NEGÓCIOS

Por medo de fraudes, 30% dos pedidos de compras online são rejeitados na América Latina

Ana Paula Lobo e Rodrigo dos Santos ... 20/03/2012 ... Convergência Digital

Um dos maiores entraves para o comércio eletrônico é o medo, por parte dos lojistas, das fraudes nas vendas virtuais. E para evitar prejuízos - e ruídos de comunicação com o consumidor - 30% dos lojistas da América Latina rejeitam pedidos de compras via Internet, percentual 10 vezes maior do que o registrado, por exemplo, nos Estados Unidos, onde esse índice, em 2011, ficou em 2,8%.

Para minimizar o medo das fraudes online, nesta terça-feira, 20/03, a Cielo anunciou uma aliança estratégica com a Cybersource e oferecerá, inclusive para outras bandeiras de meios de pagamentos, uma solução de detecção de fraudes eletrônicas. No Brasil, o índice de fraudes - com perdas efetivas para o lojista, de acordo com a Cielo, está em 0,75% das transações online, revela o vice-presidente executivo de produtos e negócios da Cielo, Eduardo Chedid. Mundialmente a perda do lojista por transação fraudulenta é orçada em US$ 250.

No mundo físico, afirma ainda a Cielo, com a adoção do cartão de crédito com chip pelos bancos brasileiros - uma migração iniciada há 15 anos, o índice de fraudes caiu para 0,04%. "Posso garantir que o Brasil está no estado de arte no mundo dos cartões de crédito", sustenta Eduardo Chedid. O momento, agora, é o de levar essa perfomance para o mundo online e, mais adiante, para o móvel, grande expectativa de mercado para vendas virtuais.

A Cielo, hoje, tem 9 mil clientes ativos/mês para pagamentos online e diz que há muito espaço para crescer no Brasil. No ano passado, a Cielo capturou mais de 80 milhões de transações em lojas virtuais, o que representou cerca de 7% do total de pagamentos intermediados pela empresa, ou o equivalente a 28 bilhões de reais.

No evento realizado na capital paulista, o diretor geral da Cybersource para a América Latina, Guilhermo Rospigliosi, mandou um recado aos interessados em apostar no comércio eletrônico: não há ferramenta capaz de reduzir as fraudes 100%. "As fraudes fazem parte do comércio eletrônico. É do negócio. Mas temos a obrigação de minimiza-las", afirmou.

Segundo ainda o executivo, o comércio eletrônico deverá movimentar US$ 1 trilhão em 2012. Em 2011, a América Latina gerou US$ 35 bilhões, sendo que o Brasil respondeu por 65% - US$ 22,75 milhões. Na parte de fraudes, nos EUA, o prejuízo, no ano passado, foi estimado em US$ 3,4 bilhões, com um tiquete médio de transação fraudulenta em US$ 250.

Em entrevista exclusiva à CDTV, do Convergência Digital, o vice-presidente executivo da Cielo, Eduardo Chedid, fala sobre a evolução do comércio eletrônico no Brasil; da intervenção do governo no pagamento móvel e diz que o país precisa agir para criar leis que punam os cibercriminosos e diz que, em breve, os cartões de débito também farão parte do modelo online de vendas. Assista.


CADE impõe sanção de R$ 4,93 milhões à cartel no mercado de memória DRAM

Empresas punidas foram a Micron, a Infineon e a Samsung. As empresas firmaram acordos com o órgão antitruste para encerrar o processo no país.

EMC Brasil: 2016 será um ano desafiador para o mercado de TI

Presidente da empresa, Carlos Cunha, salienta que o big data obrigou aos fornecedores pensarem diferente. "Treinei minha equipe para negócios. Não quero mais só vendedores". Já os clientes, o momento é de colocar a mão na massa. "Não basta planejar, é preciso iniciar", acrescentou.

Oracle inclui versões novas do Android na disputa com o Google

Empresa trava longa disputa judicial por patentes da linguagem Java. Nesse 'embate', a Oracle tem levado vantagem e pode receber indenização de até US$ 1 bilhão.

Com financiamento nas vendas, receita líquida do MercadoLivre cresce no 2º trimestre

Somente no Brasil, de janeiro a junho de 2015, a receita líquida da companhia foi de US$ 141,3 milhões; um crescimento de 22% em relação ao primeiro semestre do ano passado.

OAB diz que veto ao UBER também proíbe apps de táxis no Distrito Federal

Entidade encaminhou um parecer ao governador Rodrigo Rollemberg solicitando o veto ao PL 282/2015, que foi feito para proibir o UBER, mas afeta toda a inovação, segundo a OAB.