NEGÓCIOS

Abinee: PIB mostra que a desindustrialização é real

Da redação ... 06/03/2012 ... Convergência Digital

Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, o baixo crescimento da economia brasileira em 2011 não é uma surpresa. "Após um começo de ano com previsões exultantes, que assinalavam crescimento do PIB acima de 5%, o ânimo e as estimativas foram se derretendo", diz.

Nesta terça-feira, 06/03, o IBGE divulgou que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 2,7% em 2011, percentual que coloca o país abaixo de países como China, com alta de 9,2%, e Índia, com 6,9%.

Segundo Barbato, os dados do PIB mostram que o afrouxamento da política monetária não alcançou os efeitos esperados e tampouco foi suficiente para compensar os efeitos da hipervalorização da taxa de câmbio.

"Resta-nos concluir que parte do crescimento esperado, ao deixar de ser gerado internamente, fez sorrir os produtores e trabalhadores de outros países emergentes, principalmente os asiáticos", afirma.

Barbato salienta ainda que o balanço das contas torna evidente o fato de que o setor mais prejudicado nesse contexto foi a indústria. “Enquanto o agronegócio e os serviços cresceram, respectivamente, 3,9% e 2,7% em 2011, a indústria avançou apenas 1,6%. Pior, a indústria de transformação ficou estagnada”, enfatiza.

O presidente da Abinee ressalta, ainda, que o modesto crescimento do setor industrial foi liderado pelos segmentos da indústria extrativa mineral (3,2%) e da construção civil (3,6%). Ele afirma que, mesmo considerando o efeito da comparação estatística com 2010, é impossível conformar-se com esse resultado, uma vez que outros setores também cresceram em 2010 e mantiveram desempenho positivo em 2011. “Será que sobrou alguém que possa defender que não vivemos um processo de desindustrialização?”, questiona Humberto Barbato.


NEC vence licitação para Centro Aquático dos Jogos Olímpicos do Rio

Fabricante vai implementar e integrar sistemas de automação às diversas tecnologias utilizadas na unidade, que receberá até 18 mil espectadores.

Acordo na OMC vai zerar tarifas em cerca de 200 produtos de TI. Brasil está fora

Tratativas para ampliar o acordo, originalmente firmado em 1996, envolve 54 países e inclui itens como semicondutores, aparelhos de GPS e videogames. Mesmo de fora, o Brasil poderá ter algum benefício dessa medida.

ITAG garante RFID para microempresas via cartão BNDES

Radiofrequência padrão GS1 pode ser adquirida com o cartão da instituição financeira do governo federal junto a empresa homologada pela Associação Brasileira de Automação.

Crise não afeta os investimentos da Dell no Brasil

Luis Gonçalves, presidente da fabricante no país, reforça a aposta em software e serviços. E determina: a Internet das Coisas chegou para mudar o DNA do setor.

Software protagoniza a nova era dos data centers

No futuro, os data centers serão totalmente diferentes do que temos hoje, com novos modelos operacionais. “Software está dominando. SDN é o que está mais desenvolvido”, afirmou Henrique Cecci, do Gartner, durante o CIAB.