SEGURANÇA

Sem governança, corporações pecam no combate aos cibercriminosos

Da redação ... 02/03/2012 ... Convergência Digital
Os crimes na Web provocam sérios danos de reputação e financeiro as corporações mundialmente, mas o controle das ações dos cibercriminosos segue sendo falha nas empresas, revela pequisa Carnegie Mellon CyLab Governance 2012 sobre como presidentes e executivos de alto escalão gerenciam riscos cibernéticos mostram que estes não têm dado a atenção necessária ao assunto. A pesquisa, patrocinada pela RSA, divisão de segurança da EMC, é a terceira realizada pelo CyLab Carnegie Mellon e a comparação com os resultados de 2008 e 2010 revelam as recorrentes falhas na governança corporativa.

Baseada na lista Forbes Global 2000, a pesquisa de 2012 representa a primeira análise de governança cibernética de grandes corporações ao redor do mundo. Uma das descobertas mais importantes é que presidentes e altos executivos ainda não estão engajados em atividades chaves de supervisão, tais como definir políticas de alto nível e revisar o orçamento destinado a proteção para minimizar violações e perdas financeiras. Embora existam algumas melhorias nas principais práticas regulares de governança, menos de um terço dos entrevistados indica que seus superiores realizam funções básicas de governança cibernética.

Mesmo com os avanços mostrados na formação do grupo de integrantes dos comitês de risco e equipes organizacionais dentro das empresas, quase metade dos entrevistados disse que suas companhias não possuem pessoas exclusivas nas funções de segurança e privacidade e 58% disseram que os responsáveis não revisam a cobertura do seguro contra riscos cibernéticos.

Para ajudar as empresas a melhorarem a privacidade e a segurança da governança corporativa, as mais avançadas descobertas da pesquisa incluem recomendações para que as companhias realizem atividades de governança, tais como:

Estabelecer as prioridades de privacidade e segurança dentro das políticas de alto nível.

Revisar funções e responsabilidades de privacidade e segurança e certificar que elas estão nas mãos de profissionais altamente qualificados e que os riscos e as responsabilidades são devidamente divididos com toda a organização.

Assegurar um fluxo contínuo de informação para os responsáveis sobre privacidade e riscos, incluindo acidentes cibernéticos e violações.

Rever anualmente a verba destinada à segurança e privacidade de TI, separada da verba do CIO.

Conduzir revisões anuais do programa de segurança da empresa e a eficácia dos controles, revisar os resultados e garantir a abordagem de lacunas e deficiências. e:

Avaliar a adequação do perfil da cobertura do seguro cibernético contra riscos.


ESPECIAL » ESPIONAGEM DIGITAL
Espionagem: EUA negam pedido de perdão para Edward Snowden

Documento assinado por mais de 167 mil pessoas foi rejeitado pelo governo Obama. Snowden, que denunciou a espionagem a autoridades, entre elas, a presidente Dilma Rousseff, se voltar ao país poderá ser condenado a 30 anos de prisão.


Clique aqui para ver a cobertura completa

Bug no Android: usuários precisam atualizar seus celulares

Mais de 950 milhões de aparelhos no mundo podem ter ficado vulneráveis a uma falha, considerada a 'mais perigosa' já constatada no sistema operacional do Google. E ainda há risco, advertem especialistas.

ESET: Falsos aplicativos roubam 500 mil senhas de acesso ao Facebook

Falsas versões dos jogos utilizavam um trojan (Cavalo de Troia), identificado como "Android/Spy.Feabme". Já foram retirados da loja pelo Google, mas isso não impediu que 500 mil usuários caíssem no golpe.

Mozilla recua e reativa Flash no Firefox

Vulnerabilidades foram corrigidas, de acordo com executivo da Mozilla. Mas trabalho junto aos desenvolvedores para uso maior do HTML5 e do JavaScript prossegue.

Abrir criptografia aos governos é colocar futuro da Internet em jogo

O diretor do FBI, James Comey, quer discutir o uso do recurso nas trocas de mensagens. Especialistas renomados contestam e dizem que falta confiança para abrir dados aos governos.

Interpol mergulha no big data e cria a sua própria ‘dark web’

Policiais da unidade, especializados em crimes cibernéticos, revelam preocupação com o avanço da Internet das Coisas. Redes sociais são alvo de monitoração em tempo real.


Cobertura especial - Segurança - Biometria - Reconhecimento Facial
Bancos brasileiros testam reconhecimento facial

"A informação em tempo real ficou decisiva no combate ao crime", diz  o diretor de Negócios para a área de Governo da NEC Brasil, Massato Takakuwa.

Veja mais desta cobertura especial de segurança

  • Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G