Cloud ComputingConvergência Digital
IEEE: "Nuvem mudou a regra do jogo"

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
:: Da redação :: 12/03/2012

Membros do IEEE - a maior associação técnico-profissional do mundo - estão trabalhando para cumprir a promessa de que a computação em nuvem deve auxiliar empresas de portes diversos a lidarem com os eventuais obstáculos que possam reduzir as taxas de adoção dessa tecnologia que irá mudar as regras do jogo.

Os benefícios potenciais de sistemas baseados em nuvem são amplamente discutidos e difíceis de ignorar: significativa redução de custo em operações e manutenção da infraestrutura de TI; alta escalabilidade e acessibilidade; menos preocupações em relação à sobrecarga de servidores e à falta de espaço para armazenamento; e rápida implantação.

Para fazer com que a computação na nuvem, efetivamente, venha a ajudar na parte de redução de custos em operações e manutenção da infraestrutura de TI; alta escabilidade e acessibilidade e redução de custos com servidores, os integrantes do IEEE - maior associação técnico-profissional do mundo, trabalham para mitigar os riscos e desafios do uso de cloud.

Para os especialistas, 2012 pode vir a ser ponto de inflexão na adoção da computação em nuvem, especialmente se grandes corporações atuarem como pioneiros nesse processo. De acordo com o Dr. Alexander Pasik, Membro Sênior e CIO do IEEE, assim que grandes empresas testemunharem o sucesso de seus concorrentes e contemporâneos, mais companhias irão fazer a transição para a nuvem.

“A adoção da computação em nuvem pode ser percebida como uma ameaça, e discussões acerca de mudanças geralmente encontram resistências”, afirma Dr. Pasik. “É por isso que é necessária uma equipe de TI bem informada para comunicar o impacto significativo que a computação em nuvem pode ter nos negócios. Se você é uma empresa de porte considerável e não está trabalhando com o sistema, está cometendo um erro”, prossegue. “As empresas logo irão perceber que a questão não é se deveriam ou não se mudar para a nuvem, e sim quando fazê-lo”. De fato, Dr. Pasik prevê que, de oito a dez anos, a maioria das grandes empresas mundiais irá operar com computação em nuvem.

Mas há, sim, preocupações e pressões crescentes sobre os CIOs para que atendam a regras e regulações cada vez mais rígidas em um ambiente de negócios globalizado. Segundo o Dr. Siani Pearson, Membro Sênior do IEEE e Pesquisador Sênior do Laboratório de Nuvem e Segurança, dos Laboratórios Hewlett- Packard, as regras de conformidade ficam mais complexas, conforme se consolida a padronização.

Prover serviços de computação em nuvem envolve explicar a necessidade de conformidade com regulações locais e globais e obter a aprovação necessária quando os dados são acessados de outra jurisdição. É difícil cumprir os requisitos de conformidade. A legislação global é complexa e inclui restrições de exportação, de setores específicos e legislação em patamar estadual e nacional.

O aconselhamento jurídico é necessário, e as restrições ao fluxo de dados entre as fronteiras devem ser levadas em conta. Colaboração é imprescindível à busca por soluções a essas questões complexas. Trabalhando com um conselho interno, com executivos atentos ao consumidor, assim como com parceria externas com os segmentos acadêmico e industrial, as empresas podem encontrar uma ampla gama de soluções interdisciplinares para os problemas de conformidade, sustenta.

Segurança ainda é a principal preocupação em relação à adoção da nuvem, uma vez que muitos provedores do serviço transferem essa responsabilidade ao consumidor, o que abre espaço à ampliação de custos com idéias como o oferecimento de seguros por terceiros. “É um risco grande e impraticável fazer contratos de seguro de bilhões de dólares dos dados de uma empresa, especialmente quando essa é líder de mercado. Eventuais prejuízos com a perda de aplicações comerciais ou logísticas são enormes”, disse Steve O’Donnel, Membro do IEEE.

Para superar isso, algumas empresas estão atuando em parceria com especialistas legais e especialista em privacidade. Dr. Pearson está analisando marcos regulatórios e outras soluções técnicas que permitam aos assinantes da nuvem se submeter a uma avaliação de risco antes da migração dos dados, contribuindo para responsabilizar os provedores de serviço e garantir transparência e segurança.

“Diferentes tipos de negócios têm diferentes requisitos, e a computação em nuvem atende melhor a esses requisitos que a infraestrutura tradicional”, disse O’Donnel. “A nuvem proporciona às companhias a flexibilidade para moldar seus negócios, e as possibilidades são infinitas”, completa. O Presidente e CEO do IEE, Gordon Day, é taxativo. "A nuvem mudará as regras do jogo e requer padrões globais".

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 

 Matérias relacionadas com o assunto Cloud Computing  

:: 25/02/2015 16:59
Cloud é foco da Interactive Intelligence na América Latina

:: 23/02/2015 09:33
Nokia usa potencial do rádio em solução de cloud

:: 11/02/2015 17:52
EMC: Nuvem não é uma solução mágica

:: 10/02/2015 16:14
Big data: para não doer no bolso e na alma

:: 09/02/2015 14:05
Falta maturidade e apenas 10% das empresas brasileiras adotam o big data

:: 06/02/2015 16:36
Santander entra na briga pelo serviço na nuvem

:: 05/02/2015 12:33
SaaS: mudar agora ou morrer

:: 02/02/2015 17:03
Cloud: preço baixo não é mais prioridade nº1

:: 27/01/2015 16:43
Nuvem foi a cura para solução de e-mail da Rede D´Or

:: 23/01/2015 11:28
Colégio Bandeirantes usa a nuvem para armazenar 16 terabytes

Opinião
Aumenta pressão na América Latina por uma rede melhor para a nuvem
:: Por Hector Silva*


VídeosMais vídeos




Destaques

Big data puxa projeto de Internet das Coisas no Brasil

Mesmo com a preferência dos CIOs pela nuvem privada, a nuvem pública deverá crescer 50% esse ano. A compra de dispositivos móveis representará cerca de 45% dos investimentos de TI.


Interoperabilidade entre nuvens desafia gestores de TI

Pesquisa revela ainda que a nuvem pública não está nas prioridades de investimentos.


Nuvem híbrida: Empresas brasileiras se revelam ainda confusas

Tendência está na lista de prioridades, mas a maioria não tem uma estratégia para a implementação.


Cientista de dados: se você tem um, cuide dele com cuidado

Especialista será um dos mais demandados em 2015 pelas empresas no Brasil.


Sem big data, não há inovação, frisam empresários no Brasil

Pesquisa da GE mostra que 77% dos empresários consideram essencial fazer análise de dados .


Copyright © 2005-2015 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.