Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Internet

Banda larga: Sob pressão, Anatel diz que medição está indefinida

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 22/03/2012

Apesar da qualidade do debate realizado pelo Senado Federal sobre a medição da qualidade da banda larga, Anatel, operadoras e a empresa que será responsável pela fiscalização evitaram tratar da principal crítica ao modelo proposto: a fragilidade de uma medição feita somente dentro da rede das prestadoras. Mas a insistência do NIC.br de que essa é uma questão chave no sistema já produziu um efeito: no debate na Comissão de Ciência e Tecnologia, a Anatel alegou que o conceito exposto na seleção da aferidora pode mudar. “O modelo será construído até outubro. O ponto de medição está em discussão”, afirmou o superintendente de Serviços Privados da Anatel – e coordenador do grupo de implementação da qualidade – Bruno Ramos. Como destacou logo de início o conselheiro do Comitê Gestor da Internet e diretor-presidente do NIC.br, Demi Getschko, “é essencial que a medição seja feita em um ponto fora da rede da operadora”. “As medições sempre foram feitas no PTT em um equipamento diferente da rede da operadora. Senão, ficamos sujeitos a resultados que podem ser mascarados”, emendou o diretor de desenvolvimento do NIC.br, Milton Kashiwakura. O debate, no entanto, centrou-se principalmente em dois pontos: o entendimento de que a Anatel, e não as operadoras, é quem deveria financiar a Entidade Aferidora da Qualidade; e o consequente impacto na legitimidade dos resultados. “Como é possível uma empresa, que tem relações de mercado com quem deve fiscalizar, garantir a neutralidade?”, questionou o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), autor do requerimento para a audiência pública. Segundo ele, ao arrecadar cerca de R$ 4 bilhões por ano apenas no Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel), a Anatel deveria ela mesma custear a medição da qualidade. Desenho Quando a Anatel definiu as normas sobre a medição da qualidade, estabeleceu que ela se daria “do terminal do assinante ao PTT”, considerado um ponto “entre redes de transporte de diferentes prestadoras”. Era outubro de 2011. Em fevereiro de 2012, uma comissão formada pelas principais operadoras, coordenada pela agência, redefiniu aquele conceito, determinando que “os pontos de medição serão pontos de presença na rede da prestadora”. A mudança, agora tratada como não-definitiva, está em linha com a principal reivindicação das empresas. Afinal, o título da primeira manifestação do Sinditelebrasil, em agosto de 2011, já indicava: Modelo de medição da qualidade dos serviços de banda larga deve se restringir às redes das prestadoras.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 10/04/2014 15:33
Uso dos postes: Provedores querem se aproximar das distribuidoras de energia

:: 07/04/2014 12:53
Banda larga fixa: Apenas 3,2% dos acessos são via fibra óptica

:: 04/04/2014 15:55
STF impede municípios de cobrarem taxas por direito de passagem

:: 01/04/2014 17:58
REPNBL: Empresas articulam novo pedido de adiamento ao Governo

:: 27/03/2014 16:05
Ranking coloca o 4G do Brasil como o terceiro mais rápido do mundo

:: 25/03/2014 09:45
Clemar Engenharia ganha desoneração de impostos do REPNBL-Redes

:: 21/03/2014 10:13
BNDES atende provedores Internet e inclui fibra óptica no FINAME

:: 20/03/2014 11:10
REPNBL: Governo aprova 48 projetos e investimentos superam R$ 2 bilhões

:: 17/03/2014 18:13
Banda larga: Brasil perde para Uruguai, Chile e Argentina

:: 14/03/2014 18:35
Banda larga: Oi ativa rede de fibra óptica no Amapá




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Para NIC.br, seleção de empresa para medir Internet foi direcionada

PRÓXIMA
PF prende dois acusados de campanha discriminatória na Internet



 ESPECIAL   GOVERNANÇA DA INTERNET
'Globalização' da ICANN vira tema de guerra partidária nos EUA

Desde que o Departamento de Comércio dos EUA anunciou que topa negociar a desvinculação com o governo americano da corporação de nomes e números, o assunto mexe com republicanos e democratas. Uma subcomissão da Câmara dos Deputados  aprovou um projeto de lei que bloqueia esse corte de laços.

» Neutralidade não mobiliza debates no NetMundial
» 'Globalização' da ICANN vira tema de guerra partidária nos EUA
» "A Internet não é do Brasil. Ela está no Brasil", adverte Demi Getschko
Clique aqui para ver o especial completo

TICs em Foco - Internet das coisas
Oportunidades e desafios

Mais popular que nunca, a internet das coisas — ou IoT, na sigla para Internet of Things, ou ainda IoE de Internet of Everything — representa tanto uma janela de oportunidade para as empresas quanto imprime desafios monstruosos devido à imensa quantidade de máquinas conectadas à internet.



Debates sobre o Marco Civil dividem os que querem “pressa” ou “melhorias”
:: 15/04/2014 :: Internet

Na visão "jurídica" e das operadoras, alguns pontos da proposta precisariam ser melhor esclarecidos. Mas teme-se que alterações no Senado - e a consequente volta à Câmara - estiquem ainda mais um debate que já dura mais de quatro anos. "Não vejo problema em aprovar do jeito que veio da Câmara e aguardar do desdobramento", defendeu o senador Walter Pinheiro (PT-BA). 


Depois de pagar, velocidade de acesso ao Netflix aumenta 65% na Comcast
:: 14/04/2014 :: Internet

Maior operadora dos Estados Unidos – com cerca de 35% do mercado de cabo e 40% de banda larga – a Comcast foi quem mais subiu no ranking mensal da provedora de conteúdo em streaming.


Europa também põe neutralidade de rede em lei
:: 03/04/2014 :: Internet

Legislação sobre o ‘mercado único de comunicações’ é forte na proteção dos internautas. Mesmo as exceções que ameaçavam descaracterizar esse princípio foram severamente limitadas.


Anatel não medirá forças com o Comitê Gestor na neutralidade, sustenta Marcelo Bechara
:: 27/03/2014 :: Internet

Em entrevista à CDTV, onde fez questão de frisar que não falava como conselheiro da Anatel ou como integrante do CGI.br, Marcelo Bechara diz que, na visão dele, os acordos comerciais entre as OTTs e os provedores de rede não estão no escopo do Marco Civil.



Leilão do 700MHz: Acionistas aprovam participação 'forte' da TIM

O Conselho de Administração da TIM Participações destacou a importância da faixa para o 4G.

» A cada minuto, 68 smartphones vendidos no Brasil
» Pagamento móvel entra na mira do Facebook
» 700 MHz: Para TVs, custo da transição será ‘surpreendente’


Marco Civil, pela neutralidade da rede e a privacidade do cidadão
:: Por Claudia Melo e Felicity Ruby*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital


Veja as edições da revista digital do Convergência Digital
Revista eletrônica do Convergência Digital
Clique aqui para ver todas as edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!