Cloud ComputingConvergência Digital
Adoção de aplicativos móveis em corporações tira sono dos gestores de TI

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
Fabio Barros 01/03/2012

A Symantec divulgou nesta quinta-feira, 01, os resultados da Pesquisa 2012 sobre a Situação da Mobilidade, que avaliou como a adoção de tecnologias móveis está redefinindo a computação empresarial e introduzindo profundas mudanças dentro das organizações de TI. Participaram da pesquisa cerca de 6 mil empresas de 43 países, incluindo Argentina, Brasil, Colômbia, Chile e México.

O estudo revelou um aumento no uso das aplicações móveis dentro das organizações com 71% das empresas discutindo a criação de aplicações móveis customizadas e um terço já com aplicações implementadas ou em implementação. Entre os entrevistados da América Latina, a tendência é mais alta: 79% das empresas participantes disseram que estão avaliando criar aplicações móveis customizadas para seu negócio e 67% disse que já estão implementando.

Apesar dessa adoção, 48% dos entrevistados mencionou que a mobilidade é desafiadora e outros 41% identificaram que os dispositivos móveis representam um dos seus três principais riscos de TI. A tendência é similar na América Latina, onde 39% dos entrevistados mencionaram a mobilidade como risco. Além disso, diante desses desafios, a área de TI busca equilibrar os riscos e os benefícios da mobilidade, transformando sua abordagem para proporcionar maior agilidade aos negócios, aumentar a produtividade e a eficácia da força de trabalho.

A adoção significativa das aplicações móveis demonstra a notável confiança das organizações no potencial da mobilidade para gerar valor. Essa confiança é ainda mais embasada por um raro alinhamento entre expectativas e realidade. Em geral, os ganhos esperados pelo uso de novas tecnologias superam de longe a realidade após a implementação. No entanto, em relação aos smartphones e tablets atualmente em uso, 70% dos entrevistados esperavam ver ganhos de produtividade dos funcionários e 77% viram, de fato, esses ganhos de produtividade após a implementação. Além disso, 59% dos entrevistados estão agora usando dispositivos móveis em aplicações de negócios.

No caso da América Latina, a maioria das empresas parece estar fazendo melhor do que o esperado. Por exemplo, 73% disseram que esperavam aumentar a eficiência, e todos tiveram a expectativa atendida. Por outro lado, apenas 63% esperava incrementar a produtividade de seus empregados e, desses, 77% disseram ter cumprido. Resultados similares foram vistos em outros aspectos também relacionados às expectativas.

Do mesmo modo que acontece com a adoção de qualquer nova tecnologia, a mobilidade é um desafio para as organizações de TI. Globalmente, quase metade (48%) dos entrevistados mencionou que a mobilidade é desafiadora, enquanto dois terços observaram que a redução dos custos e da complexidade é um dos principais objetivos de negócios.

Na perspectiva da Symantec, esse nível mais elevado de desafios indica que a transição de pequenos projetos-piloto e implementações táticas (nos quais as políticas são muitas vezes ignoradas e exceções são abertas) para implantações que abrangem todas as empresas nas quais as políticas de maior escala, trazem mais complexidade.

Isto também sugere que muitas implementações ainda não estão tirando proveito suficiente de seus atuais sistemas e processos corporativos, o que aliviaria muitos dos problemas e dos custos que vêm com a maior escala e a duplicação de recursos. Na América Latina, 39% dos entrevistados afirmam que a mobilidade é um dos três principais riscos de TI e 48% classificam como uma tendência que implica desafios importantes na área de TI.

Riscos

A adoção móvel não vem sem riscos, e as organizações de TI reconhecem esse desafio. Aproximadamente três entre quatro organizações indicaram que manter um nível elevado de segurança é um importante objetivo dos negócios em relação à mobilidade e 41% identificaram os dispositivos móveis como um dos três principais riscos de TI, tornando-o líder dos riscos citados pela área de TI.

As preocupações variam desde dispositivos roubados e perdidos, vazamento de dados, acesso não autorizado aos recursos corporativos até a propagação de infecções por malware dos dispositivos móveis para as redes da empresa. Com os dispositivos móveis agora trabalhando com dados e processos críticos para os negócios, o custo gerado por incidentes de segurança pode ser significativo.

O custo médio anual causado por incidentes móveis nas empresas, incluindo perda de dados, danos à marca, perda de produtividade e perda de confiança dos clientes foi de US$ 247 mil. Na América Latina, o custo médio destes incidentes em nível empresarial é de US$ 212,9 mil; e no Brasil o custo foi ainda maior do que na América Latina: US$ 296 mil.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

 Matérias relacionadas com o assunto Cloud Computing   Mobilidade  

24/01/2013 às 12:40
Nuvem pública, big data e mobilidade desafiam os gestores de TI

01/03/2012 às 15:15
Adoção de aplicativos móveis em corporações tira sono dos gestores de TI

Opinião
Não caia na conversa do monitoramento de rede em nuvem
Por Dirk Paessler*


VídeosMais vídeos




Destaques

Fortaleza se transforma num hub de TI para a América Latina

Cidade será sede de dois projetos relevantes: o SACS, cabo submarino com 6 mil quilômetros e que ligará Luanda, em Angola, a capital cearense e o Monet, que tem Google e Algar Telecom como investidores.


ODF 1.2 é reconhecido pela ISO e vira padrão internacional

Modelo de software livre para aplicações de escritório é usada no governo brasileiro.


Quando a nuvem reprograma o DNA do mercado de TIC

O exército de programadores de baixo custo está perdendo vez. A hora é dos desenvolvedores capazes de atuar com analytics e big data. E aqui no Brasil, esses profissionais seguem escassos.


Chicago cria taxa sobre computação em nuvem e Brasil estuda fazer o mesmo

A terceira maior cidade dos Estados Unidos vai taxar serviços de streaming ou armazenamento de dados a partir de setembro. Por aqui, um projeto de lei tenta incluir a ‘nuvem’ nos serviços sujeitos ao ISS.


Serpro: custo do terabyte no Brasil inibe iniciativas de Big Data e Nuvem

Segundo o Assessor da Presidência da estatal, José Maria Leocádio, mercado está cobrando em torno de R$ 20 mil. "Esse custo tem que cair e bem", advertiu.


Copyright © 2005-2015 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.