Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Bens reversíveis: Anatel adia planos da Telefônica de vender sede em SP

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 15/03/2012

A Telefônica vai ter que adiar os planos de vender a sede da empresa na capital paulista, o prédio de 23 andares na rua Martiniano de Carvalho. A Anatel rejeitou nesta quinta-feira, 15/3, em reunião do Conselho Diretor, alguns dos argumentos da empresa para desvincular o imóvel da lista de bens reversíveis, devolvendo o pedido à área técnica para que sejam feitos uma série de esclarecimentos.

O pedido, na verdade, não menciona o edifício sede, mas duas casas situadas no mesmo terreno. Ao descobrir que todos fazem parte da mesma matrícula, a área técnica questionou o Conselho Diretor sobre o argumento da Telefônica de que os imóveis administrativos não são essenciais à concessão.

O relator, conselheiro Rodrigo Zerbone, lembrou que nas operações de desvinculações de bens da lista dos reversíveis – especialmente para alienação – a concessionária deve comprovar que o mesmo não é aproveitável ou é obsoleto, que não precisa ser substituído, e não há risco a continuidade do serviço.

Além disso, devem ser demonstrados benefícios econômicos para a concessão no curto e longo prazo. E, ainda, o valor e como esses recursos serão investidos em bens reversíveis. “No caso concreto, alguns dados são contraditórios ou não indicam atratividade de longo prazo para a concessão, apenas curto prazo”, concluiu Zerbone.

O plano da Telefônica é vender a sede da Telesp e mudar-se para um prédio alugado. O aluguel foi fechado ainda no ano passado entre a operadora e a Previ – a caixa de Previdência do Banco do Brasil – dona do edifício, que fica na avenida Berrini. A estimativa de mercado é de um contrato de R$ 5 milhões mensais.

A troca de um imóvel próprio por um contrato de aluguel foi um dos pontos levantados pelo relator. Por terem sido feitos questionamentos pela Superintendência de Serviços Públicos, a agência decidiu elaborar uma série de diretrizes para a análise deste e outros casos pela área técnica:

1) A utilização de bens de terceiros deve ser sempre vista como exceção e mesmo temporária;

2) O fato de um bem não estar na Relação de Bens Reversíveis não faz com que ele não seja reversível – se a empresa não inclui na lista, não afasta a reversibilidade (como no caso, onde as duas casas estavam na lista, o prédio-sede, não)

3) Em nenhum momento da regulamentação tirou imóveis administrativos da reversibilidade

4) Atividades que servem ao suporte da operação, como a administração, também são essenciais

Finalmente, o Conselho resolveu reforçar o que já é previsto na LGT: qualquer alienação exige anuência prévia da Anatel e os recursos arrecadados devem ser reinvestidos na concessão. Daí a diretriz que só devem ser aceitas alienações com aprovação, conjunta, do plano de investimentos que a concessionária prevê aplicar com esses recursos, inclusive o cronograma.

Ou, como resumiu o relator ao listar as diretrizes, “não necessariamente o que é bom para a concessionária é bom para a concessão”.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 10/02/2015 14:40
Bens reversíveis: Anatel diz não ter exigido a separação de receitas da banda larga nas concessões

:: 10/12/2014 10:50
Bens reversíveis: Para Rezende, fibra traz insegurança às teles

:: 26/11/2014 16:15
Bens reversíveis: Teles não querem devolver redes ao fim das concessões

:: 12/11/2014 15:22
Para Rezende, bens são da concessionária, não da União

:: 23/10/2014 17:33
Anatel rejeita TACs sobre vendas de bens reversíveis

:: 15/10/2014 16:13
Revisão do marco regulatório será um dos desafios do novo governo

:: 15/10/2014 15:00
Por mais fibra, Telefônica Vivo quer rediscutir bens reversíveis

:: 03/09/2014 15:43
Teles pedem menos obrigações, multas, fim da universalização e bens reversíveis

:: 04/12/2013 17:23
Novo conselheiro defende lei para mudar bens reversíveis

:: 08/10/2013 12:03
Anatel: Mudanças em bens reversíveis exigem nova lei




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Anatel aprova compra das operações de cabo da TVA pela Telefônica

PRÓXIMA
Oi/Brasil Telecom assina acordo com MPF/RS e pagará multa de R$ 2,5 milhões



VII Seminário TelComp 2014 - Cobertura especial do Convergência Digital
Banco Mundial: Empresas brasileiras estão atrasadas no uso das TICs

Instituição está fazendo um estudo global para avaliar o impacto da economia digital, que será conhecido no 2º semestre de 2015. Mas já dados coletados. Entre eles, um significativo: As mulheres são as grandes beneficiadas pelo maior uso das TICs
CDTV Banda larga: Teles erram e Anatel fala em controle de danos
CDTV TelComp: Precisamos criar uma nova GVT no Brasil
Clique aqui e veja a cobertura completa do evento


Consumidor paga menos por serviços de comunicação

Os preços dos serviços de comunicação, entre eles telefonia, internet e TV por assinatura, pesaram menos na inflação e apresentaram redução em 2014. A tendência é de queda durante 2015.


Telecom Italia investirá R$ 14 bi no Brasil até 2017

Entre as principais metas estão: elevar para em 370 mil novos clientes até o fim de 2017, alcançando 500 mil usuários; o core da rede atingir 1.137 cidades que concentram mais de 70% do tráfego de dados da operadora e aumentar o número de antenas 4G, de 3,7 mil em 2014 para mais de 15 mil até o fim de 2017, além de os sites 3G ampliarem de 10,4 mil para mais de 14 mil.


TIM monta plano para enfrentar crise energética, mas não descarta falhas

O presidente da operadora, Rodrigo Abreu, disse que nos sites principais já houve um reforço de geradores e há também uma política de aumentar a validade das baterias nos sites remotos. Operadora reforça o uso do big data para expansão dos sites.


Anatel vai mudar regulamento de interconexão

Superintendência de Competição da Anatel tem um grupo debruçado sobre a revisão do regulamento geral de interconexão, tendo como foco o combate a fraudes e a redução de obrigações que prejudicam pequenas operadoras ou negócios de nicho, como as MVNOs.




Brasil somou 6,8 milhões de acessos 4G em 2014, calculam operadoras

No total, conexões móveis chegaram ao fim de dezembro com 167,8 milhões de acessos. Segundo levantamento das empresas, o serviços de quarta geração já chega a 42% da população brasileira.

» Dados móveis: 10% dos assinantes consomem 80% do tráfego 3G e 4G


Automação inteligente - reduzindo a complexidade e os custos da rede
:: Por Nelson Wang*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



Veja edição 11 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 11

Na discussão sobre o que vai prevalecer — fibra óptica ou rádio — na construção das infraestruturas, vence quem souber explorar o que cada tecnologia tem de melhor a oferecer.

Veja também: Cidades Digitais: Governo convoca provedores; A transição da IANA foi destaque no ICANN#51; Billing das coisas: quando cobrar certo será o diferencial; e muito mais.

Clique aqui para ver outras edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!