Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Internet

Banda larga: Sob pressão, Anatel diz que medição está indefinida

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 22/03/2012

Apesar da qualidade do debate realizado pelo Senado Federal sobre a medição da qualidade da banda larga, Anatel, operadoras e a empresa que será responsável pela fiscalização evitaram tratar da principal crítica ao modelo proposto: a fragilidade de uma medição feita somente dentro da rede das prestadoras. Mas a insistência do NIC.br de que essa é uma questão chave no sistema já produziu um efeito: no debate na Comissão de Ciência e Tecnologia, a Anatel alegou que o conceito exposto na seleção da aferidora pode mudar. “O modelo será construído até outubro. O ponto de medição está em discussão”, afirmou o superintendente de Serviços Privados da Anatel – e coordenador do grupo de implementação da qualidade – Bruno Ramos. Como destacou logo de início o conselheiro do Comitê Gestor da Internet e diretor-presidente do NIC.br, Demi Getschko, “é essencial que a medição seja feita em um ponto fora da rede da operadora”. “As medições sempre foram feitas no PTT em um equipamento diferente da rede da operadora. Senão, ficamos sujeitos a resultados que podem ser mascarados”, emendou o diretor de desenvolvimento do NIC.br, Milton Kashiwakura. O debate, no entanto, centrou-se principalmente em dois pontos: o entendimento de que a Anatel, e não as operadoras, é quem deveria financiar a Entidade Aferidora da Qualidade; e o consequente impacto na legitimidade dos resultados. “Como é possível uma empresa, que tem relações de mercado com quem deve fiscalizar, garantir a neutralidade?”, questionou o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), autor do requerimento para a audiência pública. Segundo ele, ao arrecadar cerca de R$ 4 bilhões por ano apenas no Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel), a Anatel deveria ela mesma custear a medição da qualidade. Desenho Quando a Anatel definiu as normas sobre a medição da qualidade, estabeleceu que ela se daria “do terminal do assinante ao PTT”, considerado um ponto “entre redes de transporte de diferentes prestadoras”. Era outubro de 2011. Em fevereiro de 2012, uma comissão formada pelas principais operadoras, coordenada pela agência, redefiniu aquele conceito, determinando que “os pontos de medição serão pontos de presença na rede da prestadora”. A mudança, agora tratada como não-definitiva, está em linha com a principal reivindicação das empresas. Afinal, o título da primeira manifestação do Sinditelebrasil, em agosto de 2011, já indicava: Modelo de medição da qualidade dos serviços de banda larga deve se restringir às redes das prestadoras.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 17/12/2014 10:00
Uso dos postes: adequação pode variar entre seis meses a um ano

:: 02/12/2014 15:45
Senado quer regime público e R$ 6 bi por ano para universalizar banda larga

:: 02/12/2014 11:11
Comissão do Senado aprova limite de 10% no ICMS da banda larga fixa

:: 28/11/2014 16:15
Telefônica aprova projeto de R$ 1,8 bilhão em redes 3G e 4G no REPNBL

:: 28/11/2014 12:41
Para a Anatel, corte de serviço ao fim da franquia vai chegar à banda larga fixa

:: 24/11/2014 13:51
Streaming desafia Globo.com para as Olimpíadas 2016

:: 19/11/2014 17:22
Banda larga: Novo prazo para o REPNBL estimulará investimentos de mais R$ 15 bilhões

:: 13/11/2014 12:51
Banda larga: Sky reforça atuação no interior de São Paulo

:: 12/11/2014 12:11
Minicom promete leilão para universalização da banda larga em 2015

:: 12/11/2014 10:20
Governo pressiona pela redução do ICMS na banda larga fixa




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Para NIC.br, seleção de empresa para medir Internet foi direcionada

PRÓXIMA
PF prende dois acusados de campanha discriminatória na Internet



Abranet 2014 - Desafios e Oportunidades: Profissionais de Internet

IPv6: Quanto mais demorar, mais cara a migração vai ficar

Essa foi a avaliação feita pelo presidente da Associação Brasileira da Internet - Abranet, Eduardo Nejer, que defende que o assunto seja tratado como prioridade máxima nos próximos meses no Brasil.

