Cloud ComputingConvergência Digital
IEEE: "Nuvem mudou a regra do jogo"

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
:: Da redação :: 12/03/2012

Membros do IEEE - a maior associação técnico-profissional do mundo - estão trabalhando para cumprir a promessa de que a computação em nuvem deve auxiliar empresas de portes diversos a lidarem com os eventuais obstáculos que possam reduzir as taxas de adoção dessa tecnologia que irá mudar as regras do jogo.

Os benefícios potenciais de sistemas baseados em nuvem são amplamente discutidos e difíceis de ignorar: significativa redução de custo em operações e manutenção da infraestrutura de TI; alta escalabilidade e acessibilidade; menos preocupações em relação à sobrecarga de servidores e à falta de espaço para armazenamento; e rápida implantação.

Para fazer com que a computação na nuvem, efetivamente, venha a ajudar na parte de redução de custos em operações e manutenção da infraestrutura de TI; alta escabilidade e acessibilidade e redução de custos com servidores, os integrantes do IEEE - maior associação técnico-profissional do mundo, trabalham para mitigar os riscos e desafios do uso de cloud.

Para os especialistas, 2012 pode vir a ser ponto de inflexão na adoção da computação em nuvem, especialmente se grandes corporações atuarem como pioneiros nesse processo. De acordo com o Dr. Alexander Pasik, Membro Sênior e CIO do IEEE, assim que grandes empresas testemunharem o sucesso de seus concorrentes e contemporâneos, mais companhias irão fazer a transição para a nuvem.

“A adoção da computação em nuvem pode ser percebida como uma ameaça, e discussões acerca de mudanças geralmente encontram resistências”, afirma Dr. Pasik. “É por isso que é necessária uma equipe de TI bem informada para comunicar o impacto significativo que a computação em nuvem pode ter nos negócios. Se você é uma empresa de porte considerável e não está trabalhando com o sistema, está cometendo um erro”, prossegue. “As empresas logo irão perceber que a questão não é se deveriam ou não se mudar para a nuvem, e sim quando fazê-lo”. De fato, Dr. Pasik prevê que, de oito a dez anos, a maioria das grandes empresas mundiais irá operar com computação em nuvem.

Mas há, sim, preocupações e pressões crescentes sobre os CIOs para que atendam a regras e regulações cada vez mais rígidas em um ambiente de negócios globalizado. Segundo o Dr. Siani Pearson, Membro Sênior do IEEE e Pesquisador Sênior do Laboratório de Nuvem e Segurança, dos Laboratórios Hewlett- Packard, as regras de conformidade ficam mais complexas, conforme se consolida a padronização.

Prover serviços de computação em nuvem envolve explicar a necessidade de conformidade com regulações locais e globais e obter a aprovação necessária quando os dados são acessados de outra jurisdição. É difícil cumprir os requisitos de conformidade. A legislação global é complexa e inclui restrições de exportação, de setores específicos e legislação em patamar estadual e nacional.

O aconselhamento jurídico é necessário, e as restrições ao fluxo de dados entre as fronteiras devem ser levadas em conta. Colaboração é imprescindível à busca por soluções a essas questões complexas. Trabalhando com um conselho interno, com executivos atentos ao consumidor, assim como com parceria externas com os segmentos acadêmico e industrial, as empresas podem encontrar uma ampla gama de soluções interdisciplinares para os problemas de conformidade, sustenta.

Segurança ainda é a principal preocupação em relação à adoção da nuvem, uma vez que muitos provedores do serviço transferem essa responsabilidade ao consumidor, o que abre espaço à ampliação de custos com idéias como o oferecimento de seguros por terceiros. “É um risco grande e impraticável fazer contratos de seguro de bilhões de dólares dos dados de uma empresa, especialmente quando essa é líder de mercado. Eventuais prejuízos com a perda de aplicações comerciais ou logísticas são enormes”, disse Steve O’Donnel, Membro do IEEE.

Para superar isso, algumas empresas estão atuando em parceria com especialistas legais e especialista em privacidade. Dr. Pearson está analisando marcos regulatórios e outras soluções técnicas que permitam aos assinantes da nuvem se submeter a uma avaliação de risco antes da migração dos dados, contribuindo para responsabilizar os provedores de serviço e garantir transparência e segurança.

“Diferentes tipos de negócios têm diferentes requisitos, e a computação em nuvem atende melhor a esses requisitos que a infraestrutura tradicional”, disse O’Donnel. “A nuvem proporciona às companhias a flexibilidade para moldar seus negócios, e as possibilidades são infinitas”, completa. O Presidente e CEO do IEE, Gordon Day, é taxativo. "A nuvem mudará as regras do jogo e requer padrões globais".

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 

 Matérias relacionadas com o assunto Cloud Computing  

:: 01/09/2014 12:23
Apps na nuvem ganham fôlego no país

:: 15/08/2014 13:54
Apple contrata China Telecom para guardar dados

:: 11/08/2014 10:22
Nuvem substitui tradicionais tokens

:: 04/08/2014 10:44
Guarda de dados: Maioria dos paulistanos não confia nos provedores

:: 31/07/2014 09:45
Uso da nuvem agiliza obra do BRT em Brasília

:: 28/05/2014 10:13
Globalweb investe em centros de treinamento

:: 21/05/2014 10:30
Armazenamento é a aplicação mais procurada na nuvem brasileira

:: 12/05/2014 10:03
Big data dá fôlego ao IaaS

:: 28/10/2013 11:43
Para EMC, computação em nuvem revigora o papel da TI

:: 21/10/2013 20:22
Para deter os EUA, Brasil e Europa negociam regras comuns para computação em nuvem

Soluções de TI Simples
TI inteligente atua no controle das estradas de São Paulo

Centro de Controle de Informações (CGI) passa a integrar todas as informações, coletadas em mais de 6 mil km de rodovias no Estado.

» Ações humanas respondem por mais de 95% dos incidentes de segurança
» CSO: pronto para assumir a culpa nas violações da segurança

Opinião
Como será a rede SDN na América Latina?
:: Por Hector Silva*

VídeosMais vídeos



Destaques

Dias contados para a nuvem pública no Brasil?

Pesquisa diz que padrão privado terá a preferência de 76% dos executivos de TI.


Aplicativo usa nuvem para gestão de histórico médico

Brasil deverá, em 2015, se tonar o 4º mercado consumidor de saúde online.


Marco Civil: Saúde decide que o dado pertence ao cidadão

"O dado não é do médico. O dado não é do hospital. O dado é do cidadão. Isso pode parecer trivial, mas não era assim", frisou o diretor de Tecnologia do Datasus, Augusto Gadelha. Segundo ele, o Registro Único de Saúde só avançará se a privacidade do cidadão for respeitada.


'Donos' dos dados travam estratégia do governo para big data

"O dado não é do ministério. É do Estado", diz o diretor de operações do Serpro, Wilton Motta.


Brasil: só 8% das empresas assumem usar cloud

Pesquisa mostra também que o bom e velho telefone supera as redes sociais no relacionamento cliente/fornecedor.


Copyright © 2014 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.