Home - Convergência Digital

Celulares de segunda linha atraem investimentos móveis no Brasil

Convergência Digital - Carreira
:: Ana Paula Lobo - 14/03/2012

Com a expectativa que os features phones, os celulares mais populares com acesso à Internet, e os celulares 2G ainda dominarem a base de terminais ativos até 2017 - hoje menos de 20% dela são de smartphones, segundo dados da Anatel - a israelense Emoze negocia com os fabricantes locais de celulares para utilizar a sua aplicação de e-mail embutida.

Expectativa é que 2 milhões de terminais considerados de segunda linha tenham a solução ainda este ano. Na América Latina, esse número sobe para 5 milhões, uma vez que a empresa também negocia presença nos mercados da Argentina, Colômbia e outros.

Em entrevista ao Convergência Digital, o executivo responsável pelas estratégicas da Emoze para Brasil e América Latina, Hélio Diamont, diz que os fabricantes de terminais são os seus clientes. "As operadoras serão usuárias, mas não negociamos com elas", sustenta.

Aqui, diz Diamont, conversa com fabricantes como CCE, Intelbrás, Motorola, Alcatel One Touch e outras para que eles embutam a solução de e-mail nos celulares vendidos no mercado, especialmente, os dedicados ao pré-pago, que responde por mais de 80% da base nacional.

A solução da Emoze, explica ainda o executivo, dependendo do modelo do aparelho, permite baixar e ver arquivos anexados ao e-mail, tais como texto, música, fotos e também acessar chats entre telefones e chats das rede sociais (Facebook, Google Talk, etc). O contrabando, assume Diamont, é um problema a ser enfrentado.

"Sabemos que há muitos feature phones entrando de maneira ilegal no país. A nossa solução pode ser uma maneira de atrair o consumidor para a compra de um aparelho legalizado. Ele terá serviços oficiais e com garantia", diz.

Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas ao redor do mundo usam a solução da Emoze em aparelhos de diversos fabricantes. Entre os parceiros internacionais da Emoze estão a MediaTek e a Qualcomm. E embora trabalhe, agora, com alvo nos celulares chamados de segunda linha, a empresa também se prepara para o domínio dos smartphones, tanto que tem uma solução voltada para os celulares Android.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 

LEIA TAMBÉM:

26/09/2014
App para monitorar consumo de energia chega ao Brasil

25/09/2014
Aplicativos: Movile aporta R$ 36 milhões no Apontador e Maplink

25/09/2014
App agiliza serviço de entregas com motoboys

24/09/2014
Dispositivos móveis são aliados na traição conjugal

24/09/2014
Concurso de apps e jogos recebe quase 2,5 mil inscrições

19/09/2014
SP Serviços lança pacotes de apps

17/09/2014
Receita prepara sistema de notificações por celular

16/09/2014
Hackathon para apps em São Paulo

15/09/2014
Seu celular foi roubado. Sua empresa já foi comunicada?

15/09/2014
Inscrições para concurso de apps terminam no dia 19

Destaques
Destaques

Fora dos 700 MHz, Oi acentua carência por faixas abaixo de 1 GHz

Para a Oi resta, agora, o destino dos 15+15 MHz que hoje estão com a Nextel, mas que podem também virar leilão no processo de mudança de destinação dessa fatia do espectro.

Sem Oi no 4G, Tesouro pode “perder” mais de R$ 2 bilhões

A não ser que as demais operadoras resolvam comprar também o naco do espectro restante, a projeção de arrecadar quase R$ 8 bilhões com as outorgas vai encolher consideravelmente – inclusive porque o governo terá que cobrir a diferença na conta para a ‘limpeza’ da faixa.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

É hora de repensar o marketing móvel

:: Por Yuri Fiaschi


Copyright © 2014 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site