Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Internet

Juristas querem regulamentar comércio eletrônico no Brasil

:: Da redação
:: Convergência Digital :: 14/03/2012

A regulamentação do comércio eletrônico e a preservação de novos consumidores integrados ao mercado com a ascensão de classes menos favorecidas estão entre as principais propostas contidas em estudo entregue nesta quarta-feira, 14/03, ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), por uma comissão especial de juristas. As propostas serão submetidas aos parlamentares na forma de projetos de lei.

Na entrega dos anteprojetos de lei a Sarney, o coordenador dos trabalhos e ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Herman Benjamin, ressaltou que os 40 milhões de novos consumidores, que ascenderam socialmente e têm hoje mais acesso a crédito e ao consumo, também criaram a figura dos "superendividados".

"Com mais crédito apareceu o fenômeno do superendividado. As propostas da comissão [especial de juristas] foram no sentido de estabelecer mecanismos de prevenção para evitar que se chegue a esse ponto. É necessário assegurar ao consumidor o [recurso] mínimo existencial. Não é admissível que, para pagamento de contas, o consumidor tenha que reduzir a compra de alimentos ou tirar o filho da escola", disse o ministro do STJ.

Para isso, os juristas estabelecem a proibição de se promover publicidade de crédito com a utilização de termos como crédito gratuito, sem juros e sem acréscimo. Também é proposta a criação do "assédio de consumo", fenômeno definido como pressão ao consumidor, em especial se for idoso, analfabeto, doente ou em estado de vulnerabilidade agravada.

O assédio de consumo será caracterizado no caso de contratação de produtos, serviço ou crédito, especialmente se essas contratações forem feitas a distância, por meio eletrônico ou se envolver prêmios. Ele acrescentou que os trabalhos da comissão especial permitiram apresentar propostas para regular o comércio eletrônico, um novo modelo não abrangido pela legislação em vigor e que, segundo Benjamin, já movimenta R$ 30 bilhões. O ministro destacou que a comissão promoveu uma "atualização cirúrgica" com o objetivo de assegurar ao consumidor do mercado na internet sigilo aos seus dados e maior segurança.

Entre essas medidas está a proibição ao fornecedor de produtos e serviços de encaminhar spams – mensagens eletrônicas não solicitadas enviadas em massa – e outras não requeridas pela pessoa com quem tem relação de consumo. Os juristas também propõem ao Congresso Nacional a pena de suspensão e proibição do comércio eletrônico a fornecedores reincidentes em práticas abusivas contra consumidores.

No caso de descumprimento dessa pena, o juiz terá prerrogativa para determinar o bloqueio das contas bancárias e a suspensão do repasse de pagamentos e transferências financeiras desses comerciantes. Sarney disse que encaminhará as propostas entregues hoje "com a maior brevidade" para que sejam analisadas pelos senadores. Ele ressaltou que o trabalho legislativo será o de aperfeiçoar e avançar nesses direitos do consumidor, "sem jamais retroagir".

Fonte: Agência Brasil

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 20/08/2014 10:40
Anatel julga primeiro litígio da plataforma de atacado

:: 18/08/2014 16:51
Cobrança da CIDE dos datacenters abre espaço para disputa judicial

:: 18/08/2014 10:53
Minicom aprova mais R$ 217 milhões em projetos do REPNBL

:: 15/08/2014 16:00
Internet ultrapassa barreira de 500 mil redes e sofre pequenas panes

:: 15/08/2014 15:26
Leucotron mira interior do Brasil e abre frente no México

:: 15/08/2014 10:55
Network1 é comprada pela multinacional ScanSource

:: 14/08/2014 17:55
Anatel nega pedido para adiar vigência de regras pró-consumidor

:: 14/08/2014 12:12
Marco Civil não invalida o Direito ao Esquecimento

:: 13/08/2014 18:30
Software ganha linha de financiamento de R$ 300 milhões do BNDES

:: 13/08/2014 17:26
Dois terços dos usuários querem usar celular como carteira




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
B2W diz que decisão do Procon/SP é 'virulenta e infundada'

PRÓXIMA
Google terá de explicar política de privacidade na Câmara



Por sobrevivência, provedores precisam fugir dos serviços comuns

Sair da zona de conforto e se reinventar é imperativo para os ISPs que querem se manter no mercado, sustenta o presidente da Abranet, Eduardo Neger. E para ele só há uma alternativa: apostar na Inovação. O Marco Civil também exige novos modelos de negócios.


 ESPECIAL   GOVERNANÇA DA INTERNET
NetMundial preserva transição da ICANN e faz leve menção à neutralidade

Além de manter o prazo previsto para que as funções IANA sejam desvinculadas do governo dos EUA, a declaração final do evento global sobre a governança da Internet, realizado em São Paulo, também reforçou as críticas à vigilância. Mas cedeu à indústria do copyright.

» Comitê Gestor lança escola sobre governança da Internet
» Painel da ICANN sustenta NetMundial e "globalização" até setembro de 2015
» Governança da Internet: EUA se opõem ao modelo multilateral e conflitam com o Brasil
Clique aqui para ver o especial completo


Internet ultrapassa barreira de 500 mil redes e sofre pequenas panes
:: 15/08/2014 :: Internet

Sites e mesmo grandes redes de provedores sentiram os primeiros ‘soluços’ com a chegada ao ‘limite’ armazenamento de rotas de alguns modelos de roteadores, adverte estudo da Renesys.


Marco Civil não invalida o Direito ao Esquecimento
:: 14/08/2014 :: Internet

Relator do projeto, o deputado do PT, Alessandro Molon, se mostra otimista e diz aguardar a regulamentação para logo depois das eleições.


Teles respondem por seis em cada 10 queixas ao Consumidor.gov
:: 13/08/2014 :: Internet

Lançado como canal de mediação entre clientes insatisfeitos e empresas, o site já reúne mais de 9 mil reclamações, sendo 7,9 mil concluídas.

» Projeto prevê multa de R$ 30 mil por telemarketing indesejado

Big Data: O dilema da privacidade e as necessidades da coletividade
:: 13/08/2014 :: Internet

Tema foi debatido no II Fórum da Associação Brasileira de Anunciantes. Executivos questionam se o Marco Civil da Internet terá o efeito esperado.



Empresa investe R$ 3 milhões em app para entregas

Incube vai às compras para reforçar pagamento móvel.

» Minicom distribui R$ 4,5 milhões em concurso de apps
» App personaliza conteúdo de redes sociais
» PayULatam negocia parcerias estratégicas com as teles no Brasil


Cidades inteligentes e a Internet das Coisas
:: Por Jordi Botifoll*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital


TICs em Foco - Internet das coisas
Oportunidades e desafios

Mais popular que nunca, a internet das coisas — ou IoT, na sigla para Internet of Things, ou ainda IoE de Internet of Everything — representa tanto uma janela de oportunidade para as empresas quanto imprime desafios monstruosos devido à imensa quantidade de máquinas conectadas à internet.


Veja a primeira edição da revista digital Alianza Latinoamericana de Medios TIC Alianza Latinoamericana
de Medios TIC


A Revista Alianza é fruto de uma aliança editorial entre os veículos InversorLatam, portal Convergência Digital e Evaluamos, da Colômbia. Nosso compromisso é retratar os pontos mais importantes de Telecom e TI na América Latina. Nessa primeira edição, tratamos de um tema que está na lista de prioridade: a governança da Internet. Boa leitura!

Clique aqui para ver todas as edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!