INTERNET

Banda larga: Sob pressão, Anatel diz que medição está indefinida

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/03/2012 ... Convergência Digital

Apesar da qualidade do debate realizado pelo Senado Federal sobre a medição da qualidade da banda larga, Anatel, operadoras e a empresa que será responsável pela fiscalização evitaram tratar da principal crítica ao modelo proposto: a fragilidade de uma medição feita somente dentro da rede das prestadoras. Mas a insistência do NIC.br de que essa é uma questão chave no sistema já produziu um efeito: no debate na Comissão de Ciência e Tecnologia, a Anatel alegou que o conceito exposto na seleção da aferidora pode mudar. “O modelo será construído até outubro. O ponto de medição está em discussão”, afirmou o superintendente de Serviços Privados da Anatel – e coordenador do grupo de implementação da qualidade – Bruno Ramos. Como destacou logo de início o conselheiro do Comitê Gestor da Internet e diretor-presidente do NIC.br, Demi Getschko, “é essencial que a medição seja feita em um ponto fora da rede da operadora”. “As medições sempre foram feitas no PTT em um equipamento diferente da rede da operadora. Senão, ficamos sujeitos a resultados que podem ser mascarados”, emendou o diretor de desenvolvimento do NIC.br, Milton Kashiwakura. O debate, no entanto, centrou-se principalmente em dois pontos: o entendimento de que a Anatel, e não as operadoras, é quem deveria financiar a Entidade Aferidora da Qualidade; e o consequente impacto na legitimidade dos resultados. “Como é possível uma empresa, que tem relações de mercado com quem deve fiscalizar, garantir a neutralidade?”, questionou o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), autor do requerimento para a audiência pública. Segundo ele, ao arrecadar cerca de R$ 4 bilhões por ano apenas no Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel), a Anatel deveria ela mesma custear a medição da qualidade. Desenho Quando a Anatel definiu as normas sobre a medição da qualidade, estabeleceu que ela se daria “do terminal do assinante ao PTT”, considerado um ponto “entre redes de transporte de diferentes prestadoras”. Era outubro de 2011. Em fevereiro de 2012, uma comissão formada pelas principais operadoras, coordenada pela agência, redefiniu aquele conceito, determinando que “os pontos de medição serão pontos de presença na rede da prestadora”. A mudança, agora tratada como não-definitiva, está em linha com a principal reivindicação das empresas. Afinal, o título da primeira manifestação do Sinditelebrasil, em agosto de 2011, já indicava: Modelo de medição da qualidade dos serviços de banda larga deve se restringir às redes das prestadoras.


Cobertura Especial 1ª Conferência Abranet

Provedores Internet: à espera do Marco Civil, guardem seus logs

Advogada Tais Gasparian, sócia na Rodrigues Barbosa, Mac Dowell de Figueiredo, Gasparian Advogados, cobra a regulamentação do Marco Civil da Internet. "O cenário está muito confuso para os ISPs", disse.


Veja mais da cobertura especial da 1ª Conferência Abranet

Google vai remover das buscas links com ‘vingança pornográfica’

Vice-presidente da empresa comunicou que nas próximas semanas será disponibilizado um formulário na web para pedidos de quem teve imagens de nudez ou sexualmente explícitas divulgadas sem consentimento.

E-commerce Brasil: PMEs têm de ter selo de capacitação para estarem no Black Friday

Programa de capacitação foi lançado pela camara-e.net e tem como objetivo garantir credibilidade às compras virtuais.

Wikipedia quer acordo de 'zero rating' no Brasil

Fundador da empresa, Jimmy Wales, participou do CIAB Febraban e informou que planeja ter uma MVNO no país. No Brasil, plataforma conta com mais de 876 mil artigos.

Tráfego em IPv6 chega a 2% no Brasil

“IPv6 decola... Não tão rapidamente quanto se gostaria, mas decola!”, festeja Demi Getschko. Marca é o dobro do medido há três meses.

Revista Abranet 13 . Junho 2015
Veja edição 13 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet Pesquisa inédita encomendada pela Abranet ao IBPT mostrou a relevância do segmento de Internet, cujas empresas faturaram R$ 144,7 bilhões em 2014. No período de 2012 a 2014, foram gerados 51.180 novos postos de trabalho, um incremento de 17,5%.
Clique aqui para ver outras edições