Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Governo - Política Industrial

Abinee: Fust menor para quem comprar pelo menos 60% de equipamentos nacionais

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 13/03/2012

Para compensar pelo menos parte das perdas com a valorização do real, a indústria elétrica e eletrônica detalhou nesta segunda-feira, 12/3, a proposta de desoneração para as empresas de telecomunicações e do setor elétrico que comprarem equipamentos de infraestrutura produzidos no Brasil.

A ideia é reduzir o valor devido em contribuições. No caso das teles, a proposta prevê redução no valor devido ao Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) para aquelas empresas que adquiram pelo menos 60% de equipamentos no país. A lógica é semelhante para as concessionárias de energia, que teriam desconto na contribuição voltada à pesquisa e desenvolvimento.

“É uma compensação ao câmbio. Mesmo que as empresas comprem um pouco mais caro o produto nacional, a diferença estaria compensada - e portanto sem efeitos aos consumidores - com as reduções nas contribuições”, defendeu o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, Humberto Barbato, ao deixar uma reunião com o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel.

Na proposta detalhada ao ministro, as teles teriam reduzida a alíquota do Fust do atual 1% sobre a receita operacional bruta para 0,2% ou 0,6%, a depender do volume de compras no Brasil. Assim, aquelas que realizarem entre 80% e 100% das compras em equipamentos nacionais pagariam 0,2% de Fust. De 60% a 80%, o percentual seria de 0,6%.

Para se chegar aos produtos que fariam parte dessa conta de nacionalização - ou seja, aos 60% a 100% mencionados na proposta -, a Abinee listou 14 tipos de equipamentos de telecomunicações, como aparelhos de transmissão ou recepção de voz, imagem ou dados (inclusive sem fio), antenas, transmissores para radiodifusão, cabos coaxiais e fibras ópticas.

Já as concessionárias de energia, que pagam anualmente 0,75% da receita bruta para contribuição de P&D - além de outros 0,25% em programas de eficiência energética -, teriam a alíquota reduzida para 0,2% mediante a comprovação de que pelo menos 90% dos produtos elétricos foram adquiridos de fabricantes estabelecidos no país.

Nos dois caos, a garantia de equipamentos nacionais envolve atendimento ao Processo Produtivo Básico ou o critério de produção nacional do FINAME/BNDES. Os produtos que não tenham PPB ou não estejam cadastrados no FINAME deverão buscar comprovação junto ao Ministério do Desenvolvimento de que atendem o critério de produção nacional.

“O ministro considerou a proposta viável, ainda que reconheça ser dura de transitar dentro do governo. Mas disse que o momento é oportuno, até porque as concessões de energia estão por vencer, o que significa uma boa hora para que se estabeleça regras de compra de equipamentos nacionais nas novas concessões”, completou o presidente da Abinee.

A proposta - que em grandes linhas chegou a ser sugerida ao Ministério das Comunicações em dezembro do ano passado - também prevê a elevação para 35% da alíquota do IPI incidente sobre 24 tipos de equipamentos elétricos listados. E, ainda, o aumento de 60% para 75% do índice de nacionalização nos financiamentos do FINAME/BNDES.

Nas contas da Abinee, as importações de equipamentos para geração, transmissão e distribuição de energia levaram um setor que era superavitário a um déficit comercial de R$ 300 milhões no ano passado. “Queremos evitar que o setor elétrico repita o que vimos em outros setores”, resume Humberto Barbato.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 15/09/2014 17:35
Nextel Brasil diz não fazer parte da reestruturação judicial da NII Holdings

:: 12/09/2014 14:22
SLTI prepara normas específicas para contratos de redes e auditorias

:: 12/09/2014 14:00
IN 4: Cada órgão definirá serviços estratégicos, dispensados de licitação

:: 10/09/2014 15:25
TI e Telecom se unem e pedem revisão imediata da Lei de Informática

:: 09/09/2014 23:33
BTG Pactual bateu à porta da América Móvil para negociar compra da TIM

:: 09/09/2014 17:20
Cidades digitais: prefeituras poderão terceirizar concessão de rede

:: 08/09/2014 19:00
Mais de 100 mil brasileiros usam plataforma de educação online

:: 08/09/2014 17:24
Acionistas da PT decidem manter fusão com a Oi

:: 05/09/2014 09:55
Mais de 15 milhões de smartphones contaminados por malware

:: 04/09/2014 15:50
OTTs crescem e brasileiros reduzem tempo à frente das TVs tradicionais




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Senado quer discutir novo marco legal para informática

PRÓXIMA
TV digital: Minicom vai procurar emissoras para agilizar uso do Ginga



Veja a segunda edição da revista digital Alianza Latinoamericana de Medios TIC Alianza Latinoamericana
de Medios TIC . nº 2


Nesta segunda edição, tratamos de um tema que está na lista de prioridade dos gestores de TI: o BIG DATA

A Revista Alianza é fruto de uma aliança editorial entre os veículos InversorLatam, portal Convergência Digital e Evaluamos, da Colômbia. Nosso compromisso é retratar os pontos mais importantes de Telecom e TI na América Latina.

Clique aqui para ver outras edições

 ESPECIAL   ESPIONAGEM DIGITAL
Snowden: Segurança Cibernética dos EUA coloca outros países em risco

Ex-espião da NSA, Edward Snowden, fez novas revelações em entrevista à Wired. “Pode-se ter alguém na China, por exemplo, fazendo parecer que um desses ataques teve origem na Rússia. E aí terminamos disparando de volta contra um hospital russo”, afirmou.

» Yahoo e Google anunciam e-mail à prova de espionagem
» Espionagem: Snowden ganha asilo por mais três anos na Rússia
» Criptografia nacional é segura e não deve nada ao mercado internacional
Clique aqui para ver a cobertura completa


SLTI prepara normas específicas para contratos de redes e auditorias
:: 12/09/2014 :: Compras governamentais

Duas novas instruções normativas vão especificar a compra de serviços e o uso de redes de comunicações com base na exigência de que sejam fornecidos por empresas públicas.


IN 4: Cada órgão definirá serviços estratégicos, dispensados de licitação
:: 12/09/2014 :: Compras governamentais

Segundo a Secretaria de Logística e TI, ideia é tornar os “estratégicos” menos abrangentes, uma vez que os serviços enquadrados nessa categoria podem ser distintos a depender da atividade. Para evitar dúvidas, vigência das novas regras não será imediata.


TI e Telecom se unem e pedem revisão imediata da Lei de Informática
:: 10/09/2014 :: Política industrial

Representantes dos dois setores reclamam da visão concentrada da legislação na produção de hardware, quando software e serviços passam a ter mais relevância nos negócios. A legislação foi recém-renovada e terá validade até 2029.


Cidades digitais: prefeituras poderão terceirizar concessão de rede
:: 09/09/2014 :: Governo

Os provedores de acessos locais despontam como os maiores interessados para pegar a operação, manutenção e gestão da rede, diz o diretor de Inclusão Digital do Minicom, Américo Tristão Bernardes. Compartilhamento - leia-se uso dos postes - é o pesadelo do programa.



Veja as coberturas especiais do Convergência Digital


Cobertura em vídeo do Convergência Digital





Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!