TELECOM

Banda larga: Ainda faltam investimentos no Brasil

Fábio Barros ... 20/03/2012 ... Convergência Digital

Durante a divulgação do “Balanço Huawei de Banda Larga 2012”, nesta terça-feira, 20/03, o presidente da Teleco – parceira da empresa na realização do estudo – destacou o contexto em que banda larga (fixa e móvel) vem crescendo no Brasil. De acordo com o executivo, os serviços fixo e móvel tendem a se integrar no futuro, e as operadoras precisam estar prontas para isso.

“Na prática, precisamos de uma rede fixa, baseada em fibra, que chegue às residências e torres de transmissão celular. E a partir daí se distribuem as redes móveis. Os últimos metros serão wi-fi”, defende. Para Tude, o primeiro sinal desta integração são as ofertas de serviços oferecidas atualmente pelas operadoras, com velocidades de acesso cada vez maiores.

O estudo mostrou que o tráfego global de dados praticamente dobra a cada ano – na AT&T, por exemplo, ele cresceu 80% em 2011 – e isso vai exigir investimentos em infraestrutura. “Principalmente porque o Brasil vai bem em acessos, é o oitavo do mundo em banda larga fixa, mas em densidade está muito longe dos países mais desenvolvidos”, afirma Tude.

Ilustrando: a densidade da banda larga fixa no Brasil é de 8,5 acessos em cada 100 habitantes. A média dos países membros da OECD (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) é de 25,5 acessos em cada 100 habitantes. A previsão é de que o Brasil atinja 20 acessos em cada 100 habitantes, apenas em 2016.

“Para isso, há a necessidade de investir em infraestrutura, o que significa chegar com a fibra mais perto da casa dos assinantes”, explica Tude. Na prática, uma estimativa feita pela Teleco e pela Huawei mostra que levar fibra a todos os domicílios brasileiros representaria um investimento de R$ 100 bilhões.


Internet Móvel 3G 4G
App Ringo prioriza Brasil e quer desbancar OTTs e teles

Serviço chega ao país com tarifas extremamente agressivas e CEO da empresa, Bhavin Turakhi, sustenta que não é 'ilegal e que cumpre as regras do mercado nacional'

Acompanhe a Cobertura Especial ABTA 2015 na seção Telecom

TV paga: Netflix é só um 'cabrito na sala'. Há outros 'bodes' que incomodam mais

"Se a TV paga morrer, os OTTs morrem abraçados". Essa foi a posição defendida por especialistas durante a ABTA. Executivos da TV paga admitem que a Netflix obrigou mudanças no relacionamento com o cliente. Cobrança do sinal da TV aberta incomoda e é pouco comentada.

Veja mais da cobertura especial da ABTA 2015

Vivo cria apps para ser uma OTT e aumentar market share no pré e no pós-pago

Com aplicativos que permitem a interatividade e prometem prêmios em dinheiro, a operadora investe em serviços próprios para sair na frente dos rivais. "Queremos, sim, atrair clientes de outras operadoras para a nossa base", disse o Chief Revenue Officer da tele, Chistian Gebara.

Comissão aprova projeto que obriga Anatel a direcionar TACs para áreas pobres

PL 6791/13 insere na Lei Geral de Telecomunicações a possibilidade de troca de multas por investimentos, mas exige preferência às áreas de baixo Índice de Desenvolvimento Humano.

Na relação com o consumidor, setor de Telecom não pode brigar com a inovação

A superintendente de relação com o consumidor da Anatel, Elisa Leonel, disse que as teles não podem virar os 'taxistas da vez', citando o embate dessa categoria com o aplicativo. A executiva, que participou do 59º Painel Telebrasil, questionou ainda o pouco uso do big data como ferramenta de aproximação com o usuário.

Teles reclamam do pouco efeito prático da Lei das Antenas

“Ainda levamos de seis meses a um ano em algumas localidades para obter uma licença”, lamentou durante o Painel Telebrasil 2015 a diretora jurídica da Associação Brasileira para Infraestrutura para Telecomunicações, Anna Lucia de Souza.


Veja edição 13 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 13

Em ritmo acelerado


Pesquisa inédita encomendada pela Abranet ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação mostrou a relevância do segmento de Internet, cujas empresas faturaram R$ 144,7 bilhões em 2014. No período de 2012 a 2014, foram gerados 51.180 novos postos de trabalho, um incremento de 17,5%.

Clique aqui para ver outras edições

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G