Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Governo - Política Industrial

Abinee: Fust menor para quem comprar pelo menos 60% de equipamentos nacionais

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 13/03/2012

Para compensar pelo menos parte das perdas com a valorização do real, a indústria elétrica e eletrônica detalhou nesta segunda-feira, 12/3, a proposta de desoneração para as empresas de telecomunicações e do setor elétrico que comprarem equipamentos de infraestrutura produzidos no Brasil.

A ideia é reduzir o valor devido em contribuições. No caso das teles, a proposta prevê redução no valor devido ao Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) para aquelas empresas que adquiram pelo menos 60% de equipamentos no país. A lógica é semelhante para as concessionárias de energia, que teriam desconto na contribuição voltada à pesquisa e desenvolvimento.

“É uma compensação ao câmbio. Mesmo que as empresas comprem um pouco mais caro o produto nacional, a diferença estaria compensada - e portanto sem efeitos aos consumidores - com as reduções nas contribuições”, defendeu o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, Humberto Barbato, ao deixar uma reunião com o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel.

Na proposta detalhada ao ministro, as teles teriam reduzida a alíquota do Fust do atual 1% sobre a receita operacional bruta para 0,2% ou 0,6%, a depender do volume de compras no Brasil. Assim, aquelas que realizarem entre 80% e 100% das compras em equipamentos nacionais pagariam 0,2% de Fust. De 60% a 80%, o percentual seria de 0,6%.

Para se chegar aos produtos que fariam parte dessa conta de nacionalização - ou seja, aos 60% a 100% mencionados na proposta -, a Abinee listou 14 tipos de equipamentos de telecomunicações, como aparelhos de transmissão ou recepção de voz, imagem ou dados (inclusive sem fio), antenas, transmissores para radiodifusão, cabos coaxiais e fibras ópticas.

Já as concessionárias de energia, que pagam anualmente 0,75% da receita bruta para contribuição de P&D - além de outros 0,25% em programas de eficiência energética -, teriam a alíquota reduzida para 0,2% mediante a comprovação de que pelo menos 90% dos produtos elétricos foram adquiridos de fabricantes estabelecidos no país.

Nos dois caos, a garantia de equipamentos nacionais envolve atendimento ao Processo Produtivo Básico ou o critério de produção nacional do FINAME/BNDES. Os produtos que não tenham PPB ou não estejam cadastrados no FINAME deverão buscar comprovação junto ao Ministério do Desenvolvimento de que atendem o critério de produção nacional.

“O ministro considerou a proposta viável, ainda que reconheça ser dura de transitar dentro do governo. Mas disse que o momento é oportuno, até porque as concessões de energia estão por vencer, o que significa uma boa hora para que se estabeleça regras de compra de equipamentos nacionais nas novas concessões”, completou o presidente da Abinee.

A proposta - que em grandes linhas chegou a ser sugerida ao Ministério das Comunicações em dezembro do ano passado - também prevê a elevação para 35% da alíquota do IPI incidente sobre 24 tipos de equipamentos elétricos listados. E, ainda, o aumento de 60% para 75% do índice de nacionalização nos financiamentos do FINAME/BNDES.

Nas contas da Abinee, as importações de equipamentos para geração, transmissão e distribuição de energia levaram um setor que era superavitário a um déficit comercial de R$ 300 milhões no ano passado. “Queremos evitar que o setor elétrico repita o que vimos em outros setores”, resume Humberto Barbato.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 03/03/2015 12:03
Sem padrão digital, rádios apostam na Internet

:: 02/03/2015 17:55
Alcatel-Lucent adota conceito de startup para entrar no jogo

:: 02/03/2015 17:23
Inmetro e Capes aproximam comunidade científica da indústria

:: 02/03/2015 11:03
Em dois anos, 40% das grandes empresas terão planos de segurança cibernética

:: 26/02/2015 11:53
Consumidor paga menos por serviços de comunicação

:: 25/02/2015 16:57
Abinee: Confiança dos empresários aumenta, mas ainda é baixa

:: 25/02/2015 10:54
Projeto de lei nos EUA tenta barrar “globalização” da ICANN

:: 24/02/2015 17:11
Dispositivos móveis são alvos de malwares em 2015

:: 23/02/2015 11:44
Softex: apoio a exportadores em canais de distribuição termina hoje

:: 23/02/2015 10:56
FGV: Marco Civil da Internet impede o "acesso grátis"




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Senado quer discutir novo marco legal para informática

PRÓXIMA
TV digital: Minicom vai procurar emissoras para agilizar uso do Ginga



 ESPECIAL   ESPIONAGEM DIGITAL
Pós-Snowden, China corta Cisco, Intel e Apple de compras públicas

Marcas de gigantes da tecnologia estão fora da lista do Centro de Provisionamento do Governo Central, que orienta as aquisições de órgãos federais na China. Um terço das marcas estrangeiras desapareceu da relação nos últimos dois anos – e metade daquelas com produtos relacionados à segurança.

» Brasil ainda luta para por em prática medidas contra espionagem
» NSA e aliados têm chaves criptográficas para ouvir celulares em todo o mundo
» Espionagem: Comunicações do governo seguem vulneráveis
Clique aqui para ver a cobertura completa


Tribunal ainda vê resultados da Lei de Informática como "questionáveis"

Mais uma vez o Tribunal de Contas da União afirma que a política pública ignorou mudanças estruturais no mercado global de componentes e, como resultado, nas empresas incentivadas no Brasil “predominam atividades de baixa complexidade e pequeno valor agregado”. “Os resultados da Lei não são animadores”, conclui.


Berzoini: é hora de exorcizar os fantasmas do debate da regulamentação de mídia

A alegoria lembra a proposta original, como feita em 2010 pelo então ministro Franklin Martins, mas as semelhanças param aí. O novo ministro das Comunicações parece preferir focar a discussão na regulamentação dos artigos 220 e 221 da Constituição, sobre concentração econômica e programação regional.


TV Digital: Emissoras abrem contagem regressiva em 3 de abril

Logotipo vai mostrar aos telespectadores quantos dias faltam para o desligamento dos sinais analógicos. O primeiro switch off será em Rio Verde-GO, em novembro próximo, seguido por Brasília, em abril de 2016. Anatel, teles e tevês correm para escolher o receptor a ser distribuído a 14 milhões de famílias e como medir quantos lares estão prontos para receber apenas os sinais digitais de TV.


Heckert assume a SLTI e Giliate a direção do Datasus

Está de volta à Secretaria de Logística e TI do Ministério do Planejamento Cristiano Heckert (foto), que em sua passagem como diretor de redes, entre 2008 e 2011, fez as primeiras compras coletivas para telefonia.



Veja as coberturas especiais do Convergência Digital


Cobertura em vídeo do Convergência Digital


Veja a segunda edição da revista digital Alianza Latinoamericana de Medios TIC Alianza Latinoamericana
de Medios TIC . nº 2


Nesta segunda edição, tratamos de um tema que está na lista de prioridade dos gestores de TI: o BIG DATA

A Revista Alianza é fruto de uma aliança editorial entre os veículos InversorLatam, portal Convergência Digital e Evaluamos, da Colômbia. Nosso compromisso é retratar os pontos mais importantes de Telecom e TI na América Latina.

Clique aqui para ver outras edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!