Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Bens reversíveis: Anatel adia planos da Telefônica de vender sede em SP

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 15/03/2012

A Telefônica vai ter que adiar os planos de vender a sede da empresa na capital paulista, o prédio de 23 andares na rua Martiniano de Carvalho. A Anatel rejeitou nesta quinta-feira, 15/3, em reunião do Conselho Diretor, alguns dos argumentos da empresa para desvincular o imóvel da lista de bens reversíveis, devolvendo o pedido à área técnica para que sejam feitos uma série de esclarecimentos.

O pedido, na verdade, não menciona o edifício sede, mas duas casas situadas no mesmo terreno. Ao descobrir que todos fazem parte da mesma matrícula, a área técnica questionou o Conselho Diretor sobre o argumento da Telefônica de que os imóveis administrativos não são essenciais à concessão.

O relator, conselheiro Rodrigo Zerbone, lembrou que nas operações de desvinculações de bens da lista dos reversíveis – especialmente para alienação – a concessionária deve comprovar que o mesmo não é aproveitável ou é obsoleto, que não precisa ser substituído, e não há risco a continuidade do serviço.

Além disso, devem ser demonstrados benefícios econômicos para a concessão no curto e longo prazo. E, ainda, o valor e como esses recursos serão investidos em bens reversíveis. “No caso concreto, alguns dados são contraditórios ou não indicam atratividade de longo prazo para a concessão, apenas curto prazo”, concluiu Zerbone.

O plano da Telefônica é vender a sede da Telesp e mudar-se para um prédio alugado. O aluguel foi fechado ainda no ano passado entre a operadora e a Previ – a caixa de Previdência do Banco do Brasil – dona do edifício, que fica na avenida Berrini. A estimativa de mercado é de um contrato de R$ 5 milhões mensais.

A troca de um imóvel próprio por um contrato de aluguel foi um dos pontos levantados pelo relator. Por terem sido feitos questionamentos pela Superintendência de Serviços Públicos, a agência decidiu elaborar uma série de diretrizes para a análise deste e outros casos pela área técnica:

1) A utilização de bens de terceiros deve ser sempre vista como exceção e mesmo temporária;

2) O fato de um bem não estar na Relação de Bens Reversíveis não faz com que ele não seja reversível – se a empresa não inclui na lista, não afasta a reversibilidade (como no caso, onde as duas casas estavam na lista, o prédio-sede, não)

3) Em nenhum momento da regulamentação tirou imóveis administrativos da reversibilidade

4) Atividades que servem ao suporte da operação, como a administração, também são essenciais

Finalmente, o Conselho resolveu reforçar o que já é previsto na LGT: qualquer alienação exige anuência prévia da Anatel e os recursos arrecadados devem ser reinvestidos na concessão. Daí a diretriz que só devem ser aceitas alienações com aprovação, conjunta, do plano de investimentos que a concessionária prevê aplicar com esses recursos, inclusive o cronograma.

Ou, como resumiu o relator ao listar as diretrizes, “não necessariamente o que é bom para a concessionária é bom para a concessão”.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 13/03/2015 11:22
Sede da Telefônica abre caminho para venda de bens reversíveis

:: 10/02/2015 14:40
Bens reversíveis: Anatel diz não ter exigido a separação de receitas da banda larga nas concessões

:: 10/12/2014 10:50
Bens reversíveis: Para Rezende, fibra traz insegurança às teles

:: 26/11/2014 16:15
Bens reversíveis: Teles não querem devolver redes ao fim das concessões

:: 12/11/2014 15:22
Para Rezende, bens são da concessionária, não da União

:: 23/10/2014 17:33
Anatel rejeita TACs sobre vendas de bens reversíveis

:: 15/10/2014 16:13
Revisão do marco regulatório será um dos desafios do novo governo

:: 15/10/2014 15:00
Por mais fibra, Telefônica Vivo quer rediscutir bens reversíveis

:: 03/09/2014 15:43
Teles pedem menos obrigações, multas, fim da universalização e bens reversíveis

:: 04/12/2013 17:23
Novo conselheiro defende lei para mudar bens reversíveis




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Anatel aprova compra das operações de cabo da TVA pela Telefônica

PRÓXIMA
Oi/Brasil Telecom assina acordo com MPF/RS e pagará multa de R$ 2,5 milhões



Cobertura Especial Futurecom 2014
5G: tudo é uma questão de dinheiro e poder

Fornecedores venderam durante o Mobile World Congress a chegada do 5G em 2020, mesmo sem uma discussão efetiva de padronização. E a razão é simples: é preciso rever o modelo do ecossistema de infraestrutura de rede. Vender mais e com qualidade para sobreviver à mudança. Para as teles, o momento é de repensar estratégias. As OTTs incomodam e impõem mudanças.

Cobertura Especial World Mobile Congress 2015Veja mais da cobertura do World Mobile Congress 2015


Berzoini escolhe Jorge Bittar para a presidência da Telebras

Com um passivo de R$ 117 milhões registrado no balanço de 2014, a estsatal terá que mostrar fôlego para se manter no mercado de infraestrutura de redes de telecomunicações. O novo presidente terá ainda a missão de 'brigar' por recursos no orçamento, num momento, que a meta central do governo é enxugar custos.


Para enfrentar os chineses, Nokia compra Alcatel-Lucent por US$ 15,6 bilhões

Aquisição mexe com o mercado latino-americano e brasileiro, onde a Alcatel-Lucent tem presença forte no mundo IP e centrava suas apostas no segmento de small cells. No mundo móvel, há sobreposição entre as companhias e ajustes terão de ser feitos.


OTTs impõem guinada estratégica à TV paga na América Latina

Disponibilidade de conteúdo ilimitado por um preço inferior ao cobrado pelos serviços da TV por assinatura têm atraído o consumidor latino-americano para os serviços OTT. A receita desses serviços deverá crescer quase 10 vezes até 2018, passando de US$ 96 milhões para US$ 783 milhões.


Berzoini: Corte de TV paga e parabólica “não é a posição do Ministério”

Ministro das Comunicações diz que a decisão de não incluir mais da metade dos domicílios da base de cobertura esperada da TV Digital não é definitiva. “Essa é a posição da Anatel, mas ainda vamos discutir”, afirmou Ricardo Berzoini.

» TV digital: Abert reage e diz que TV paga não garante acesso à TV aberta
» TV Digital: Por meta, Anatel exclui lares com parabólicas e TV paga
» Anatel coordena TV Digital aberta para os mais pobres e os mais ricos



Allied e Oi firmam aliança para distribuição de dispositivos móveis

Distribuidora será responsável pela gestão de suprimentos e supply chain de celulares, smartphones e tablets.

» Brasil fica para trás no consumo de apps na América Latina


Automação inteligente - reduzindo a complexidade e os custos da rede
:: Por Nelson Wang*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



VII Seminário TelComp 2014 - Cobertura especial do Convergência Digital
Banco Mundial: Empresas brasileiras estão atrasadas no uso das TICs

Instituição está fazendo um estudo global para avaliar o impacto da economia digital, que será conhecido no 2º semestre de 2015. Mas já dados coletados. Entre eles, um significativo: As mulheres são as grandes beneficiadas pelo maior uso das TICs
CDTV Banda larga: Teles erram e Anatel fala em controle de danos
CDTV TelComp: Precisamos criar uma nova GVT no Brasil
Clique aqui e veja a cobertura completa do evento




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!