destruidor para essas empresas.”

Outro debate se deu sobre o conceito de rede nacional de televisão, que acabou excluído do texto final. Ponto também relacionado com os canais obrigatórios, visto ser compulsório o carregamento de geradoras locais – e como eleger os mais representativos no caso da impossibilidade de transmissão de todos (existem mais de 450 geradoras locais no país).

Nesse caso, o Conselho optou pelo critério que se uma prestadora carregar uma geradora local com alcance de um terço da população (cerca de 65 milhões de brasileiros) e abrangência nas cinco regiões, fica obrigada a carregar as outras com as mesmas características.

Além do regulamento da Ancine – que a agência prevê somente para o próximo mês – resta o processo de adaptação das licenças ou mesmo da emissão de novas outorgas de TV paga, que podem levar até seis meses após apresentados os pedidos.

Vejam como foi a sessão do Seac na CDTV do portal Convergência Digital, com imagens cedidas pela Anatel.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 28/11/2014 09:14
Anatel medirá o impacto do VoIP e outras tecnologias na telefonia fixa

:: 27/11/2014 13:22
Parlamento Europeu aprova pedido para dividir negócios do Google

:: 26/11/2014 16:15
Bens reversíveis: Teles não querem devolver redes ao fim das concessões

:: 26/11/2014 15:03
Anatel quer menos orelhões do que antes da privatização do setor

:: 26/11/2014 12:26
Internet deve ser direito humano básico

:: 26/11/2014 11:36
Twitter desafia Facebook e diz que não é uma rede social

:: 25/11/2014 16:47
Brasil vira alvo na guerra fria pelo comando da Internet

:: 25/11/2014 15:33
Netflix expande pontos de presença para reduzir latência no Brasil

:: 25/11/2014 14:45
Teles investirão US$ 193 bi e respondem por 4,5% do PIB na AL

:: 24/11/2014 15:22
Operação TooHash:Spyware usa Microsoft Office para atacar empresas




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
TV digital: Angola quer definir padrão ainda em 2012

PRÓXIMA
DirectTV escolhe Argentina para produzir conversores DTH



Veja edição 11 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 11

Na discussão sobre o que vai prevalecer — fibra óptica ou rádio — na construção das infraestruturas, vence quem souber explorar o que cada tecnologia tem de melhor a oferecer.

Veja também: Cidades Digitais: Governo convoca provedores; A transição da IANA foi destaque no ICANN#51; Billing das coisas: quando cobrar certo será o diferencial; e muito mais.

Clique aqui para ver outras edições

58 Painel Telebrasil 2014
Por um Brasil Digital, teles pedem adoção de medidas urgentes

O Brasil pode chegar em 2018 entre as 30 economias mais competitivas do mundo, mas para isso precisa implantar uma série de ações num curto prazo de tempo, pontua estudo da LCA Consultores.

CDTV Anatel e teles debatem 'mão pesada' na regulação do setor
CDTV "Estamos na idade de pedra no uso de aplicativos", diz o presidente da Vivo
CDTV Indústria de aplicativos vira alvo da política de TICs da Colômbia
Clique aqui e veja a cobertura completa do evento


Anatel medirá o impacto do VoIP e outras tecnologias na telefonia fixa
:: 28/11/2014 :: Telecom

A agência reguladora, pressionada pelo TCU, discute,há anos, como melhorar a análise do equilíbrio econômico financeiro dos contratos de concessão da telefonia fixa.


Bens reversíveis: Teles não querem devolver redes ao fim das concessões
:: 26/11/2014 :: Telecom

Infraestrutura associada às operações de telefonia fixa devem retornar à União ao fim das concessões, em 2025. Mas as operadoras alegam que na mesma rede são prestados outros serviços, em regime privado. Anatel, que concorda com a tese das empresas, já admite até discutir a devolução das redes de cobre, até aqui “100% reversíveis”.


Anatel quer menos orelhões do que antes da privatização do setor
:: 26/11/2014 :: Telecom

Corte pevisto pela agência levará número de aparelhos para 302 mil - menos que os 366 mil existentes em 1995, ainda sob o sistema Telebrás.


Teles investirão US$ 193 bi e respondem por 4,5% do PIB na AL
:: 25/11/2014 :: Telecom

Crescimento projetado para o tráfego de dados móveis na região é de 66% até 2018. Redes 4G vão dominar os recursos em infraestruturas. Mas teles terão de fazer um dever de caso: a receita vai enxugar dos 7% registrados nos últimos cinco anos, para 2%, até 2020.




Itaú adota P2P em app para envio de dinheiro

Aplicativo funciona em modelo semelhante ao dos comunicadores instantâneos de mensagens e é gratuito para correntista do banco.

» Redes 2G respondem por 60% das conexões móveis na América Latina


A TV está morrendo!
:: Por Eduardo Prado

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital






Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!