Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Governo

Para governo, venda de bem público permite exigência de equipamentos nacionais

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 14/03/2012

O governo já sentiu cheiro de disputa comercial e prepara a defesa, perante a Organização Mundial do Comércio, das exigências de conteúdo nacional nos equipamentos associados ao uso das faixas 450 MHz e 2,5 GHz, que serão leiloadas em junho.

“Estamos preparando respostas à OMC caso surjam dúvidas. Nosso entendimento é de que vamos vender um bem público, a faixa de frequência, e isso nos permite garantir compras de produtos nacionais. Estamos resguardados em uma posição de governo”, disse o presidente da Anatel, João Rezende.

A precaução não é à toa. A União Europeia e os Estados Unidos fizeram questionamentos sobre a política de conteúdo nacional nos equipamentos – talvez por cacoete imperial, os americanos sequer traduziram a carta para o português e ainda queriam que o Brasil, na figura do presidente da agência, fosse se explicar em Washington.

Quem entende a dinâmica dos confrontos comerciais na OMC explica que questionamentos informais são o primeiro passo em qualquer contestação oficial ao órgão multilateral de comércio. Daí o movimento do lado brasileiro de estar pronto para um potencial conflito.

“Não achamos que isso fere as disposições da OMC e examinamos isso antes de fazer o edital. Se não adotarmos medidas para aumentar a produção aqui, vamos ampliar ainda mais o déficit comercial. É curioso que a União Europeia tenha reclamado. Se não adotarmos, quem vai vender serão os chineses, não eles”, afirmou o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

O ministro e o presidente da Anatel estiveram no Senado para discutir o leilão das duas frequências – onde também foram questionados sobre a “reserva de mercado” à tecnologia nacional. Tudo indica que essas exigências serão mantidas, ainda que a agência faça ajustes nas metas de cobertura e no preço mínimo.

Pela proposta de edital, as obrigações preveem que entre 2012 a 2014, 60% dos investimentos das empresas que ficarem com as faixas devem ser em bens nacionais – 50% via Processo Produtivo Básico + 10% em tecnologia nacional, conforme a Portaria 950, do Ministério de Ciência e Tecnologia. Esses 10% serão gradativamente ampliados até 20%.

Mas se resiste a mudanças nesse quesito, a Anatel deve flexibilizar as metas de cobertura. Por enquanto, capitais e cidades com mais de 500 mil habitantes devem contar com serviços 4G ao fim de 2014, enquanto aquelas com mais de 100 mil habitantes devem estar cobertas até dezembro de 2015. É provável que a agência estipule um degrau intermediário, para cidades com mais de 200 mil habitantes.

Além disso, quando encaminhar ao Tribunal de Contas da União o preço mínimo do leilão – o que deve acontecer até o próximo dia 19 – o valor levará em conta as obrigações, seja das metas de cobertura, mas também aquelas relativas a conteúdo nacional dos equipamentos.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 30/09/2014 17:45
Leilão 4G: Sem apetite, teles deixam brecha para a Oi

:: 30/09/2014 13:43
Anatel espera que Claro, TIM e Vivo paguem mais R$ 423 milhões

:: 30/09/2014 13:20
Anatel: Sobras reduzem chance de interferência entre 4G e TV Digital

:: 30/09/2014 12:45
Sem disputa, Claro, TIM, Vivo e Algar Telecom levam 4G com desconto

:: 30/09/2014 12:00
Leilão 4G: Faixa que seria da Oi fica deserta

:: 30/09/2014 11:47
Leilão 4G: AGU recrutou procuradores e advogados

:: 30/09/2014 10:43
Claro leva primeiro lote do 4G por R$ 1,94 bilhão

:: 29/09/2014 17:44
Sem Oi e Nextel, Anatel leiloa a faixa de 4G em 700 Mhz

:: 23/09/2014 17:30
Fora dos 700 MHz, Oi acentua carência por faixas abaixo de 1 GHz

:: 23/09/2014 13:40
Ausência da Oi no leilão 4G: jogada de mestre ou xeque-mate no governo?




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Minicom: Prioridades de 2012 são as mesmas de 2011

PRÓXIMA
Telebras planeja concurso para 200 novos funcionários



Veja a segunda edição da revista digital Alianza Latinoamericana de Medios TIC Alianza Latinoamericana
de Medios TIC . nº 2


Nesta segunda edição, tratamos de um tema que está na lista de prioridade dos gestores de TI: o BIG DATA

A Revista Alianza é fruto de uma aliança editorial entre os veículos InversorLatam, portal Convergência Digital e Evaluamos, da Colômbia. Nosso compromisso é retratar os pontos mais importantes de Telecom e TI na América Latina.

Clique aqui para ver outras edições

 ESPECIAL   ESPIONAGEM DIGITAL
Um ano depois, Dilma esquece espionagem dos EUA e festeja NetMundial

Ao fim de 50 parágrafos, a presidenta da República, que abriu mais uma vez a Assembleia Geral da ONU, onde o país é a primeira das nações unidas a se manifestar, usou quatro deles para citar de passagem a “privacidade na era digital” e o aprimoramento “da arquitetura de governança da Internet”.

» Snowden: Segurança Cibernética dos EUA coloca outros países em risco
» Yahoo e Google anunciam e-mail à prova de espionagem
» Espionagem: Snowden ganha asilo por mais três anos na Rússia
Clique aqui para ver a cobertura completa


Governo altera orientações sobre compra de ‘TI verde’
:: 25/09/2014 :: Compras governamentais

Portaria da SLTI amplia o conceito de soluções sustentáveis com referência a princípios enumerados pelo núcleo de contratações de TI, como posicionamento da tecnologia, ciclo de vida, entre outros.


Descentralização excessiva prejudica TI no governo
:: 17/09/2014 :: Governo

Fórum Sul-Americano de Líderes de Governo 2014

A afirmação é do presidente da Dataprev, Rodrigo Assumpção. Segundo ele, mesmo o Decreto 8.135/2013, que obriga a contratação de redes e serviços de TI das estatais do ramo, não garante a inversão dessa lógica. “Tudo que está no Decreto já poderia ser feito antes. Tem um monte maneiras de não acontecer se os gestores públicos não se convencerem disso”, afirma.


SLTI prepara normas específicas para contratos de redes e auditorias
:: 12/09/2014 :: Compras governamentais

Duas novas instruções normativas vão especificar a compra de serviços e o uso de redes de comunicações com base na exigência de que sejam fornecidos por empresas públicas.


IN 4: Cada órgão definirá serviços estratégicos, dispensados de licitação
:: 12/09/2014 :: Compras governamentais

Segundo a Secretaria de Logística e TI, ideia é tornar os “estratégicos” menos abrangentes, uma vez que os serviços enquadrados nessa categoria podem ser distintos a depender da atividade. Para evitar dúvidas, vigência das novas regras não será imediata.



Veja as coberturas especiais do Convergência Digital


Cobertura em vídeo do Convergência Digital





Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!