Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Internet

Juristas querem regulamentar comércio eletrônico no Brasil

:: Da redação
:: Convergência Digital :: 14/03/2012

A regulamentação do comércio eletrônico e a preservação de novos consumidores integrados ao mercado com a ascensão de classes menos favorecidas estão entre as principais propostas contidas em estudo entregue nesta quarta-feira, 14/03, ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), por uma comissão especial de juristas. As propostas serão submetidas aos parlamentares na forma de projetos de lei.

Na entrega dos anteprojetos de lei a Sarney, o coordenador dos trabalhos e ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Herman Benjamin, ressaltou que os 40 milhões de novos consumidores, que ascenderam socialmente e têm hoje mais acesso a crédito e ao consumo, também criaram a figura dos "superendividados".

"Com mais crédito apareceu o fenômeno do superendividado. As propostas da comissão [especial de juristas] foram no sentido de estabelecer mecanismos de prevenção para evitar que se chegue a esse ponto. É necessário assegurar ao consumidor o [recurso] mínimo existencial. Não é admissível que, para pagamento de contas, o consumidor tenha que reduzir a compra de alimentos ou tirar o filho da escola", disse o ministro do STJ.

Para isso, os juristas estabelecem a proibição de se promover publicidade de crédito com a utilização de termos como crédito gratuito, sem juros e sem acréscimo. Também é proposta a criação do "assédio de consumo", fenômeno definido como pressão ao consumidor, em especial se for idoso, analfabeto, doente ou em estado de vulnerabilidade agravada.

O assédio de consumo será caracterizado no caso de contratação de produtos, serviço ou crédito, especialmente se essas contratações forem feitas a distância, por meio eletrônico ou se envolver prêmios. Ele acrescentou que os trabalhos da comissão especial permitiram apresentar propostas para regular o comércio eletrônico, um novo modelo não abrangido pela legislação em vigor e que, segundo Benjamin, já movimenta R$ 30 bilhões. O ministro destacou que a comissão promoveu uma "atualização cirúrgica" com o objetivo de assegurar ao consumidor do mercado na internet sigilo aos seus dados e maior segurança.

Entre essas medidas está a proibição ao fornecedor de produtos e serviços de encaminhar spams – mensagens eletrônicas não solicitadas enviadas em massa – e outras não requeridas pela pessoa com quem tem relação de consumo. Os juristas também propõem ao Congresso Nacional a pena de suspensão e proibição do comércio eletrônico a fornecedores reincidentes em práticas abusivas contra consumidores.

No caso de descumprimento dessa pena, o juiz terá prerrogativa para determinar o bloqueio das contas bancárias e a suspensão do repasse de pagamentos e transferências financeiras desses comerciantes. Sarney disse que encaminhará as propostas entregues hoje "com a maior brevidade" para que sejam analisadas pelos senadores. Ele ressaltou que o trabalho legislativo será o de aperfeiçoar e avançar nesses direitos do consumidor, "sem jamais retroagir".

Fonte: Agência Brasil

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 23/10/2014 09:44
Justiça do Rio suspende cobrança de taxa por instalação de antena

:: 22/10/2014 14:33
Smart grid têm investimentos de R$ 1,6 bilhão no Brasil

:: 22/10/2014 11:00
Comércio eletrônico: brasileiros concentram compras em 10 lojas

:: 21/10/2014 16:00
CPqD e Aeronáutica criam laboratório para expandir uso do IP

:: 21/10/2014 15:57
Câmara já tem projeto de lei sobre “direito ao esquecimento”

:: 21/10/2014 12:15
Adgame Digital: um desafio para jovens no Brasil

:: 21/10/2014 11:43
'Trolls' crescem e aparecem no dia a dia da Internet

:: 20/10/2014 12:08
e-Commerce: STF cassa liminar que mantinha cobrança diferenciada de ICMS

:: 20/10/2014 10:00
Anatel exige migração para IPv6 em 2015

:: 20/10/2014 09:32
Mapa mostra onde e quando a Internet “dorme”




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
B2W diz que decisão do Procon/SP é 'virulenta e infundada'

PRÓXIMA
Google terá de explicar política de privacidade na Câmara



Abranet 2014 - Desafios e Oportunidades: Profissionais de Internet

IPv6: Quanto mais demorar, mais cara a migração vai ficar

Essa foi a avaliação feita pelo presidente da Associação Brasileira da Internet - Abranet, Eduardo Nejer, que defende que o assunto seja tratado como prioridade máxima nos próximos meses no Brasil.

CDTV Abranet apela ao associado para responder pesquisa TIC Provedores
CDTV Brasil quer fazer um cadastro nacional de provedores Internet
Clique aqui para ver a cobertura completa


Mapa mostra onde e quando a Internet “dorme”
:: 20/10/2014 :: Internet

Enquanto nos países mais prósperos, como nos EUA e Europa, predominam conexões “sempre online”, grande parte do planeta aparenta ter redes diurnas, caso da China, Índia, leste de Europa e boa parte da América do Sul, inclusive no Brasil.


Facebook, com WhatsApp, impõe novo modelo para VoIP
:: 08/10/2014 :: Internet

No anúncio da aquisição do aplicativo pelo Facebook, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, assumiu que era o momento de repensar a legislação no Brasil para repaginar o mercado de VoIP. Mas até o momento nenhuma ação foi feita.


Banda larga fixa: Com GVT, Telefônica supera Oi e chega no Grupo Telmex
:: 07/10/2014 :: Internet

O Brasil somou 23,46 milhões de acessos ativos no mês de agosto, com uma presença em 35,83% dos domicílios brasileiros. Na disputa pela liderança, Embratel, Claro e NET seguem à frente e a Oi na segunda posição. Mas a Telefônica ganha músculo com a incorporação da GVT.


Sob pressão, Facebook revê política de exigir nome real
:: 02/10/2014 :: Internet

A rede social informou que vai mudar a sua política que exige que os usuários utilizem seus nomes reais na rede social, após ter causado indignação com o bloqueio de centenas de contas, incluindo de drag queens que usam seus nomes artísticos.



Facebook lança app que permite o anonimato

Batizado de Rooms, o app permite que usuários conversem e postem conteúdo sem se identificar.

» Compartilhamento: Anatel cobra licenciamento duplo de Oi e Tim
» Apps atraem jovens brasileiros para a Internet
» Pais usam app gratuito para vigiar filhos


Internet das Coisas vai obrigar mudanças no Marco Civil da Internet
:: Por Eduardo Prado

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital

 ESPECIAL   GOVERNANÇA DA INTERNET
NetMundial preserva transição da ICANN e faz leve menção à neutralidade

Além de manter o prazo previsto para que as funções IANA sejam desvinculadas do governo dos EUA, a declaração final do evento global sobre a governança da Internet, realizado em São Paulo, também reforçou as críticas à vigilância. Mas cedeu à indústria do copyright.

» Poder econômico contra-ataca e tenta ficar com o controle da Internet
» Comitê Gestor lança escola sobre governança da Internet
» Painel da ICANN sustenta NetMundial e "globalização" até setembro de 2015
Clique aqui para ver o especial completo


TICs em Foco - Internet das coisas
Oportunidades e desafios

Mais popular que nunca, a internet das coisas — ou IoT, na sigla para Internet of Things, ou ainda IoE de Internet of Everything — representa tanto uma janela de oportunidade para as empresas quanto imprime desafios monstruosos devido à imensa quantidade de máquinas conectadas à internet.





Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!