Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Governo - Política Industrial

Abinee: Fust menor para quem comprar pelo menos 60% de equipamentos nacionais

:: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital :: 13/03/2012

Para compensar pelo menos parte das perdas com a valorização do real, a indústria elétrica e eletrônica detalhou nesta segunda-feira, 12/3, a proposta de desoneração para as empresas de telecomunicações e do setor elétrico que comprarem equipamentos de infraestrutura produzidos no Brasil.

A ideia é reduzir o valor devido em contribuições. No caso das teles, a proposta prevê redução no valor devido ao Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) para aquelas empresas que adquiram pelo menos 60% de equipamentos no país. A lógica é semelhante para as concessionárias de energia, que teriam desconto na contribuição voltada à pesquisa e desenvolvimento.

“É uma compensação ao câmbio. Mesmo que as empresas comprem um pouco mais caro o produto nacional, a diferença estaria compensada - e portanto sem efeitos aos consumidores - com as reduções nas contribuições”, defendeu o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, Humberto Barbato, ao deixar uma reunião com o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel.

Na proposta detalhada ao ministro, as teles teriam reduzida a alíquota do Fust do atual 1% sobre a receita operacional bruta para 0,2% ou 0,6%, a depender do volume de compras no Brasil. Assim, aquelas que realizarem entre 80% e 100% das compras em equipamentos nacionais pagariam 0,2% de Fust. De 60% a 80%, o percentual seria de 0,6%.

Para se chegar aos produtos que fariam parte dessa conta de nacionalização - ou seja, aos 60% a 100% mencionados na proposta -, a Abinee listou 14 tipos de equipamentos de telecomunicações, como aparelhos de transmissão ou recepção de voz, imagem ou dados (inclusive sem fio), antenas, transmissores para radiodifusão, cabos coaxiais e fibras ópticas.

Já as concessionárias de energia, que pagam anualmente 0,75% da receita bruta para contribuição de P&D - além de outros 0,25% em programas de eficiência energética -, teriam a alíquota reduzida para 0,2% mediante a comprovação de que pelo menos 90% dos produtos elétricos foram adquiridos de fabricantes estabelecidos no país.

Nos dois caos, a garantia de equipamentos nacionais envolve atendimento ao Processo Produtivo Básico ou o critério de produção nacional do FINAME/BNDES. Os produtos que não tenham PPB ou não estejam cadastrados no FINAME deverão buscar comprovação junto ao Ministério do Desenvolvimento de que atendem o critério de produção nacional.

“O ministro considerou a proposta viável, ainda que reconheça ser dura de transitar dentro do governo. Mas disse que o momento é oportuno, até porque as concessões de energia estão por vencer, o que significa uma boa hora para que se estabeleça regras de compra de equipamentos nacionais nas novas concessões”, completou o presidente da Abinee.

A proposta - que em grandes linhas chegou a ser sugerida ao Ministério das Comunicações em dezembro do ano passado - também prevê a elevação para 35% da alíquota do IPI incidente sobre 24 tipos de equipamentos elétricos listados. E, ainda, o aumento de 60% para 75% do índice de nacionalização nos financiamentos do FINAME/BNDES.

Nas contas da Abinee, as importações de equipamentos para geração, transmissão e distribuição de energia levaram um setor que era superavitário a um déficit comercial de R$ 300 milhões no ano passado. “Queremos evitar que o setor elétrico repita o que vimos em outros setores”, resume Humberto Barbato.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 18/12/2014 13:04
Smartphones 'engolem' os PCs e queda nas vendas é de 25%

:: 17/12/2014 18:16
Câmara tira vantagem de produtos com tecnologia nacional em licitações

:: 17/12/2014 11:33
Com 4G à mesa, OMC questiona política industrial do Brasil

:: 17/12/2014 11:00
Com baixa infraestrutura digital, Brasil fica em 34º em ranking global

:: 16/12/2014 10:04
Compras governamentais: parte do Governo briga pela tecnologia nacional

:: 16/12/2014 10:03
2015 será mais um ano difícil para a Segurança da Informação

:: 16/12/2014 10:00
Governo tira estímulo ao software livre de norma sobre Segurança da Informação

:: 15/12/2014 16:20
Maioria dos brasileiros rejeita pagar por aplicativo na Internet

:: 15/12/2014 13:33
eSocial: Governo publica decreto que oficializa novo regime

:: 12/12/2014 15:40
Calendário inviabiliza 4G em 700 MHz para Olimpíadas no Rio de Janeiro




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Senado quer discutir novo marco legal para informática

PRÓXIMA
TV digital: Minicom vai procurar emissoras para agilizar uso do Ginga



 ESPECIAL   ESPIONAGEM DIGITAL
Espionagem: ONU oficializa projeto que prevê a privacidade na Internet

O projeto de resolução O Direito à Privacidade na Era Digital, encaminhado de forma conjunta pelo Brasil e a Alemanha, foi aprovado pela 3ª Comissão da Assembleia Geral das Nações Unidas. Iniciativa foi uma resposta oficial dos países às denúncias de Edward Snowden.

» Espionagem: Comunicações do governo seguem vulneráveis
» Snowden: Segurança Cibernética dos EUA coloca outros países em risco
» Yahoo e Google anunciam e-mail à prova de espionagem
Clique aqui para ver a cobertura completa


Câmara tira vantagem de produtos com tecnologia nacional em licitações

Conversão em Lei da Medida Provisória 656/14 ainda isenta de Fistel as estações radio base com potência de até 5 Watts – também chamadas de small cells. Medida desagrada parte do governo, conforme revelou especial sobre compras públicas feito pelo portal Convergência Digital.


Com 4G à mesa, OMC questiona política industrial do Brasil

Disputa foi solicitada pelos europeus, que obtiveram apoio dos EUA, China, Coreia, Austrália e do Japão.


Compras governamentais: parte do Governo briga pela tecnologia nacional

MCTI, Planejamento e Casa Civil discutem mudança na regulamentação das margens de preferência de forma que seja possível comprar produtos até 25% mais caros independentemente de a disputa se dar com fornecedores estrangeiros. Assim, um produto ou serviço com tecnologia local teria vantagem sobre outro que é apenas fabricado no país.

» Compras públicas: unificar margem de preferência prejudica tecnologia nacional
» BNDES cobra preferência à tecnologia nacional na desoneração de smartphones e tablets
» Empresas brasileiras propõem política industrial focada em tecnologia nacional

TI pública precisa dar saltos de qualidade

Posição é defendida pela Dataprev, que, ao completar 40 anos,investiu R$ 65 milhões na estrutura em Brasília, além da sala cofre para o data center no Distrito Federal.



Veja as coberturas especiais do Convergência Digital


Cobertura em vídeo do Convergência Digital


Veja a segunda edição da revista digital Alianza Latinoamericana de Medios TIC Alianza Latinoamericana
de Medios TIC . nº 2


Nesta segunda edição, tratamos de um tema que está na lista de prioridade dos gestores de TI: o BIG DATA

A Revista Alianza é fruto de uma aliança editorial entre os veículos InversorLatam, portal Convergência Digital e Evaluamos, da Colômbia. Nosso compromisso é retratar os pontos mais importantes de Telecom e TI na América Latina.

Clique aqui para ver outras edições




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2014 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!