CDTV Abranet apela ao associado para responder pesquisa TIC Provedores
CDTV Brasil quer fazer um cadastro nacional de provedores Internet
Clique aqui para ver a cobertura completa


Marco Civil: Anatel diz que fará consulta pública sobre neutralidade de rede

O conselheiro Marcelo Bechara sustentou que, na sua visão, os acordos firmados pela TIM com o WhatsApp, da Claro com o Facebook e da Oi com o Twitter, Vine, não quebram a neutralidade.


Pressionada por novas rejeições, NetMundial Initiative muda estrutura

ICANN, Fórum Econômico Mundial e Comitê Gestor da Internet do Brasil resolveram eliminar os assentos permanentes no Conselho de Coordenação da NMI, endereçando parte das reclamações da “comunidade” da Internet que ainda desconfia do projeto.

» Críticas levam CGI.br a se defender do apoio à NetMundial Initiative

Veja mais sobre Governança da Internet

Brasileiros propõem criar um 'Comitê Gestor' exclusivo para neutralidade

Pesquisadores da Unicamp e do CPqD defendem a criação de um órgão - que seguiria os moldes do atual Comitê Gestor da Internet, com representantes do governo, iniciativa privada, sociedade e academia - para co-regular as questões envolvendo a neutralidade de rede.


Dados Pessoais: Autoridade Pública não será multistakeholder

Há quase cinco anos em debate, a Lei de Proteção de Dados Pessoais deverá ir à consulta pública ainda esse ano, caso o calendário do Ministério da Justiça venha a ser cumprido.



Vivo começa a vender relógios inteligentes

Custo varia entre R$ 699 a R$ 1.099. Dispositivos rodam Android e são conectados aos smartphones por bluetooth.

» Governo recebe R$ 5 bi e diz que 700 MHz “saiu barato”
» Chinesa Xiaomi incomoda e marca território nos smartphones
» Usuários querem o smartphone como carteira móvel


Banda Larga: Maldades e intromissão ilegal
:: Por Flávia Lefèvre *

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital

 ESPECIAL   GOVERNANÇA DA INTERNET
EUA e aliados rejeitam proposta brasileira de proteção à privacidade

Em entrevista ao portal da Abranet, que o Convergência Digital republica, Thiago Tavares, um dos conselheiros do CGI e que esteve presente à PP-14 de 29/10 a 7/11, realizada em Busan, na Coréia do Sul, diz que há discussões graves para serem tocadas em 2015. Entre elas, uma proposta- rejeitada - da Índia, mas que pode colocar em risco à Internet.

» Pressionada por novas rejeições, NetMundial Initiative muda estrutura
» Brasil vira alvo na guerra fria pelo comando da Internet
» Críticas levam CGI.br a se defender do apoio à NetMundial Initiative
Clique aqui para ver o especial completo


TICs em Foco - Internet das coisas
Oportunidades e desafios

Mais popular que nunca, a internet das coisas — ou IoT, na sigla para Internet of Things, ou ainda IoE de Internet of Everything — representa tanto uma janela de oportunidade para as empresas quanto imprime desafios monstruosos devido à imensa quantidade de máquinas conectadas à internet.


Veja edição 11 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 11

Na discussão sobre o que vai prevalecer — fibra óptica ou rádio — na construção das infraestruturas, vence quem souber explorar o que cada tecnologia tem de melhor a oferecer.

Veja também: Cidades Digitais: Governo convoca provedores; A transição da IANA foi destaque no ICANN#51; Billing das coisas: quando cobrar certo será o diferencial; e muito mais.

Clique aqui para ver outras edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!