INTERNET

Google sofre pressão mundial com relação à politica de privacidade

Da redação ... 16/03/2012 ... Convergência Digital
Autoridades regulatórias dos Estados Unidos e da União Europeia estão investigando o Google sob a suspeita de que a companhia tenha ignorado configurações de privacidade de milhões de usuários do Safari, navegador da Apple. A informação foi publicada pelo jornal "The Wall Street Journal", nesta sexta-feira, 16/03. A empresa suspendeu a prática em fevereiro, depois de ter sido contatada pela publicação.

Com o envolvimento de agências federais americanas e órgãos similares na Europa, liderados pela França, o caso pode levar o Google a enfrentar uma extensa série de batalhas jurídicas, além de impor multas pesadas pela violação de privacidade. No mês passado, o mesmo jornal revelou que o Google estava usando um código especial para instalar arquivos de rastreamento nos dispositivos de alguns usuários de iPhones e iPads.

Nos Estados Unidos, a Comissão de Comércio Federal está analisando se essas ações infringem uma resolução judicial estabelecida em 2011, na qual o Google se comprometeu a não deturpar suas práticas de privacidade para os consumidores, segundo pessoas familiarizadas com as investigações.

A multa pela violação ao acordo é de US$ 16 mil por cada incidente. Em outra frente, um grupo de procuradores gerais também está investigando o caso. Nessa esfera, as multas podem chegar a até US$ 5 mil por infração.

Na Europa, uma comissão francesa incorporou à investigação ao caso em que apura a recente mudança da política de privacidade do Google. O órgão é o mesmo que no ano passado definiu uma sanção de 100 mil euros (US$ 130,5 mil) à companhia por recolher informações pessoais para o serviço de mapas Google Street View. Na época, a empresa se desculpou e disse que iria apagar os dados coletados.

*Fonte: Valor Online

WhatsApp chegou a 900 milhões de usuários

WhatsApp chegou a 900 milhões de usuários

Senador defende aprovação da regulamentação do Uber no Brasil

Para o senador e autor do projeto, Ricardo Ferraço, do PMDB/ES, apesar das angústias dos taxistas, será impossível o Senado impedir a oferta do serviço no Brasil, já que é um fenômeno que ocorre no mundo.

WhatsApp é o serviço que mais cresce na preferência do internauta

O Snapchat também tem forte adesão, revela estudo da Pew Research. Já o consumo das demais redes sociais  - Facebook, Instagram, LinkedIn, Pinterest e Twitter - estagnou.

Avança no Senado PEC que inclui direito à Internet na Constituição

Proposta de emenda à Constituição foi aprovada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania. O texto ainda terá de ser votado em dois turnos pelo Plenário do Senado antes de seguir para a Câmara dos Deputados.

Revista Abranet 13 . Junho 2015
Veja edição 13 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet Pesquisa inédita encomendada pela Abranet ao IBPT mostrou a relevância do segmento de Internet, cujas empresas faturaram R$ 144,7 bilhões em 2014. No período de 2012 a 2014, foram gerados 51.180 novos postos de trabalho, um incremento de 17,5%.
Clique aqui para ver outras edições