Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Anatel aprova regulamento do Seac

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 22/03/2012

A Anatel aprovou nesta quinta-feira, 22/3, o regulamento do Serviço de Acesso Condicionado, previsto na nova legislação sobre TV por assinatura, que cria cotas de programação nacional e abre esse mercado às concessionárias de telefonia. Para começar a valer, no entanto, ainda falta a regulamentação sobre conteúdo, que cabe à Ancine.

Em essência, o regulamento trata da adaptação das licenças já existentes - separadas por tecnologia, como TV a cabo, DTH ou MMDS – ao regramento unificado. Também cuida de um ponto importante da aplicação da lei, que é o carregamento dos canais obrigatórios, inclusive os da TV aberta, com as exceções nos casos de inviabilidade técnica ou econômica, que precisam ser devidamente comprovadas.

O relator da versão final do texto, Rodrigo Zerbone, propôs algumas inovações, acatadas pelo Conselho Diretor. Entre elas, a possibilidade de ofertas especiais do serviço com algum tipo de elegibilidade – por exemplo, aos brasileiros que estão no cadastro único dos programas sociais.

No caso dos canais obrigatórios, a Anatel prevê no regulamento a possibilidade de compartilhamento de custos de transmissão ou, ainda, de cobrança para a veiculação dentro dos pacotes – ainda que se trate de uma transmissão compulsória.

A agência decidiu, no entanto, deixar para um regulamento específico a discussão do tratamento a ser dado para os casos de multiprogramação – que por exclusiva dos canais públicos também envolve must-carry – e ainda aqueles relativos ao uso da interatividade.

Apenas dois pontos provocaram alguma discussão entre os conselheiros. O primeiro por conta de uma proposta do relator, aprovada, de que apenas obrigações já vencidas serão mantidas pelas empresas quando migrarem das licenças atuais para o Seac. Aquelas ainda por vencer deixarão de ser cobradas com a adaptação.

O argumento do relator, que prevaleceu, foi que grande parte das operadoras não tinha obrigações e das que tinham, a maioria, em especial as grandes, já cumpriu. Para Zerbone, o efeito prático será sentido principalmente por pequenas prestadoras de TV paga, que ficarão com mais liberdade de atuação.

“O problema é que estamos abrindo esse mercado para entrada de grandes competidores, as concessionárias de STFC, e elas entrarão no mercado sem qualquer obrigação de cobertura podendo atuar somente em áreas de maior rentabilidade”, argumentou. “Combinado com as obrigações das pequenas que hoje estão no mercado, de atuar em áreas de menor atratividade econômica, certamente será destruidor para essas empresas.”

Outro debate se deu sobre o conceito de rede nacional de televisão, que acabou excluído do texto final. Ponto também relacionado com os canais obrigatórios, visto ser compulsório o carregamento de geradoras locais – e como eleger os mais representativos no caso da impossibilidade de transmissão de todos (existem mais de 450 geradoras locais no país).

Nesse caso, o Conselho optou pelo critério que se uma prestadora carregar uma geradora local com alcance de um terço da população (cerca de 65 milhões de brasileiros) e abrangência nas cinco regiões, fica obrigada a carregar as outras com as mesmas características.

Além do regulamento da Ancine – que a agência prevê somente para o próximo mês – resta o processo de adaptação das licenças ou mesmo da emissão de novas outorgas de TV paga, que podem levar até seis meses após apresentados os pedidos.

Vejam como foi a sessão do Seac na CDTV do portal Convergência Digital, com imagens cedidas pela Anatel.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 18/12/2014 13:04
Smartphones 'engolem' os PCs e queda nas vendas é de 25%

:: 17/12/2014 18:16
Câmara tira vantagem de produtos com tecnologia nacional em licitações

:: 17/12/2014 16:51
TV pirata: AZ Box teria 'apagado' sua atuação na América Latina

:: 17/12/2014 11:33
Com 4G à mesa, OMC questiona política industrial do Brasil

:: 17/12/2014 11:00
Com baixa infraestrutura digital, Brasil fica em 34º em ranking global

:: 16/12/2014 10:04
Compras governamentais: parte do Governo briga pela tecnologia nacional

:: 16/12/2014 10:03
2015 será mais um ano difícil para a Segurança da Informação

:: 16/12/2014 10:00
Governo tira estímulo ao software livre de norma sobre Segurança da Informação

:: 15/12/2014 16:20
Maioria dos brasileiros rejeita pagar por aplicativo na Internet

:: 15/12/2014 13:33
eSocial: Governo publica decreto que oficializa novo regime




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
TV digital: Angola quer definir padrão ainda em 2012

PRÓXIMA
DirectTV escolhe Argentina para produzir conversores DTH



VII Seminário TelComp 2014 - Cobertura especial do Convergência Digital
Banco Mundial: Empresas brasileiras estão atrasadas no uso das TICs

Instituição está fazendo um estudo global para avaliar o impacto da economia digital, que será conhecido no 2º semestre de 2015. Mas já dados coletados. Entre eles, um significativo: As mulheres são as grandes beneficiadas pelo maior uso das TICs
CDTV Banda larga: Teles erram e Anatel fala em controle de danos
CDTV TelComp: Precisamos criar uma nova GVT no Brasil
Clique aqui e veja a cobertura completa do evento


Calendário inviabiliza 4G em 700 MHz para Olimpíadas no Rio de Janeiro

O próprio desligamento dos sinais analógicos só vai se dar – se tudo correr muito bem – três meses depois dos Jogos Olímpicos. E resta a tarefa gigantesca de garantir que 93% dos domicílios da segunda maior cidade do país sejam capazes de receber os sinais da TV Digital.

» TIM quer ter o 4G em 700 MHz em serviço nas Olimpíadas 2016

Com contrato exclusivo com WhatsApp, TIM não fecha portas para outros OTTs

"Nós enxergamos nos OTTs uma maneira de ganhar mais acesso. Não estamos pagando para o WhatsApp, nem eles para nós", disse Rodrigo Abreu, presidente da TIM Brasil.


Uso dos postes: Anatel dá prazo às teles fixas para adaptação ao preço de R$ 3,19

Conforme o portal Convergência Digital antecipou, a Anatel aprovou, após um ano e meio de consulta pública, o regulamento de compartilhamento de postes de energia elétrica. Nova regra mexe especialmente com a Oi, Telefônica e Embratel.


Conselho da Oi aprova venda da PT por 7,4 bilhões de euros à francesa Altice

Decisão foi tomada na noite desta segunda-feira, 08/12, e comunicada à Comissão de Valores Mobiliários. Oi diz que negócio permitirá que a tele fique como protagonista na consolidação do mercado nacional.




Vivo começa a vender relógios inteligentes

Dispositivos rodam Android e são conectados aos smartphones por bluetooth.

» Governo recebe R$ 5 bi e diz que 700 MHz “saiu barato”


A TV está morrendo!
:: Por Eduardo Prado

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



Veja edição 11 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 11

Na discussão sobre o que vai prevalecer — fibra óptica ou rádio — na construção das infraestruturas, vence quem souber explorar o que cada tecnologia tem de melhor a oferecer.

Veja também: Cidades Digitais: Governo convoca provedores; A transição da IANA foi destaque no ICANN#51; Billing das coisas: quando cobrar certo será o diferencial; e muito mais.

Clique aqui para ver outras edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!