GOVERNO » Política Industrial

Senado quer discutir novo marco legal para informática

Luís Osvaldo Grossmann ... 15/03/2012 ... Convergência Digital

O Senado Federal vai começar a discutir um novo marco legal para o setor de informática, com o objetivo de atualizar as regras de incentivos ao uso do software nacional, desonerações fiscais e estímulos ao mercado por meio de compras governamentais.

Proposta pelo senador Walter Pinheiro (PT-BA), uma audiência conjunta das comissões de Infraestrutura e Ciência e Tecnologia vai ouvir representantes do governo – ministérios de Ciência e Tecnologia e do Planejamento, além do BNDES – e entidades do setor como Assespro, Abes, Softex e Fenainfo.

A ideia de revisar a Lei de Informática vem ganhando adeptos nos últimos anos, a começar pelo próprio governo, que chegou a encomendar um “amplo estudo” para identificar as deficiências da legislação e os caminhos mais indicados para uma alteração da norma.

Na prática, diferentes avaliações sustentam que a Lei de Informática envelheceu, visto que trata essencialmente da montagem de equipamentos no país (hardware), enquanto o mercado atual se desenvolve principalmente no campo dos aplicativos (software).

No ano passado, o então ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, insistiu diversas vezes que a Lei de Informática é, principalmente, um instrumento para equilibrar o resto do país aos incentivos oferecidos pela Zona Franca de Manaus.

A indústria também defende mudanças. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), ainda que tenha colaborado para reduzir o mercado cinza de computadores e celulares, a lei precisa ser modernizada para buscar a fabricação de componentes e semicondutores.

Estudo

Encomendado em 2010 pelo MCT ao Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, um estudo sobre a Lei de Informática concluiu que o “principal problema é que os incentivos fiscais são direcionados para a indústria de hardware, enquanto que o núcleo dinâmico da indústria se deslocou para software e serviços”.

Os estímulos fiscais a produção de equipamentos favoreceram a montagem local, mas apresenta problemas relativos à baixa agregação de valor. Entre 1998 e 2008 as vendas da indústria de TICs saltaram de R$ 10 bilhões para R$ 50 bilhões, mas com clara redução da fatia nacional nos ganhos.

“O estudo constatou uma queda do valor adicionado local já que os insumos importados passaram de 28% do faturamento em 2005 para 58% em 2008. Houve também um aumento substancial na importação de produtos acabados.” O câmbio desfavorável também é fator importante nesse desempenho.

Ao concluir a avaliação, o CGEE defende cinco premissas que devem fazer parte de uma nova política para o setor:

1) Promover a integração da indústria brasileira em cadeias globais de valor;
2) Fortalecimento das empresas e ICTs nacionais de TICs;
3) Construção de um programa nacional de formação e capacitação de recursos humanos em TICs
4) Construção do plano estratégico para software e serviços de tecnologias da informação
5) Aperfeiçoamento da gestão das políticas de TICs.


Matérias relacionadas
Política industrial ... 16/07/2014 ... 19:56
Lei de Informática é prorrogada até 2029
Política industrial ... 04/06/2014 ... 19:36
Câmara prorroga Lei de Informática por 10 anos
Política industrial ... 02/04/2014 ... 15:20
Abinee leva projeto ao Governo para mudar a Lei de Informática
ESPECIAL » ESPIONAGEM DIGITAL
Espionagem: EUA negam pedido de perdão para Edward Snowden

Documento assinado por mais de 167 mil pessoas foi rejeitado pelo governo Obama. Snowden, que denunciou a espionagem a autoridades, entre elas, a presidente Dilma Rousseff, se voltar ao país poderá ser condenado a 30 anos de prisão.


Clique aqui para ver a cobertura completa

Reoneração da folha é sancionada, mas entidades tentam ainda mudança de plano

A partir de 01 de dezembro, as empresas de TI passam a voltar a pagar 4,5% da receita para a contribuição previdenciária. Mas segue uma mobilização no setor para tentar emplacar a alíquota de 3%.

Reoneração da folha: Empresas tentam 3%. Senado adia votação

ATUALIZADO - Representantes de 44 entidades empresariais, entre elas as que representam o setor de TIC, levaram uma proposta final onde aceitam o reajuste de 50% na alíquota paga ao governo. Não houve acordo. Partes ganham mais 24 horas para negociação.

Adesão de órgãos públicos à transição para IPv6 ainda é baixa

Primeiro relatório semestral de implantação do novo protocolo internet na administração federal mostra que apenas um em cada quatro órgãos apresentou progressos – e somente a metade desses cumpriu parte das metas.

Reoneração da folha: Empresas de software tentam alíquota de 3%

Durante a ABES Software Conference 2015, advogado da entidade admitiu que há negociações para tentar alterar a alíquota para o setor de TI. E que há vantagens e desvantagens nessa nova alternativa. Governo quer passar de 2% para 4,5%.

Governo quer compartilhar base da nova identidade com iniciativa privada

Ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Afif Domingos, pediu tramitação rápida ao projeto e disse que o primeiro interessado é o sistema financeiro. Mas emendas ao PL 1775/15 proíbem essa ideia.



  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G