TELECOM

Governo vai definir em lei sistema de pagamento por celular

Luís Osvaldo Grossmann e Luiz Queiroz ... 13/03/2012 ... Convergência Digital

O governo decidiu meter a colher na interminável discussão entre teles e agentes financeiros sobre como viabilizar o uso de celulares para a realização de operações bancárias. Banco Central, Ministério das Comunicações e Anatel começaram a trabalhar em mudanças legais e regulatórias para viabilizar o casamento.

O alvo é encontrar uma solução não apenas legalmente viável, mas segura e interoperável com foco nos celulares pré-pagos, uma vez que um dos objetivos é a inclusão bancária. Ainda assim, o próprio Minicom reconhece que pode haver tarifa – a dúvida é encontrar um valor que caiba para um público que, em média, usa menos de R$ 8 por mês em minutos de ligações.

“Vamos preparar um projeto de lei, com o objetivo de encaminhá-lo ainda este ano ao Congresso, e também nas mudanças regulatórias da Anatel, do Banco Central e provavelmente do Conselho Monetário Nacional”, afirmou o ministro Paulo Bernardo, após reunião no BC.

Segundo o ministro, “há uma lacuna, um hiato regulatório, que deve ser preenchido para permitir o uso da tecnologia para fazer pagamentos”. Bernardo sustenta, porém, que não se trata de repetir o sistema já utilizado, no qual o celular funciona como cartão de crédito. “Nosso foco é a inclusão bancária.”

O ministro não quis arriscar como superar o ponto que, até aqui, impediu um acerto mais efetivo entre teles e bancos: a partilha do retorno financeiro. Mas sugeriu que algum tipo de tarifa possa ser adotada. “Se não puder ser sem ônus ao usuário, tem que ser barato”, disse.

Embora ainda em desenvolvimento, o modelo deverá ter restrições. “Operadora não é banco. Não vai montar um sistema para emprestar dinheiro. E haveria um teto [de valores por operação], inicialmente pequeno e para determinados tipos de pagamento”, completou o ministro.


Definida metodologia para medir se cobertura da TV digital atingiu 93%

No caso de Brasília e São Paulo, as primeiras metrópoles a desligarem o sinal analógico, levantamentos começam ainda em 2015.

Leilão de posições de satélites fatura R$ 183,6 milhões

Embora quatro empresas tenham brigado por quatro posições, ágio chegou a 70% da soma dos preços mínimos. Houve disputa, mas canadenses (com duas), árabes e espanhóis levaram a melhor sobre franceses.

Oi expande Projeto Linhão e leva fibra óptica à região Norte

Iniciativa prevê a construção de 2400 kms de fibra em quatro estados. Investimentos, até agora, são de R$ 32 milhões.

A 10 meses do desligamento analógico, Torre de TV Digital de Brasília tem falhas graves

Fiscalização do Tribunal de Contas do Distrito Federal lista vários problemas de projeto e execução da obra. Inaugurada em 2012, até hoje Torre não pertence ao patrimônio público.


Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G